Na Argentina, esmagadora vitória do kirchnerismo, declarado morto por Miriam Leitão em 2010

Até mesmo analistas kirchneristas se surpreenderam neste domingo com a dimensão da vitória alcançada por Cristina Kirchner nas primárias...

449 7

Até mesmo analistas kirchneristas se surpreenderam neste domingo com a dimensão da vitória alcançada por Cristina Kirchner nas primárias presidenciais argentinas. Apontada favorita com 40% dos votos em algumas pesquisas de opinião, Cristina superou todas as expectativas e conseguiu uma esmagadora vitória com mais de 50% dos votos. Ricardo Alfonsín, da UCR, filho do ex-presidente e desgastado por uma aliança com o direitista De Narváez, teve 12,23%; o peronista dissidente e ex-presidente Eduardo Duhalde teve 12,19%; o socialista Hermer Binner, governador de Santa Fe, conseguiu 10,54%. A neo-mística Elisa Carrió, que chegou a ser a segunda força nas eleições de 2007, não passou dos 3,2%. A participação popular também surpreendeu e chegou a mais 70% dos votantes. A vitória foi inapelável: até o Clarín, um dos principais bastiões de oposição ao governo, foi obrigado a manchetar nesta segunda: “Alta participação e rotundo apoio a Cristina”. O kirchnerista Página 12 comemorou: “Chuva de votos”. Crónica resumiu: “Massacre” (Paliza). A previsão geral, até mesmo entre os opositores, é que dificilmente esse quadro será revertido até as eleições de outubro, nas quais, para vencer no primeiro turno, Cristina só precisa de 40% dos votos e de uma diferença de 10% ante o segundo colocado.

Para qualquer conhecedor do mapa eleitoral argentino, foi uma surra de recordar as grandes vitórias eleitorais do peronismo. Cristina venceu em todos os estados, com a exceção da pequena província de San Luis. Em alguns, como Santiago del Estero, ela alcançou 80% dos votos, impondo impressionantes 73 pontos de diferença sobre Alfonsín. Em todo o noroeste do país, mais pobre, Cristina não obteve menos de 60%: foram 70% em Formosa, 65% em Tucumán, 63% em Catamarca, 62% em Salta, 60% em Chaco. Cristina venceu até mesmo na Capital Federal, historicamente reácia ao peronismo, suplantando com tranquila vantagem de oito pontos o ex-presidente Duhalde na cidade. No estado de Buenos Aires, ela ampliou os números recentes do kirchnerismo e impôs a Duhalde uma humilhante derrota por 53 x 13. O popular governador de Santa Fe, o socialista Hermes Binner, não conseguiu vencer Cristina em seu próprio estado. Perdeu por 37,8% a 32,7%.

O Página 12 resumiu um recado das urnas que também se aplica a outros países latino-americanos:  ficou mais uma vez provado que os grandes meios de comunicação influem igualmente ou mais que um partido político ou um grupo econômico tradicional, mas não determinam um resultado. Já havía ocorrido a mesma coisa nas eleições de Brasil, Peru, Bolívia e Uruguai.

Completa-se um giro que havia se iniciado em 2008, quando estourou o conflito com as patronais do agronegócio em torno às retenções que pretendia o governo. Naquele momento, o vice-presidente Julio Cobos rompeu com Cristina e deu o voto de minerva que derrotou o governo no Senado. A cisão com os grandes meios comunicação de massas piorou e em junho de 2009 o kirchnerismo perdeu a maioria parlamentar, num momento marcado pela derrota de Néstor Kirchner em Buenos Aires. O governo começou a se recuperar com o decreto que estabelecia uma ajuda financeira para menores de 18 anos oriundos de famílias desempregadas ou subempregadas. Contando com o apoio dos socialistas e do Proyecto Sur (dissidência liderada pelo cineasta Fernando “Pino” Solanas), o governo aprovou, em dezembro de 2009, a lei de regulação da mídia e, em julho de 2010, o pioneiro casamento igualitário, garantindo este importante direito para gays e lésbicas. Ali, o kirchnerismo já havia claramente saído das cordas.

Mas a morte de Néstor, em outubro de 2010, plantou algumas dúvidas, em especial entre os machistas de plantão e os opinólogos que costumam confundir a realidade com seus próprios desejos. No Brasil, grassou uma palpitologia extremamente desinformada. A pitonisa Miriam Leitão que, na certa, não saberia diferenciar Jujuy e Córdoba num mapa, decretou peremptoriamente que “sem ele [Néstor], acaba o kirchnerismo”. Provavelmente, a Sra. Miriam Leitão não vai se corrigir, não vai publicar errata, não vai fazer mea culpa, não vai reconhecer que errou, como nunca faz. Mas os argentinos deram a resposta ontem nas urnas.



No artigo

7 comments

  1. marcos nunes Responder

    Lembro-me de uma entrevista de Ricardo Piglia dada a um jornal brasileiro; o entrevistador, assanhadinho, perguntou sobre Cristina, certo de colher declarações contrárias à presidente, mas ouviu justo o contrário: um reconhecimento de que o governo argentino é o melhor para o país e, principalmente, para as camadas mais populares. Louve-se o fato de que o apoio de Piglia não foi “editado”, ou seja, publicou-se, se não me engano justo em O Globo.

    No entanto, talvez caiba em seu blog uma análise crítica sobre o que é, o que representa, para onde vai, como opera e em que consiste, afinal, o kirchnerismo.

  2. Paulo Moreira Responder

    Sem brincadeira, ser “articulista” da grande mídia brasileira é o emprego dos sonhos de qualquer Macunaíma: faturar alto para ficar dando palpites sobre qualquer coisa sem ter o mínimo conhecimento. O resultado: sandices como essa sobre a morte do Kirchnerismo, armações como o “alcoolismo” de Lula ou uma mistura das duas coisas como as “análises” sobre as universidades americanas [vide o post gentilmente demolidor do Pedro Meira Monteiro sobre um desses “gênios da raça”].

    1. Idelber Responder

      “Gentilmente demolidor” foi uma definição perfeita. Eu gostaria de ter a elegância do meu amigo Pedro.

      1. Paulo Moreira Responder

        Bom, Idelber, há hora para tudo, né? Demolições gentis e demolições agressivas são muito bem vindas nestes tempos de consenso conservador na grande mídia brasileira!

  3. paulosk partizan Responder

    Faltou citar entre os pitonistas o futurólogo Cesar Maia. Ele consegue errar 100% das suas previsões no seu ex-blog.

  4. vander resende Responder

    Bem,
    Mirian Leitão continua demonstrando ser uma especialista em política e economia da Argentina, assim como é do Brasil, e não deixa de, do alto de sua sabedoria, decretar a breve falência do modelo político-econômico e social argentino.

    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2011/08/16/os-erros-argentinos-399020.asp

  5. Luís CPPrudente Responder

    Mais um motivo para o Governo Dilma encaminhar para o Congresso Nacional a nossa “Ley de Medios”, pois se na Argentina a presidenta Cristina conseguiu anular em parte os tentáculos da imprensa reacionária e elitista de lá, por que a nossa presidenta não decide logo em encaminhar a nossa “Ley de Medios” por aqui?

    Vendo alguns momentos da TV Esporte Interativo, apareceu cenas do campeonato argentino de futebol, dizendo algo assim: futebol para todos. Outra medida que a nossa presidenta deveria executar é mandar fazer uma intervenção na CBF, depois disto obrigar a CBF a acabar com a exclusividade do futebol para a famiglia Globo, assim todas as emissoras poderiam transmitir o futebol nos diversos horários e dias, sempre pensando no torcedor e no espetáculo esportivo e nunca na programação televisiva (esta que tem que se adequar ao horário do espetáculo esportivo e não o contrário).


x