MST inicia Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária em todo o país

Até o dia 17 de abril, Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, sem-terra sairão em marcha para lembrar massacre dos Carajás.

147 1

Até o dia 17 de abril, Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, sem-terra sairão em marcha para lembrar massacre dos Carajás.

Por Tatiana Félix

Na semana em que se reforçam as lutas pela Reforma Agrária no Brasil, em virtude do Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, comemorado em 17 de abril, o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), já realiza diversas atividades em todo o país. Em Pernambuco, cerca de 1.500 famílias já ocuparam doze latifúndios em diferentes regiões do estado. No Pará, o V Acampamento Pedagógico da Juventude, está acontecendo em frente ao Assentamento 17 de abril, em Eldorado dos Carajás.

Segundo Cassia Bechara, do MST de Pernambuco, até o final desta semana o movimento se dedica às ocupações de terras improdutivas. “Até o final da semana devemos chegar à 25 ocupações, mobilizando aproximadamente 5 mil famílias sem-terra”, disse. As ocupações em Pernambuco começaram ontem (11) e seguem até sexta-feira (16).

De acordo com Cassia, ainda não houve tempo para nenhum órgão do governo reagir. A programação do MST no estado prevê que no dia 17 haverá um acampamento na capital Recife, com a participação esperada de 1.500 pessoas. “Faremos atividades com a sociedade e mutirões nas periferias para discutir a importância da reforma agrária”, informou.

Já no Pará, no município de Eldorado dos Carajás, onde aconteceu o Massacre, as atividades são de fortalecimento e renovação da luta pela reforma agrária. Segundo Maria César, da Coordenação Nacional do MST, o acampamento com a juventude representa a renovação da luta do movimento. “É para mostrar que tem vida nova renascendo nesses espaços. A luta permanece”, declarou.

De acordo com Maria, cerca de 500 jovens estão acampados no local desde sábado, 10, onde permanecem até o próximo sábado, 17. Ela disse que diversas atividades estão sendo realizadas e no dia 17 todos devem sair em marcha até a curva do “S”, local onde ocorreram os massacres. Lá, haverá um Ato Político e Ecumênico, em memória aos 19 trabalhadores mortos e aos feridos em 1996.

Na capital Belém, a Praça dos Mártires de Abril será palco de outro acampamento que inicia na sexta-feira (16) e segue até o dia 20. “Em Belém também terá ato público. Queremos colocar a reforma agrária na pauta do governo e negociar essa questão”, ressaltou.

Para Maria, as expectativas são positivas. “Estamos animados para que os jovens saiam com espírito de luta renovado. Esta é a luta pela jornada dos trabalhadores rurais e é um momento de preparação para outras lutas. Queremos também mostrar que somos contra a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos trabalhadores do campo, contra a criminalização dos movimentos sociais, contra a burguesia manipuladora”, enfatizou a coordenadora.

Durante a Jornada Nacional de Lutas por Reforma Agrária o MST reivindica: o assentamento das 90 mil famílias acampadas em todo o país, a atualização dos índices de produtividade, garantia de recursos para as desapropriações
de terras e investimentos públicos nos assentamentos (educação, saúde, crédito para produção e habitação rural).

Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária

O Massacre de Eldorado dos Carajás aconteceu no dia 17 de abril de 1996, quando uma operação da Polícia Militar do Pará assassinou 19 trabalhadores rurais sem terra e deixou dezenas de feridos e mutilados. Após este episódio foi instituído o Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, comemorado na mesma data do massacre. Desde então, o MST realiza, todos os anos, Jornada Nacional de Lutas pela Reforma Agrária.

Com informações da Adital.



No artigo

1 comment

  1. Marilene Faustino

    Abaixo o latifundio, abaixo a burguesia, abaixo todo tipo de opressão e viva a revolução.

Comments are closed.


x