Busca de informações sobre desaparecidos políticos é tema de campanha

"Para que Não Se Esqueça. Para que Nunca Mais Aconteça". Este é o slogan da campanha Memórias Reveladas, promovida pelo Arquivo Nacional e a Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, que...

123 2

"Para que Não Se Esqueça. Para que Nunca Mais Aconteça". Este é o slogan da campanha Memórias Reveladas, promovida pelo Arquivo Nacional e a Secretaria de Comunicação Social (Secom) da Presidência da República, que começou a ser veiculada em jornais, revistas e emissoras de televisão nesse domingo, 27. Composta por cartazes e filmes, a campanha tem como objetivo sensibilizar a sociedade para que as informações sobre os desaparecidos políticos e a ditadura militar sejam reveladas.

"Não temos expectativa de quanto receberemos, mas estamos animados com a possibilidade de [surgir] um filho ou neto de quem tenha informações e arquivos sobre os desaparecidos", afirma o secretário executivo da Secom, Ottoni Fernandes Jr. A campanha, de utilidade pública, custou R$ 13 milhões.

Para sensibilizar a sociedade, a secretaria decidiu criar vídeos contando a história de três desaparecidos políticos. "Queríamos histórias de todo o país: selecionamos oito histórias e submetemos à Secretaria Especial de Direitos Humanos", explica o secretário.

Uma vez escolhidos os personagens, foram selecionados três diretores com experiência em filmes sobre a ditadura militar – Cao Hamburguer (O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias) contou a história do deputado federal Rubens Paiva, desaparecido em 1971, Helvécio Ratton (Batismo de Sangue) filmou Elzita Santa Cruz Oliveira, mãe de Fernando Santa Cruz, desaparecido em 1974, declamando um poema descrevendo a ausência do filho, e João Batista de Andrade (Vlado- Trinta Anos Depois e Travessia) contou a história de Diva Santana, imrã de Dinaelza Santana Coqueiro e cunhada de Vandick Reidiner Pereira Coqueiro, desaparecidos em 1974.

Para o cineasta João Batista de Andrade, o maior desafio do trabalho foi contar a história em um minuto, duração de um dos filmes (o outro tem 30 segundos). "O que mais gostei foi que não me impuseram nenhum roteiro, o trabalho era totalmente autoral", revelou. Os filmes serão veiculados por dois meses em horário nobre nas emissoras de televisão.

Além dos filmes e dos anúncios, o site Memórias Reveladas irá ao ar e uma equipe de sete pessoas foi contratada para atender as chamadas no telefone 0800 701 2441. "Esta não é uma busca vã", disse Ottoni Fernandes Jr. "Precisávamos dar a partida para descobrir o paradeiro dessas 140 pessoas. Esta não é uma tarefa de governo, é da sociedade", completou.

Com informações da Agência Brasil.



No artigo

2 comments

  1. Artur

    Muito boa essa campanha!! essa famílias sofreram muito na época e essas pessoas lutaram muito por uma sociedade democrática e merecem ser valorizadas e lembradas!!

  2. Artur

    Muito boa essa campanha!! essa famílias sofreram muito na época e essas pessoas lutaram muito por uma sociedade democrática e merecem ser valorizadas e lembradas!!

Comments are closed.


x