Obama mantém relações militarizadas com a América Latina

Washington continua dando ênfase aos programas de ajuda militar e de segurança e seu Comando Sul das Forças Armadas vem desempenhando um papel importante nas relações com a América Latina

154 1

Washington continua dando ênfase aos programas de ajuda militar e de segurança e seu Comando Sul das Forças Armadas vem desempenhando um papel importante nas relações com a América Latina

Por Jim Lobe

Washington – O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, não atendeu as expectativas de manter relações de igualdade com a América Latina, segundo um informe preparado por três organizações não governamentais. As principais razões da desilusão com Obama são o acordo assinado com a Colômbia para que forças militares norte-americanas utilizem bases nesse país, a ambígua resposta ao golpe de Estado de junho passado em Honduras e a incapacidade para normalizar as relações com Cuba, diz o estudo divulgado esta semana.

Washington continua dando ênfase aos programas de ajuda militar e de segurança e seu Comando Sul das Forças Armadas vem desempenhando um papel importante nas relações com a América Latina. “Dos mais de US$ 3 bilhões em assistência que serão concedidos à região este ano, 47% acabarão nas mãos das forças policiais e militares”, disse Adam Isacson, do Escritório em Washington para Assuntos Latino-Americanos (Wola).

“É a maior proporção em uma década e indica um enfoque desequilibrado”, insistiu Isacson, coautor do informe “Esperando a Mudança”. A isso “se soma o acordo militar assinado com a Colômbia em outubro. Por essa razão, o lado mais visível do governo Obama na região é o bélico”, acrescentou. Um dos aspectos positivos destacados pelo informe de 28 páginas é o pacote de US$ 1 bilhão concedido ao Haiti após o terremoto que aconteceu em 12 de janeiro, seguido de outros US$ 1,15 bilhão que serão entregues nos próximos 18 meses. Além disso, o Senado estuda esta semana outro pacote de US$ 3,5 bilhões para os próximos cinco anos.

Outro ponto positivo é que, no orçamento para 2011, Obama reduzirá um pouco a ajuda militar à “guerra contra o narcotráfico” e estimulará programas de prevenção e tratamento nos Estados Unidos para diminuir a demanda por drogas. O estudo realizado pelo Wola, o Latin America Working Group Education Fund e o Centro de Política Internacional é o último de uma série chamada “Somente Fatos”, lançada em 1995.

As organizações recomendam reduzir a ajuda militar e aumentar a destinada ao desenvolvimento, especialmente para saúde, educação, fomento rural e reforma de instituições civis como justiça e polícia, para lutar contra a corrupção e as violações dos direitos humanos. Washington também deve garantir à população e aos governos latino-americanos que “não tenta projetar seu poder militar na região” e garantir que seu representante e sua voz na região seja seu Departamento de Estado, e não o Comando Sul das Forças Armadas.

Além disso, as organizações recomendam continuar retendo a assistência, especialmente a militar, destinada a Honduras, até que o novo governo dê “verdadeiros passos” para punir os responsáveis pelo golpe cívico-militar do ano passado e pelas consequentes violações dos direitos humanos e promova um “diálogo inclusivo e substantivo para construir uma sociedade mais democrática”. Os governantes devem deixar bem claro que Washington se preocupa com a proteção dos direitos humanos tanto em nações consideradas aliadas, especialmente Colômbia e México (beneficiárias da maior parte da assistência militar à região), como na Venezuela, diz o relatório.

“Esperamos que haja maior disposição para a ação agora que a equipe de direitos humanos de Obama está formada”, afirmou a diretora da Lawgef, Lisa Haugaard. As organizações também recomendam “voltar a apresentar a questão da reforma das leis de imigração e promovê-la”, mensagem dada pelo próprio presidente do México, Felipe Calderón, em sua viagem aos Estados Unidos na semana passada. Obama informou ao seu colega que não terá apoio suficiente do opositor Partido Republicano para promover um projeto no Senado este ano.

A promessa de Obama feita na V Cúpula das Américas, realizada em Trinidad e Tobago em abril de 2009, de tratar os países da América Latina como “sócios iguais”, gerou “expectativas irreais” de que romperia a militarização e o unilateralismo de seu antecessor, cujas políticas em matéria de relações exteriores criticou durante sua campanha eleitoral de 2008.

“Os 15 anos que demoramos documentando as relações militares dos Estados Unidos com a América Latina nos convenceram de que os vínculos estruturais subjacentes não foram muito afetados pelo atual ocupante da Casa Branca”, diz o informe. “Continuamos vendo um crescente papel militar nas relações dos Estados Unidos com a região”, afirmou Joy Olsen, diretor do Wola. IPS/Envolverde



No artigo

1 comment

  1. Igor

    Os EUA sempre foram e continuarão sendo (por mais algum tempo) uma nação mais preocupada em remediar efeitos do que prevenir causas. Que bom que isto está mudando, vide o maior investimento em prevenção e tratamento de dependentes de narcóticos. Eles realmente acreditam que, para manter a América Latina fiel, precisam dessa forte presença militar. Acho que conseguiriam muito mais se realmente se dispusessem a igualar as relações e cumprissem mais suas promessas. Ganhariam a simpatia dos demais países da América e isto vale bem mais do que uma base militar. A iniciativa deles de ajudar financeiramente o Haiti é um exemplo disso que falo. Obama é um humanista; mas ele esbarra em interesses muito poderosos. Ele deve preferir seguir essa tendência mais um pouco para depois agir em prol de causas humanitárias. Ao menos eu espero que seja assim. Matéria boa, abraços a todos.

Comments are closed.


x