Baião de dois

Coluna literária de Marco Frenette Por Marco Frenette   Pagu, uma grande mulher Quem já leu o texto autobiográfico Paixão Pagu (Editora Agir) já sabe da perspicácia, coragem...

210 0

Coluna literária de Marco Frenette

Por Marco Frenette

 

Pagu, uma grande mulher

Quem já leu o texto autobiográfico Paixão Pagu (Editora Agir) já sabe da perspicácia, coragem e sensibilidade de Patrícia Galvão. Nessa carta-confissão, na qual ela narra fatos importantes de sua vida com uma sinceridade desconcertante, se vêem as qualidades de Pagu – sua clareza de raciocínio, sua precisão cirúrgica na compreensão das motivações secretas das pessoas que a cercavam. Tudo registrado com uma escrita emocionante e fluente. Agora, com o relançamento de seu romance panfletário Parque Industrial (Editora José Olympio, 126 págs.), o leitor poderá ver o lado puramente literário dessa mulher admirável. O romance tem um objetivo que, hoje, soa ingênuo: a defesa do proletariado e a demonização do burguês, como se o mundo pudesse ser dividido radicalmente em preto e branco. Mas sua prosa é deliciosa, modernista, surrealista, antropofágica e erótica. O talento dessa linda mulher é tão grande que nem mesmo todos os clichês ideológicos que infestam o livro são capazes de tirar o brilho desse clássico.
Nietzsche por inteiro

Durante anos, o leitor brasileiro leu Nietzsche em chupações descaradas. Copiavam-se traduções portuguesas, mudava-se uma palavrinha aqui e outra ali, e surgia uma nova “tradução”. Nietzsche em português do Brasil só passou a existir por completo com Paulo César de Souza, que há mais de uma década o traduz para a Companhia das Letras. Graças a ele, temos reproduções decentes de livros fundamentais como Além do Bem e do Mal (1992), Genealogia da Moral (1998) e a Gaia Ciência (2001). Agora, sai o décimo volume dessa série de traduções, O Anticristo e Ditirambos de Dionísio (176 págs, R$ 34). O anticristo propagado por Nietzsche refere-se àqueles que contrariaram os ensinamentos de Jesus ao tempo em que diziam propagá-los. O apóstolo Paulo e os primeiros cristãos teriam distorcido a mensagem de Jesus, gerando um mundo espiritual e cultural profundamente doentio e derrotista, permeado pela culpa e pelo pecado, incluindo aí uma visão estúpida da sexualidade humana. Já os ditirambos, publicados em edição bilíngüe, são nove poemas “inspirados” pelo deus Dionísio. Para Nietzsche, a grandeza e generosidade desse deus era exatamente o oposto dos valores cristãos. São poemas que louvam a delícia das alturas, a necessidade da solidão para poder crescer, e, sobretudo, a incomunicabilidade com os dessemelhantes da mesma espécie.
Dinheiro para artista

A pequena Garanhuns (PE), com seus 118 mil habitantes, dá um bom exemplo com seu Festival de Música e Arte, que acontece de 21 a 28 de abril no Teatro Luís Souto Dourado. Além de incentivar a cultura, entrega prêmios em dinheiro aos artistas. Nessa terceira edição serão distribuídos R$ 180 mil. As categorias são: intérprete (masculino e feminino), artes plásticas, teatro e literatura. A premiação, no entanto, oscila de acordo com a arte. A primeira colocação em música, por exemplo, leva R$ 25 mil; mas o grupo de teatro que ganhar vai ter de dividir R$ 10 mil. Mais informações no site: www.femuartenhus.com.br.
Punk californiano
Formada em 1980 nos subúrbios de Los Angeles, a banda Bad Religion é um dos grandes nomes do punk rock. É um som de peso, mas bem elaborado e com interessantes abordagens da política e da religião. Esses veteranos estarão em abril no país. Dia 13 em Curitiba (Master Hall, rua Itajubá, 143, Portão, tel.: (41) 3248-1001); 14 em São Paulo (Credicard Hall, av. Nações Unidas, 17.955, tel.: (11) 6846-6010) e 15 no Rio (Citibank Hall, av. Ayrton Senna, 3.000, cj. 1.005, tel.: 0300-789-6846). O show mesclará o repertório de álbuns de sucesso dos anos 90, como Recipe for Hate e Stranger than Fiction, com o de The Empire Strikes First (2004), décimo terceiro álbum de estúdio da banda.
Rumos da cultura

O programa Rumos do Itaú Cultural vem mapeando a arte e a produção intelectual brasileiras desde 1997. É um grande serviço para a cultura nacional. O Rumos atua em duas frentes. Há as artes cênicas, visuais, musicais, interativas, audiovisuais e literárias; e há a pesquisa acadêmica, a educação e o jornalismo. Os projetos escolhidos não só recebem a ajuda financeira para sua realização como também são colocados em circulação por meio de exposições, publicações, espetáculos, gravações, etc. Neste ano de 2007, o Rumos está com nove segmentos em andamento. Quatro deles ainda estão com as inscrições abertas até 31 de julho para todo o Brasil: música, literatura, jornalismo cultural e pesquisa. Para se ter uma idéia da importância do Rumos, basta dizer que o programa investirá R$ 7,5 milhões, via Lei Rouanet. Mais informações no site: www.itaucultural.com.br.
Domino e seu piano

A Coqueiro Verde Records lançou o DVD The Legends Of New Orleans – The Music of Fats Domino. Um dos precursores do rock’n’roll e nome indissociável da história do R&B tradicional de Nova Orleans, Domino foi um virtuoso do piano, e sua voz era inconfundível. Esse DVD traz sua apresentação no festival de jazz de Nova Orleans, em 2001. Há momentos inesquecíveis, a exemplo das canções “I’m Walkin’”, “Blue Monday”, “I’m Ready” e “Shake, Rattle and Roll”.
Cabelos do mundo
A exposição internacional Decifrando o Cabelo, projeto do museu La Villette, de Paris, fica em São Paulo até 1o de maio, no Galpão Sesc Pompéia (rua Clélia, 93, tel.: (11) 3871-7700). É uma viagem por várias épocas e culturas, ao tempo em que recursos tecnológicos e estéticos mostram ao espectador o emaranhado de significados que passam pelo cabelo. Essa exposição também mostra que não há tema banal, apenas abordagens banais.



No artigo

x