EBC enfrenta greve por plano de cargos e salários

A Empresa Brasil de Comunicações (EBC) enfrenta sua primeira greve de funcionários. A decisão foi tomada na terça-feira, 29, em assembléia. A principal reivindicação é pela revisão do Plano de Cargos e Salários definido,...

202 0

A Empresa Brasil de Comunicações (EBC) enfrenta sua primeira greve de funcionários. A decisão foi tomada na terça-feira, 29, em assembléia. A principal reivindicação é pela revisão do Plano de Cargos e Salários definido, segundo os funcionários, de forma autoritária pela empresa. Com isso, os funcionários contratados estariam sendo privilegiados em relação aos concursados. 

A página da Agência Brasil continua sendo atualizada e a programação da TV Brasil segue no ar normalmente.

A direção da estatal, cuja diretora-presidente é a jornalista Tereza Cruvinel, apresentou pisos salariais diferenciados para concursados e contratados, respectivamente R$ 2 mil e R$ 5 mil. Os contratados são selecionados apenas por análise de currículo, o que os tornaria, segundo a empresa, "especialistas". São 203 contratados sem concurso com salários mais altos.

A maior parte dos prejudicados são os trabalhadores da Radiobras, incorporada pela EBC no final de 2007. Diante da ausência de contra-proposta da direção às demandas de um plano construído democraticamente, a assembléia decidiu pela paralisação.

Segundo os funcionários, a EBC "protela há quatro meses apresentação integral do Plano [aos funcionários], embora já tenha apresentado o texto ao Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais (DEST), no Ministério do Planejamento, conforme informação da própria empresa.

Como a empresa prometeu, agora, apresentar uma contra-proposta, uma nova assembléia está agendada para sexta-feira, 31.

Os nove pontos reivindicados são:

1 – Que a íntegra do plano seja entregue aos trabalhadores e aos sindicatos para que as negociações continuem.

2 – Que o piso salarial seja fixado em R$ 3.904 para nível de terceiro grau e R$ 1.816 para segundo grau.
3 – Que a aplicação do plano seja retroativa a 12 de junho, data da extinção da Radiobrás.
4 – Que não haja divisão da categoria dos jornalista em: jornalistas e jornalistas especialistas e sim em níveis de um mesmo corpo. Queremos uma única carreira de jornalistas.
5 – Que a titulação seja admitida para fins de progressão na carreira.
6 – Que a transposição do plano da antiga da Radiobras para o da EBC seja feita com correção horizontal e recuperadas as progressões não realizadas ou efetivadas até o momento da extinção da Radiobrás.
7 – Que ocorra a regulamentação dos critérios e objetivos de avaliação para a progressão na carreira.
8 – Que seja contemplada a progressão de, no mínimo, dois níveis a cada ano no emprego (um por mérito e outro por exercício).
9 – Que a data-base (primeiro de novembro) os salários sejam atualizados pelo INPC do período (7,1%) sobre a remuneração, do Plano da EBC, já implantada em 12 de junho, mais 3% de ganho real.



No artigo

x