Condenação geral ao golpe de Estado em Honduras

Carros blindados e tanques saíram ontem às ruas de Tegucigalpa, horas depois do alto escalão das Forças Armadas prender o presidente de Honduras, Zelaya Rosales (na foto, com o presidente Lula.) Os veículos militares tomaram as...

161 0

Carros blindados e tanques saíram ontem às ruas de Tegucigalpa, horas depois do alto escalão das Forças Armadas prender o presidente de Honduras, Zelaya Rosales (na foto, com o presidente Lula.) Os veículos militares tomaram as ruas que dão acesso à residência presidencial, segundo a Agência Efe, enquanto aviões caça sobrevoam a capital hondurenha.

Zelaya havia prometido realizar uma consulta popular para decidir se a Constituição pode ser alterada, o que poderia permitir a reeleição presidencial. O plano do presidente foi considerado ilegal pelo Congresso e pela Justiça do país, enfrentando a oposição também do Exército.

Protestos de vários lados
Começou às 12 horas (de Brasília) de ontem, em Washington, reunião de emergência da Organização dos Estados Americanos (OEA) para analisar a situação.

Em Caracas, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, condenou hoje o ‘‘golpe de Estado troglodita‘‘ cometido contra seu colega de Honduras, Manuel Zelaya, e destacou que ‘‘chegou a hora do povo‘‘ e dos movimentos sociais desse país. Chávez também pediu ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ‘‘que se pronuncie‘‘, já que, disse, ‘‘o império tem muito a ver‘‘ com o que acontece em Honduras.

Em La Paz, o presidente da Bolívia, Evo Morales, pediu aos organismos internacionais, aos seus colegas da América Latina e aos líderes de movimentos sociais que ‘‘condenem e repudiem o golpe de Estado militar em Honduras‘‘. Em declarações no Palácio do Governo, Morales disse que neste momento há uma ‘‘emergência internacional‘‘ em Honduras, onde o presidente Manuel Zelaya foi detido pelos militares e levado para uma base da Força Aérea.

Porém a condenação não se circunscreve à esquerda latino-americana, da qual Zelaya se aproximou em busca de mudanças de fundo em seu país. A União Europeia (UE), dominada por conservadores, já condenou o golpe militar. Comunicado divulgado pelos 27 chanceleres da UE classificou a deposição de ‘‘inaceitável violação da ordem constitucional em Honduras‘‘. A UE exigiu ainda a imediata libertação de Zelaya e ‘‘a volta à normalidade constitucional‘‘.
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, também se declarou "profundamente consternado com os informes que chegam de Honduras sobre a detenção e expulsão do presidente Zelaya". Obama disse que as disputas no país "devem ser resolvidas pacificamente através de diálogo livre de qualquer interferência externa".

Brasil também condena

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva condenou hoje (29) o que considera um golpe de Estado em Honduras. Segundo ele, a única saída para o país é a democracia. “Não há meio termo. Temos que condenar esse golpe”, disse Lula em seu programa semanal de rádio Café com o Presidente.

“Não podemos aceitar ou reconhecer qualquer novo governo que não seja o do presidente Zelaya, porque ele foi eleito diretamente pelo voto, cumprindo as regras da democracia. E nós não podemos aceitar mais, na América Latina, alguém querer resolver o seu problema de poder pela via do golpe”, afirmou Lula.

Centenas de soldados tomam a capital

Zelaya foi eleito em 2006 e, sob a atual Constituição hondurenha, não pode disputar a reeleição. Ele queria realizar uma consulta popular para decidir se uma Assembléia Constituinte deve ser convocada para fazer mudanças constitucionais junto com as eleições, marcadas para novembro. O presidente disse que não tem intenção de concorrer novamente ao cargo, mas que quer apenas que presidentes futuros tenham essa chance.

Na terça-feira, o Congresso aprovou uma lei que proíbe a realização de referendos ou plebiscitos 180 dias antes ou depois de eleições gerais, feita sob medida para impossibilitar os planos do presidente. Em seguida, o chefe do Exército disse que não ajudaria na organização do referendo para não desrespeitar a lei.

Na quinta-feira, o presidente e seus simpatizantes entraram em uma base militar e retiraram as urnas que estavam guardadas lá. ‘‘Nós não vamos obedecer a Suprema Corte‘‘, disse o presidente a uma multidão de simpatizantes em frente à sede do governo. ‘‘A corte, que apenas faz justiça aos poderosos, ricos e banqueiros, só causa problemas para a democracia.‘‘

No sábado, o presidente ignorou uma decisão da Suprema Corte para devolver o cargo ao chefe do Exército, general Romeo Vasquez, que foi demitido após se negar a ajudar na preparação do referendo.

Líderes militares se recusaram a entregar urnas para a votação, uma decisão que levou à demissão do general Vasquez e à renúncia do ministro da Defesa, Edmundo Orellana. Os chefes da Marinha e da Aeronáutica também renunciaram em protesto. O Exército, por sua vez, colocou centenas de soldados nas ruas da capital, dizendo que quer prevenir que os aliados do presidente causem confusão. 

Com informações de Vermelho e Agência Brasil.

Foto de Ricardo Stuckert (Agência Brasil).



No artigo

x