Com grande presença indígena, marcha inicia FSM em Belém

Foto: Natecull/ Flickr   A edição de 2009 do Fórum Social Mundial, realizada em Belém, capital do...

114 0

Foto: Natecull/ Flickr
Foto:

 

A edição de 2009 do Fórum Social Mundial, realizada em Belém, capital do Pará, começa nesta terça-feira, 27, com uma marcha pela cidade. A partir de quarta-feira, 80 mil pessoas são esperadas para o encontro da sociedade civil organizada para discutir propostas para outro mundo possível.

Toda a estrutura turística da cidade está mobilizada para o Fórum e os eventos paralelos, com hotéis lotados e ruas cheias de militantes de diferentes partes do mundo. Isso deve se ampliar a partir da marcha de abertura do evento, em que será feita um ritual para simboliza a passagem do FSM da África para o Amazonas, já que a última edição centralizada do Fórum ocorreu em Nairóbi, no Quênia. A concentração está marcada para a Estação das Docas, e os 100 mil participantes esperados seguirão pelas ruas do centro da cidade.

Neste ano, devido à localização, a participação indígena deve ser maior que em outras edições. Cerca de 100 lideranças de comunidades indígenas de diferentes estados promoveram manifestações em diferentes cidades antes de chegar à sede do Fórum, para mobilizar a comunidade.

Fóruns de educação, mídia livre, juízes e parlamentares e a conferência dos Povos Indígenas estão em andamento na cidade usando como base a estrutura das universidades federais (UFPA e UFRA, além do Hangar). Cinco presidentes latino-americanos são esperados, Luiz Inácio Lula da Silva, do Brasil, Fernando Lugo, do Paraguai, Evo Morales, da Bolívia, e Hugo Chávez, da venezuela. Eles foram convidados por organizações que promovem atividades autogestionadas, já que entidades governamentais não podem comandar seminários nem oficinas.

Leia mais
Boaventura: A hora dos movimentos sociais Por Rita Freire
Boaventura de Sousa Santos analisa as possibilidades do governo Obama e enxerga no enfrentamento à crise global uma importante oportunidade para o movimento social. 

O pós-altermundismo e os desafios das lutas globais Por Douglas Estevam 



No artigo

x