Um encontro bombástico na fila do juízo final

Crônica Por José Roberto Torero   Como sabem todos os que fizeram catecismo, no dia do Juízo Final haverá uma grande fila para que sejamos julgados pelos...

228 0

Crônica

Por José Roberto Torero

 

Como sabem todos os que fizeram catecismo, no dia do Juízo Final haverá uma grande fila para que sejamos julgados pelos nossos pecados. O que dona Cristiana, minha professora de catecismo, não deixou claro, foi qual o critério para esta fila. Se ela for por ordem alfabética, começará com Aarão e Zumbi ficará lá no final. Pode ser por ordem de nascimento ou de morrimento, ou, ainda, apenas por sorteio.
Nesse caso, não é impossível que George W. Bush acabe ao lado de Saddam Hussein. E a conversa entre os dois poderia ser mais ou menos assim:

Bush: Você não me é estranho…
Saddam: Eu usava bigode.
Bush: Saddam?
Saddam: Eu mesmo. E você é…
Bush: Deixa eu tirar o chapéu de cowboy…
Saddam: George Dábliu!
Bush: Quem diria que nos encontraríamos aqui?
Saddam: O purgatório é pequeno.
Bush: Falando nisso, será que vamos para o céu ou para o inferno?
Saddam: Eu vou para o céu, é claro. Afinal, lutei contra o demônio americano.
Bush: Ora, não se faça de bobo. Eu é que vou para a morada celeste. Afinal, eu salvei todo o planeta de suas armas químicas.
Saddam: Mas que armas químicas?! Aqui você não precisa contar essa história de novo!! Desde quando eu teria passado esse vexame se eu tivesse uma arminha que fosse!?
Bush: Ora, você só deixou seu povo ser massacrado para que eu passasse por injusto.
Saddam: Essa sua mania de perseguição…
Bush: E digo mais, você só não usou nada porque o meu terrível exército acabou com você! Ah, e é claro que os ingleses deram uma forcinha…
Saddam: E os espanhóis?
Bush: Até hoje não consegui encontrá-los no mapa.
Saddam: Confesse, você só queria meu petróleo!
Bush: Não é verdade. A guerra também foi boa para as empresas americanas de armamentos e para as empresas americanas que reconstruíram seu país.
Saddam: Pelo menos vocês me transformaram num ídolo para o povo muçulmano. Tenho certeza que Alá me levará ao paraíso.
Bush: Alá? Esse deus não existe, meu caro. O único deus é o Deus protestante. E, talvez, o dos judeus.
Saddam: Dabliu, seu infiel, Alá existe e existe o paraíso muçulmano, que tem leitos incrustados com ouro e pedras preciosas.
Bush: Grande coisa…, no nosso paraíso há nuvens mais macias que seus leitos de ouro.
Saddam: No paraíso muçulmano nós temos frutas e bebidas à vontade.
Bush: Grande coisa… No paraíso cristão nós temos mel e ambrosia. E isso sem falar nos anjos.
Saddam: Anjos? Grande coisa…, no nosso paraíso cada homem tem direito a cem mulheres.
Bush: Cem mulheres? Esse Alá é um cafetão!
Saddam: E o seu Deus é um assassino!
Bush: O meu Deus é o único!
Saddam: O meu é que é!

Os dois começam então a trocar tapas e pontapés, puxam-se os cabelos, mordem-se os narizes e enfiam dedos nos olhos.

Aí chega Zeus e diz: “Vocês dois, já para o inferno.”

 



No artigo

x