Sindicatos e movimentos de professores de Portugal marcam manifestação única

Representantes da FENPROF e de três movimentos representativos dos professores (APEDE, MUP e Promova) chegaram a acordo sobre a unificação da luta que os tem enfrentado ao governo de José Sócrates.. O...

112 0

Representantes da FENPROF e de três movimentos representativos dos professores (APEDE, MUP e Promova) chegaram a acordo sobre a unificação da luta que os tem enfrentado ao governo de José Sócrates..

O comunicado, divulgado nesta sexta feira, 31, nos sites da FENPROF e da APEDE , lembra a necessidade de "enfrentar a ofensiva sobre a escola pública (os professores em concreto) que este governo continua a desenvolver" e salienta a necessidade de "por cobro de imediato aos principais eixos da política educativa levada a cabo por este governo".

O documento "repudia" o modelo de avaliação do desempenho docente, "recusa" os princípios em que assenta o Estatuto da Carreira Docente imposto pelo Ministério da Educação e "rejeita um modelo de gestão escolar que visa o regresso ao poder centralizado de uma figura que foge ao controle democrático dos estabelecimentos de ensino", concluindo que o Memorando de Entendimento assinado entre o Ministério e a plataforma sindical de professores ficou "esvaziado de conteúdo".

As quatro organizações presentes na reunião subscreveram o documento, reafirmando a "intenção de tudo fazerem no sentido da convergência de lutas".

A convergência alcançada vem ao encontro do apelo feito por três professores – Paulo Guinote (autor do blogue "A Educação do Meu Umbigo"), João Madeira (Movimento Escola Pública) e Constantino Piçarra (Agrupamento de escolas de Ourique) – que num texto conjunto defenderam a importância dos sindicatos e movimentos na luta dos professores e a convergência entre todos para a realização de uma só manifestação, "pelo fim da humihação dos professores".

Entretanto, nos últimos dias professores de mais de 80 escolas do país aprovaram moções ou abaixo-assinados contra o sistema de avaliação. Na quinta feira,sete professores-avaliadores da Escola Secundária Camões, em Lisboa, solicitaram suspensão das suas funções, tendo recebido o apoio de 100 dos 170 professores da escola.

Leia também

Há um mês professores paralisavam Lisboa
Assista ao vídeo produzido sobre a “Marcha da Indignação”, cem mil professores contra as novas diretrizes educacionais de Portugal

Professores retomam protestos em Portugual Por Brunna Rosa

No mês de março, mais de cem mil professores foram as rua criticar a mercantilização da educação no país e a instauração de políticas avaliatórias



No artigo

x