Pontos de Cultura discutem direitos humanos em Brasília

Com o tema Direitos Humanos: Iguais na Diferença, em alusão aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a terceira edição da Teia 2008 foi iniciada na quinta-feira, 13. O encontro reúne representantes...

140 1

Com o tema Direitos Humanos: Iguais na Diferença, em alusão aos 60 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a terceira edição da Teia 2008 foi iniciada na quinta-feira, 13. O encontro reúne representantes dos Pontos de Cultura do Brasil e traz à capital federal, até domingo , 16, uma mostra da diversidade cultural do país.

O objetivo é dar continuidade ao processo de organização política do movimento nacional e a busca das propostas políticas. Cerca de 700 representantes dos 850 Pontos de Cultura vinculados ao Programa Cultura Viva, da Secretaria de Programas e Projetos Culturais do Ministério da Cultura, participam do encontro.

Na abertura, o ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, destacou o conceito de liberdade, que está relacionado diretamente ao de igualdade.

Alfredo Menevy, secretário de Programas e Projetos Culturais do Ministério da Cultura, lembrou que a diversidade é resultado da cultura da paz e da tolerância. Os direitos humanos seriam, assim, partem dessa construção.

Além deles o secretário executivo do Ministério da Cultura, Célio Turino, e o presidente da Fundação Nacional da Arte (Funarte), Sérgio Mambert, participaram da cerimônia de abertura.

Cobertura compartilhada
Liberdade e pluralidade de informação é o que promete a cobertura da Teia 2008. Com o trabalho de comunicadores populares, a cobertura compartilhada esta registrando imagens, sons e palavras do evento.
Para acessar a cobertura compartilhada clique aqui

www.teia2008.org  
www.iteia.org.br/teia2008 
www.estudiolivre.org/elIce.php

A reportagem viajou a Brasília a convite do Ministério da Cultura



No artigo

1 comment

  1. Observador

    Depois de 60 anos da publicação do Direitos Humanos ainda não se preocuparam com as Obrigações Humanas; Por quê será que não se fala dos deveres que a humanidade deveria ter?! Já não é sem tempo.

Comments are closed.


x