Falha nossa!

Coluna Por Fausto Wolff   Eu ainda ia fazer quarenta anos e a turma do golpe já estava em campo há dezesseis quando o papa Léguas apareceu...

205 0

Coluna

Por Fausto Wolff

 

Eu ainda ia fazer quarenta anos e a turma do golpe já estava em campo há dezesseis quando o papa Léguas apareceu aqui em 1980. Tinha um jeitão de lutador de vale tudo: “Hoje à Noite no Gran Circo Campinho “Polaco Papa Légua contra Demônio da Sibéria.”, um troço assim. Nós ainda estávamos na ditadura oficial, a do “Se Reclamar vai para a cadeia”. Hoje estamos na branca “Se reclamar, não tem onde, se tiver ninguém escuta, se escutar não vai entender e se entender manda chamar a polícia.” Pois vocês não vão acreditar mas eu e a minha turma levávamos muita fé neste papa belezas mil que recentemente esticou o pernil.
Impossível deixar de admirá-lo. Polaco e lingüísta. Apesar dos irmáos e irmás conduzia a regência verbal melhor do que o Sarney. Dizem que o Colégio de Cardeais escolhe o novo papa inspirado pelo Espírito Santo ou pela política. Desse modo, Pio XI que morreu em 39 foi religioso, Pio XII, político, João XXIII religioso, Paulo VI político e assim por diante. Mas às vezes Deus dispõe. João XXIII que era para ter sido um papinha religioso de transição teve o maior impacto político e sua encíclica Pacem in Terris ensinou que marxistas podem ser cristãos e vice-versa. Aliás, o nosso dom Helder que parecia ter duas mãos direitas, inspirado por Roncalli, acabou tornando-se um homem de esquerda, caso raríssimo principalmente no Brasil onde embora todo o mundo já tenha sido de esquerda um dia, ela conseguiu acabar. Ou não? Fala mais alto que eu não estou ouvindo: o Lula e o Jodir Torquemada estão fazendo muito barulho, como sempre, para nada. O papa Paulo VI trabalhou mais no âmbito interno da Igreja do que nos grandes problemas sociais e políticos do mundo e o Papa João Paulo I, também chamado de Papa Gaio porque vivia rindo pretendia seguir o exemplo de João XXIII e por isso o assassinaram depois de um mês. (Se quiserem prender alguém, prendam o Francis Ford Copolla que além de rico falou isso pela primeira vez.).
Eu achava que Vojtyla ia acabar com todas as ditaduras e não só a brasileira. Pois numa homilia encomendada por Paulo VI ele não escrevera que as vítimas do consumismo corriam perigo mais grave que aquelas do comunismo? Eu tinha certeza de que ele participaria como ninguém do mais grave problema do planeta que, hoje mais do que nunca, é o da sobrevivência da espécie humana com dignidade.
Na ocasião escrevi: “O modelo de Vojtila é o teólogo grego Irineu que viveu cem anos depois de Cristo e para quem o filho do Deus transformou-se em filho do Homem e isso quer dizer que para o novo edificador de pontes, TODOS – a prostituta, o drogado, o louco, o ateu – tornam-se potencialmente divinos graças à união de Deus com a Humanidade. Não é por nada que sua única encíclica até agora chama-se Redemptor Hominis e a sua visita à favela do Vidigal é um exemplo do que pretende fazer. Creio que quando ele diz que Deus se tornou humano na pessoa de Jesus Cristo não está dizendo que a Igreja Católica tem de trazer todos para debaixo das suas asas mas sim que deve lutar contra tudo – instituição ou indivíduo – que degrade o ser humano (….).
Mais adiante, eu disse: “Qual o papel que João Paulo II desempenhará com sua Igreja? Eu diria que primeiro ele quer reorganizar suas divisões antes de realizar sua meta que é reconciliar as grandes diferenças universais entre o Leste e o Oeste, o Norte e o Sul. Como papa, como polonês e principalmente como grande campeão do III Mundo ele tentará acabar com o confronto EEUU-URSS usando a força política do III Mundo como uma alavanca moral. Ele não deixará que a Igreja seja usada pelos Estados Unidos e seus satélites contra a URSS e não deixará que os soviéticos esqueçam a falta de liberdade que ele mesmo sofreu na Polônia. Ele procurará reunir todos os grupos religiosos (judeus e muçulmanos, inclusive) para uma luta comum na busca de uma democracia socialista. Quem sabe será este o primeiro passo para que possamos iniciar a luta proposta por Jesus Cristo?”
Viram o que escrevi aí em cima? Pois é, não façam caso. Eu me enganei. O Papa João Paulo II foi um dos piores da humanidade. Gostava de viajar mas adorava ainda mais a burocracia do Vaticano que lhe dizia como fortalecer a igreja por dentro enquanto o povo morria em genocídios produzidos pela fome. Sua reação mais irada era a de pedir paz, como se ele, chefe de quase um bilhão de pessoas não pudesse fazer nada. Nem vender um brilhantezinho da coroa para evitar o extermínio do povo de Ruanda; nem dar um puxãozinho de orelhas em Sharon para dizer que ele estava se comportando com os palestinos como Hitler se comportara com os judeus; nem se pronunciar contra a bordelização da Rússia e do Leste Europeu, inclusive, sua pátria, a Polônia. Perdoem leitores. Vojtyla não foi um tremendo papão como disse há mais de duas décadas. Acabou com a teoria da libertação e fez vista grossa para a pedofilia que grassa no clero. Como a grande maioria dos religiosos não fez outra coisa senão usar Deus contra os pobres. Talvez ainda tenha de se explicar.



No artigo

x