Democracia de interesses limitados

Editorial de agosto Por   Nem toda a crítica que se faz ao modelo cubano é inconsistente. Há de fato coisas injustificáveis e que não podem ser...

148 0

Editorial de agosto

Por

 

Nem toda a crítica que se faz ao modelo cubano é inconsistente. Há de fato coisas injustificáveis e que não podem ser explicadas apenas pelo fato de o país estar sob o bloqueio econômico estadunidense e viver sob a ameaça deste país.
Em Cuba não há liberdade de imprensa e os jornalistas não têm o direito de expressar suas opiniões com independência. Por isso, principalmente aqueles que tratam das questões locais, não são jornalistas, mas escribas de dirigentes partidários.
Poderia ser diferente. Sim, poderia. E não precisaria ser como no Brasil ou em tantos outros países onde os jornalistas também cada vez menos podem ser jornalistas e precisam ser escriturários dos coronéis modernos, os proprietários dos veículos informativos, ou seus capatazes.
Poderia haver em Cuba uma enorme revolução nesta área, com a abertura de centenas, milhares de rádios comunitárias e TVs locais, absolutamente autônomas e administradas do ponto de vista editorial por conselhos populares, por exemplo.
Cuba e Fidel dariam mais um belo exemplo ao mundo, como já deram ao fazer daquele país um lugar onde o povo é saudável e educado. Onde a qualidade de vida é a melhor da América Latina. E onde há formação cultural e esportiva como em lugar nenhum no mundo.
Cuba precisa avançar nesse aspecto, mas Fidel não se torna uma figura menor para a história política mundial por isso.
Não se pode dizer o mesmo dos dirigentes partidários do PSDB e do PFL que foram à Justiça para impedir a circulação da edição número 1 da Revista do Brasil, publicação que surge a partir da iniciativa de alguns sindicatos, entre eles os bancários de São Paulo e os metalúrgicos do ABC.
A alegação da coligação partidária é de que a revista fazia propaganda eleitoral por ter uma capa positiva do presidente Lula. A lógica bicuda-pefelista é uma beleza. Liberdade de imprensa só vale para falar bem da gente e mal dos outros. Se for o contrário, pau. Ou melhor, censura.
Veja, publicação horrorosa, deve ser defendida no seu direito de existir. Deve ser combatida, quando informa mal. Deve ser questionada na Justiça, quando mente. Mas se um dia quiserem tirar Veja de circulação por conta de sua linha editorial, Fórum tapa o nariz, mas sairá em defesa dela.
Se um empresariado tacanho como o que controla a Editora Abril deve ter respeitado o seu direito de editar uma Veja, por que sindicatos e sindicalistas devem ser impedidos de ter sua revista? A resposta é simples, os princípios democráticos de alguns dirigentes que se escondem atrás das siglas PSDB e PFL são limitados aos seus interesses. É ditatorial.
Fórum deseja longa vida a Fidel que, com seus defeitos, é muito mais democrático do que a maioria dos que o atacam.



No artigo

x