Baú de campanha – relembre momentos das eleições paulistanas de 1985

Em 1985, São Paulo vivia sua primeira eleição municipal após 20 anos sem a população paulistana ter direito a eleger seu prefeito. O alcaide à época era Mário Covas, nomeado pelo então governador Franco...

671 1

Em 1985, São Paulo vivia sua primeira eleição municipal após 20 anos sem a população paulistana ter direito a eleger seu prefeito. O alcaide à época era Mário Covas, nomeado pelo então governador Franco Montoro, ambos do PMDB. E era desse partido que surgia o favorito ao pleito daquele ano, o senador Fernando Henrique Cardoso.

Disputando com ele, estava Jânio Quadros, do PTB. Candidato derrotado ao governo paulista em 1982, o ex-presidente era tido como um político ultrapassado, que teria seu quinhão de votos mas não conseguiria superar o sociólogo e professor da USP. O outro postulante era o deputado federal Eduardo Suplicy, do PT, que encarava sua primeira disputa no Executivo. Também estavam lá figuras como Francisco Rossi (PCN) e José Maria Eymael (PDC).

O PMDB surfava na onda da redemocratização e, com a prefeitura e o governo do estado nas mãos, tudo levava a crer que o partido venceria. Chico Buarque chegou a gravar no horário eleitoral uma versão da música símbolo desse período, “Vai Passar”, cujo refrão era trocado por “É Fernando Henrique olerê/É Fernando Henrique olará”. Em entrevista a Fernando Barros e Silva, o compositor justificou. “Em 1985, na eleição à prefeitura de São Paulo, eu achava que o Fernando Henrique era o único candidato da esquerda capaz de derrotar o Jânio Quadros. O PT lançou o [atual senador Eduardo] Suplicy. O que eu briguei com gente do PT – e por causa do Fernando Henrique Cardoso (risos). A candidatura do Suplicy no fim ajudou a eleger o Jânio Quadros.”

De fato, a expressiva votação do petista (20,7% dos votos válidos) mostrou que ele fez a diferença. Não à toa vários emissários de FHC, principalmente na reta final, tentaram fazer com que o PT abrisse mão da candidatura. Mas não é lógico na política que alguém que tenha esse montante de votos renuncie, ainda mais em uma eleição de turno único. A criativa campanha do partido utilizou um expediente que seria repetido em outras ocasiões, como 1989. Mostrava apoio de artistas e personalidades como se pode ver no vídeo abaixo. Nele aparecem globais como Antônio Fagundes, José Wilker e Marcos Frota; militantes históricos como Lélia Abramo e Carlito Maia, além de familiares de Suplicy, como sua então esposa Marta e a mãe Filomena .

Tudo indicava que Fernando Henrique venceria. Chegou a posar para fotos na cadeira de prefeito. Mas em um debate, Boris Casoy perguntou a ele se acreditava em Deus e o peemedebista titubeou, dizendo ter combinado com o jornalista que esse tipo de pergunta não seria feita. Não se pode atribuir apenas a isso a derrota de FHC, mas certamente o fato, que repercutiu, serviu para mobilizar os conservadores a favor de Jânio.

No vídeo a seguir, FHC passa a maior parte do seu último programa negando ser ateu, além de dizer que não fumava maconha. E não é que Regina Duarte já estava lá?Curiosamente, com o mesmo discurso do medo que apareceria na eleição de Lula contra Serra. Para pregar o voto útil, dizia que “votar no Suplicy é ajudar o Jânio”, fazendo a comparação esdrúxula com a eleição que levou Hitler ao poder, com a divisão dos democratas. Comparar Jânio aos nazistas é levar o “medo” às últimas e inacreditáveis conseqüências…

No dia da eleição, a boca de urna do Datafolha dava a vitória ao PMDB. Luiz Carlos Azenha, então repórter da extinta TV Manchete, conta a angústia de alguém que cobria uma eleição com apuração manual e informações desencontradas. “Uma pesquisa não-científica da Rádio Jovem Pan, baseada em entrevistas nas ruas, dava vitória de Jânio. Porém, as primeiras pesquisas de boca-de-urna do Datafolha davam vitória de FHC. E eu enrolava o público, ao vivo, diante de resultados que não batiam com os da pesquisa Datafolha.
A certa altura, os números trombavam tanto que um diretor da TV Manchete me instruiu, por telefone: ‘Entrevista o diretor do Datafolha, peça para ele explicar.‘ Foi o que fiz. E ele: ‘É que a apuração começou primeiro em bairros onde Jânio é popular. À medida em que os votos forem chegando ao TRE, de outras regiões da cidade, nosso resultado vai se confirmar.‘

Mas a realidade parecia não bater com o que previa o instituto de pesquisa. “O tempo passou. E nada da pesquisa do Datafolha bater com o resultado da contagem dos votos. Até que o diretor da TV Manchete, Pedro Jack Kapeller, ligou de novo: ‘Esquece o Datafolha. Dá o resultado da apuração que o Jânio vai ganhar.‘ Foi o que passei a fazer. Batata. Deu Jânio Quadros e ele reservou para a TV Manchete a primeira entrevista ao vivo, no estúdio da própria emissora, na rua Bruxelas, em São Paulo”. Eleito com 39,3% dos votos válidos contra 35,3% de FHC, Jânio tomou posse, não sem antes “desinfetar a cadeira”, dizendo que “nádegas indevidas” haviam sentado naquele lugar.

Jânio venceu com uma campanha modesta, sem grandes artistas e com uma propaganda eleitoral na televisão cujos caracteres lembravam os filmes de terror B dos anos 60. A mensagem era simples: contra a corrupção, em favor da segurança, o discurso de direita populista que sempre agradou muitos segmentos da cidade de São Paulo. De fato, conseguiu vencer em bairros da zona norte, leste e parte do centro, cativando principalmente a classe média baixa, aquela que não se identifica com os pobres por conta da sua condição econômica, mas também está distante dos bairros mais nobres da cidade, como mostra análise de Antônio Flávio Pierucci aqui. Foram vitórias com mais de 40% em bairros como Vila Maria – seu tradicional reduto -, Tatuapé, Móoca, Tucuruvi, Brás e outros.

Lances inusitados
Como em toda eleição, lances curiosos aconteceram naquele pleito. Um deles foi protagonizado por Eduardo Suplicy em um debate, quando levou um coelho e uma tartaruga de pelúcia para passar o recado a Fernando Henrique Cardoso que "devagar se vai ao longe" e que acabaria superando seu adversário. Foi muito devagar.

Entre os nanicos, um se destacou. Rivailde Ovidio, do PSC, costumava utilizar seu espaço no horário eleitoral para cobrar o governo do estado. Atacava sua suposta inação e perguntava sempre no final: “Ooooonde está você, Franco Montoro?”.



No artigo

1 comment

  1. ronaldomachado

    Olha, realmente é do fundo do baú que uma aula sobre as pesquisas. Mas ler novamente a intrevista do chico é algo que alivia a nossa mente.

Comments are closed.


x