Noticias em rede

Paz no Haiti? Por   A organização Centro de Justiça Global, em conjunto com a Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (EUA) e seu Programa de...

203 0

Paz no Haiti?

Por

 

A organização Centro de Justiça Global, em conjunto com a Faculdade de Direito da Universidade de Harvard (EUA) e seu Programa de Direitos Hu¬ma¬nos, divulgou um relatório de¬nun¬ciando os abusos cometidos pe¬la missão de paz enviada pelas Nações Unidas ao Haiti. Segundo o documento, a missão, que é comandada por tropas brasileiras, tem fracassado.
“Armada com um mandato robusto, a Minustah [da sigla em inglês para Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti] tem o potencial de acabar com os ciclos de violência no Haiti, desenvolver instituições justas e democráticas e nutrir uma cultura que honre e promova os direitos humanos. Em oito meses, desde o desembarque das tropas de paz da ONU no Haiti, no entanto, eles têm falhado em respaldar a letra e o espírito de seu mandato, como prescrito na Resolução 1542 do Conselho de Segurança. Apesar de um dos mandatos de direitos humanos mais fortes na história das operações de paz da ONU, a Minustah efetivamente não investigou ou informou sobre abusos de direitos humanos, nem mesmo protegeu defensores de direitos humanos. Encarregada de treinar e reformar a Polícia Nacional Haitiana, a Minustah, em vez disso, tem fornecido apoio incondicional a operações policiais que resultaram em prisões e detenções ilegais, ferimentos e mortes de civis não intencionais e execuções extrajudiciais deliberadas. Em vez de nortear-se em sua diretiva de proteger civis de iminente violência, a Minustah, ao contrário, lhes infligiu balas perdidas. Desarmamento está no centro dos deveres de segurança e estabilização da Minustah, mas o trabalho da missão da ONU no Haiti não transpareceu para fora das salas de reuniões. Em conseqüência, o Haiti é governado por armas e terror, e não pela lei.”
O relatório, intitulado “Man¬ten¬do a paz no Haiti?”, está disponível no site do Centro de Justiça Global (www.global.org.br).



No artigo

x