Bolívia rompe relações diplomáticas com Israel

Após o governo venezuelano cortar relações diplomáticas com Israel na semana passada, a Bolívia anunciou hoje (14) o rompimento das relações com aquele país, pelo mesmo motivo: o massacre de palestinos na Faixa de...

174 0

Após o governo venezuelano cortar relações diplomáticas com Israel na semana passada, a Bolívia anunciou hoje (14) o rompimento das relações com aquele país, pelo mesmo motivo: o massacre de palestinos na Faixa de Gaza. A ofensiva israelense já matou cerca de mil palestinos e deixou pelo menos 4.500 feridos. O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon pediu hoje, em coletiva de imprensa no Egito, o fim imediato dos ataques de Israel ao território palestino.

O governo da Bolívia também decidiu entrar com uma denúncia ante o Tribunal Penal Internacional sobre o genocídio praticado por Israel contra a população civil de Gaza. O presidente Evo Morales afirmou que os crimes de Israel afetam a estabilidade e a paz mundial e trazem de volta a lembrança dos crimes de lesa humanidade cometidos durante a Segunda Guerra Mundial e nos genocídios realizados na Iugoslávia e Ruanda. Amanhã (15), organizações bolivianas participam de um ato público na Praça San Francisco em apoio à resistência Palestina.

Em coletiva de imprensa concedida após uma reunião com o ministro egípcio de Assuntos Exteriores, Ahmed Abul Gheit, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon disse ter um compromisso total para conseguir um cessar-fogo imediato e que fará tudo o que está a seu alcance para consegui-lo. O secretário-geral afirmou ainda não se sentir seguro para visitar a Faixa de Gaza, mas que vai conversar com funcionários da ONU que se encontram no local.

Ban Ki-moon declarou que todos os membros da ONU têm obrigação de cumprir com as resoluções da organização, referindo-se à resolução, aprovada no dia 8 de janeiro, pelo Conselho de Segurança do órgão, que pedia com urgência um cessar-fogo na região e a retiradas das forças israelenses do território palestino. Ban ressaltou que vai entrar em contato com líderes israelenses para pressionar pelo fim do conflito.

A organização Save the Children continua denunciando a situação de crise humanitária na Faixa de Gaza. A instituição estima que a população local necessite de oito vezes mais ajuda do que a que está recebendo no que diz respeito à comida e medicamentos. A ONG qualifica a situação de lamentável. Segundo a organização, o cessar-fogo de três horas para a entrada da ajuda humanitária é inadequado e está dificultando os esforços humanitários.

De acordo com estimativas de Save the Children, pelo menos 7.200 caminhões deveriam ter entrado em Gaza para assegurar que a população tenha um mínimo de alimentos, combustível e medicamentos. Apenas 900 caminhões tiveram entrada permitida desde o início do conflito, segundo o Governo de Israel. A ONG afirma que, antes do conflito, mais de um milhão de pessoas em Gaza, sendo mais da metade constituída por crianças, já dependiam de ajuda humanitária.

Com informações da Adital.



No artigo

x