Livre-se do Windows

É possível abandonar o programa da Microsoft e de outras grandes empresas de software por outro sistema. Além de gratuito, o Linux é mais seguro e eficiente

311 0

É possível abandonar o programa da Microsoft e de outras grandes empresas de software por outro sistema. Além de gratuito, o Linux é mais seguro e eficiente

Por Anselmo Massad

A maioria das pessoas que usam computador assusta-se só em pensar numa tela preta com um ponto piscando, sem a flecha do mouse e outras facilidades gráficas do Windows. Sem falar no medo de nunca mais acessar os documentos do Word e do Excel, por exemplo. Mas todo esse temor é infundado e custa caro.

Há muito tempo, além de ser livre de licenças, o Linux tem uma interface amigável – que é a palavra usada para dizer que o ambiente de trabalho é parecido com o do Windows. Mais que isso, existem programas disponíveis gratuitamente na internet equivalentes e compatíveis com as principais ferramentas. E, em geral, tudo é bem parecido, ainda que exija um tempo para acostumar-se com as diferenças. “Para alguém que nunca tocou num computador, a dificuldade para aprender o Linux é igual ou até menor do que começar a se virar no Windows”, garante Fernando Roxo, consultor técnico da Conectiva, a principal distribuidora de pacotes Linux no Brasil. Ele explica que, para os habituados ao sistema da Microsoft, o período para se acostumar vale a pena.

O primeiro motivo para trocar de sistema operacional é seu bom funcionamento em máquinas antigas. Mesmo num 386 (que era fabricado há mais de seis anos), é possível ter desempenho bom com versões atuais, algo inviável com o Windows. Um 486 funcionando em rede e rodando o Linux a partir de um servidor tem performance comparável a máquinas de ponta.

Outro ponto é que é livre e gratuito. Nesse sentido, é perfeito para ONGs, escolas, sindicatos, associações e também para o setor público. Mais que isso, é uma forma de se opor às grandes empresas de software, tanto ideologicamente quanto financeiramente.

Por ser feito por hackers e programadores do mundo inteiro que são, antes de tudo, usuários, o desenvolvimento do software é direcionado a ampliar o acesso aos computadores e facilitar a vida de quem usa. Isso faz com que tenha uma das formas mais amplas de suporte técnico: as listas de discussões na internet. Existem muitas voltadas para iniciantes. Normalmente, todas as mensagens que já foram trocadas nas listas ficam disponíveis, mas se a sua dúvida não estiver lá, basta descrever o caso e esperar a explicação.

É fácil, mas não é um bico
Para começar a usar o Linux a primeira coisa é conseguir o conjunto de arquivos necessários. É possível baixar gratuitamente da internet cada parte do sistema e instalar, mas para garantir estabilidade no sistema e facilitar a vida dos usuários há diversas distribuições que reúnem todos os arquivos necessários. Empresas como a Conectiva (brasileira), a Redhat (americana) e a Slackware (alemã), para citar alguns exemplos, montam pacotes com os programas, a documentação, manuais de instalação e uso do Linux. Também dão suporte técnico. Elas sobrevivem da venda dos pacotes e de serviço de suporte e treinamento.

Um dos problemas para obter o pacote pela internet é o peso do programa: 640 megabytes, a capacidade de um CD. Em uma conexão normal, por linha discada, levaria um dia (24 horas mesmo) para baixá-lo por inteiro.

Mas diversas revistas de informática têm vindo com CDs de instalação do Linux, o que facilita bastante a vida. Outra forma de obter o disco é descobrir alguém que tenha uma versão e fazer uma cópia. Como ele é livre isso não vai dar nenhuma dor de cabeça futura. Ou, ainda, se os computadores estiverem em rede, é possível instalar ou mesmo rodar o programa a partir do servidor.

Roxo, da Conectiva, conta que a instalação do Linux evoluiu muito nos últimos anos. Ao contrário do sistema da Microsoft, não é preciso reiniciar a máquina a cada alteração ou instalação de novos aplicativos. “A instalação do Windows parece mais fácil, porque o sistema já vem instalado da loja”, assegura.

A rigor, o aplicativo de instalação não exige conhecimentos profundos em informática, o que não significa que o processo seja simples para iniciantes.

Primeiro é preciso saber qual é o tipo e a marca de todos os equipamentos do computador – modem, teclado, mouse, monitor, placa de vídeo, de som etc. Em geral, o programa de instalação reconhece cada um deles. Se tudo der certo, basta apertar botões como “próximo”, “sim”,”não”.

Um problema é que todos os dados que estiverem gravados no disco rígido serão perdidos. Por isso é fundamental fazer cópias de todos os documentos que você quer guardar em disquetes antes de começar a instalação (os aplicativos instalados não precisam ser copiados, afinal não serão mais utilizados no Linux). Os detalhes da instalação variam de acordo com a distribuidora do pacote. Mas todos são auto-explicativos e contam com manuais detalhados.

Para saber mais
Manuais, guias, howtos (como fazer), perguntas freqüentes, dicas, listas de discussão e links para outros sítios

* http://linuxdoc.org – toda a documentação sobre Linux (manuais, guias, instruções, perguntas freqüentes etc.). Há informações tanto para iniciantes quanto para usuários avançados.
* http://linux.about.com – Linux in Focus. Um sítio em inglês com muitas indicações de aplicativos para Linux.
* www.olinux.com.br – o Linux. Em português, tem notícias e artigos avaliando a eficácia de diversos programas.
* linux-br.conectiva.com.br – uma das maiores e mais antigas listas de discussão do país.
* www.buscalinux.com – sítio de busca voltado para Linux.
* www.revistadolinux.com.br – revista do Linux, mantida pela Conectiva.
* http://linux.trix.net – Linux in Brazil. Apesar do nome em inglês, é um sítio brasileiro, em português, com muitas listas de discussão, dicas e guias.
* www.comlinux.com.br – comunidade brasileira de Linux.
* www.linuxgazette.com – uma espécie de jornal sobre o Linux, com muitas informações e artigos. Disponível em várias línguas.



No artigo

x