Juiz argentino autoriza transexual a alterar sua identidade sem operação de sexo

O secretário da Comunidade Homossexual Argentina, Marcelo Suntheim, diz que a sentença do juiz argentino abre precedentes em toda a América Latina e Caribe. A associação apoiou a jovem ao longo do processo jurídico...

104 0

O secretário da Comunidade Homossexual Argentina, Marcelo Suntheim, diz que a sentença do juiz argentino abre precedentes em toda a América Latina e Caribe.

A associação apoiou a jovem ao longo do processo jurídico e planeja agora apresentar ao Congresso argentino um projeto de lei nacional de identidade de gênero que permita a muitas pessoas como Tania a mudar de nome.

“Um dos grandes problemas enfrentados pelas transexuais é que, desde adolescentes, quando entram na escola, sofrem um grande assédio porque têm aspecto feminino quando seus documentos dizem o contrário”.

Segundo Suntheim, mais de 95% das transexuais e travestis não terminam a escola na Argentina, o que contribui para os níveis d desemprego entre este grupo.

A própria Tania é um exemplo deste caso. A jovem conta ter sido expulsa da escola e que com o novo documento pretende retomar os estudos e cursar medicina.

A sentença do juiz Pedro Hooft se soma a uma série de medidas adotadas recentemente pela Argentina em defesa dos direitos LGBT.

Buenos Aires é a primeira cidade da América Latina a autorizar a união civil entre pessoas do mesmo sexo.

Além disso, entrou em vigor no mês passado o direito de pensão para parceiros homo-afetiivos.

(Com informações do jornal Página/12)

Saiba Mais

Elas são mais corajosas
Por Brunna Rosa e Glauco Faria
Entre os segmentos mais excluídos da sociedade, travestis e transexuais se organizam para enfrentar as inúmeras violências que sofrem no dia-a-dia

Theodora e seus dois paisPor Leandro Conceição
A adoção de crianças por casais homossexuais deixa de ser um dogma no Brasil e se torna mais um importante passo na luta contra a homofobia

 



No artigo

x