Revolução solidária

Editorial Por   Em diversos países da Europa e do extremo oriente, o movimento da Economia Solidária atinge proporções de massa. No Brasil, está apenas começando, mas...

239 0

Editorial

Por

 

Em diversos países da Europa e do extremo oriente, o movimento da Economia Solidária atinge proporções de massa. No Brasil, está apenas começando, mas já dá sinais de que pode ir longe. Boa notícia, afinal, promover a distribuição de renda, combater a pobreza e transformar as relações na sociedade por princípios solidários e coletivos é um caminho repleto de potencialidades. Nesta edição, o leitor poderá conhecer experiências de grupos de diferentes regiões e segmentos econômicos que estão, na prática, mudando realidades.

Por muito tempo, o movimento progressista planetário e brasileiro acreditou e defendeu que a única forma de romper com a exploração promovida pelo capital era a estatização da economia. A dicotomia entre o privado e o estatal pode ser enterrada pela Economia Solidária.

Apostar nesse movimento é rever valores. Alguns particularmente caros a certos setores. O professor Paul Singer expõe suas novas convicções e diz, por exemplo, não desejar uma sociedade onde haja apenas economia solidária, prefere a diversidade. E aponta que parte da sociedade quer empresas capitalistas. E por isso elas devem continuar a existir.

Outro debate que a sociedade brasileira terá de fazer em breve diz respeito às relações de trabalho, a tal reforma trabalhista. E a luta pela ampliação do movimento da economia solidária também implica repensar nessa área. Difícil reconstruir um modelo diferente com os instrumentos legais de hoje.

Se por um lado é preciso impedir que as conquistas desses movimentos sejam usurpadas por oportunistas que se constituem como cooperativas, por outro é necessário verificar como se pode dar mais liberdade para que as relações trabalhistas se constituam não só na lógica capital e trabalho. Parece estranho, mas essa edição começa um debate. Que tende a ir mais longe. E deve ser realizado por quem tem convicções transformadoras.



No artigo

x