Força Sindical cede, e centrais sindicais suspendem negociação com Fiesp

Representantes das centrais sindicais decidiram na quinta-feira, 15, em reunião na sede da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), decidiram paralisar as negociações com os empresários por dez dias. Apenas a Força Sindical e a Central...

201 1

Representantes das centrais sindicais decidiram na quinta-feira, 15, em reunião na sede da Central dos Trabalhadores do Brasil (CTB), decidiram paralisar as negociações com os empresários por dez dias. Apenas a Força Sindical e a Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) haviam participado da reunião em que a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) convocou para discutir redução de jornada com corte proporcional de salários. A decisão foi tomada sem a presença da Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Durante esses dez dias, os sindicalistas pretendem se reunir com os governos federal e estaduais para encontrar soluções de combate à crise e, assim, evitar as demissões ou reduções salariais. O presidente Lula convocou, nesta sexta-feira, 16, as centrais para uma reunião de discussão de alternativas para minimizar os efeitos da crise na economia e no emprego.

Ao final da reunião, os dirigentes das centrais divulgaram uma nota (leia abaixo) em que realçam a importância da unidade da classe trabalhadora neste momento de crise econômica do capitalismo e propõe várias medidas e iniciativas em defesa do emprego, do salário e dos direitos sociais.

Manifestação
Na próxima quarta-feira, 21, dia em que o Comitê de Política Monetária (Copom) decide a nova taxa básica de juros. Na mesma data os sindicalistas farão uma manifestação, em São Paulo, com a presença da Força Sindical, Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST), a CTB, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) e a CGTB. Os sindicalistas prometem também fazer manifestações e paralisações nas empresas e fábricas que demitirem funcionários.

Leia abaixo a íntegra do documento aprovado na reunião das centrais sindicais

Reunidas em São Paulo-SP, após ampla discussão as centrais sindicais (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil – CGTB, Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil – CTB, Força Sindical – FS, Nova Central Sindical de Trabalhadores – NCST e União Geral dos Trabalhadores – UGT), decidiram reafirmar a importância da unidade dos trabalhadores e enfrentar o impacto da crise financeira mundial que está afetando drasticamente o emprego e o crescimento da economia brasileira, adotando o PACTO DA AÇÃO SINDICAL

Consiste na defesa das seguintes propostas:

1. EXIGÊNCIA DE CONTRAPARTIDAS SOCIAIS , ESPECIALMENTE A GARANTIA DOS EMPREGOS, DE TODAS AS EMPRESAS/SETORES ECONÔMICOS, BENEFICIADOS COM RECURSOS PÚBLICOS (EMPRÉSTIMO, ISENÇÃO FISCAL, ETC.)

2. FIM DAS HORAS EXTRAS.

3. ELIMINAÇÃO DO BANCO DE HORAS.

4. REDUÇÃO IMEDIATA, DE PELO MENOS 2% (DOIS POR CENTO) DA TAXA BÁSICA DE JUROS (SELIC).

5. REDUÇÃO SUBSTANCIAL DO "SPREAD" BANCÁRIO DOS BANCOS PÚBLICOS E PRIVADOS.

6. AMPLIAÇÃO DAS PARCELAS DO SEGURO DESEMPREGO.

7. AMPLIAÇÃO DOS APORTES FINANCEIROS DO FUNDO DE AMPARO AO TRABALHADOR, DESTINADOS À QUALIFICAÇÃO DA MÃO DE OBRA.

8. AUTORIZAÇÃO PARA QUE O TRABALHADAOR POSSA UTILIZAR ATÉ 20% (VINTE POR CENTO) DA SUA CONTA DO FGTS NO FUNDO DE INFRAESTRUTURA (FI-FGTS).

9. MANIFESTAÇÃO NO PRÓXIMO DIA 21/01, EM FRENTE AO BANCO CENTRAL, EM SÃO PAULO, PELA REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS.

As centrais decidiram levar em audiências ao Excelentíssimo Senhor Presidente da República, ao Excelentíssimo Senhor Ministro de Estado do Trabalho e Emprego e Governadores Estaduais, as propostas do PACTO DA AÇÃO SINDICAL, a fim de adotarem medidas governamentais, imediatas e firmes, pela manutenção dos empregos.

Leia mais:
Centrais reafirmam unidade e lançam Pacto da Ação Sindical 
Lula convoca centrais sindicais para discutir medidas de combate ao desemprego
_______________
Atualizada dia 16/01/2008, às 12h30.



No artigo

1 comment

  1. Anônimo

Comments are closed.


x