Futepoca: Pérolas do debate da TV Record

O debate entre os principais candidatos a Prefeitura de São Paulo na noite de ontem, 28, organizado e transmitido pela TV Record, mostrou o esperado: Geraldo Alckmin (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM) se...

157 1

O debate entre os principais candidatos a Prefeitura de São Paulo na noite de ontem, 28, organizado e transmitido pela TV Record, mostrou o esperado: Geraldo Alckmin (PSDB) e Gilberto Kassab (DEM) se engalfinhando. Depois que o tucano apareceu 4 pontos abaixo do adversário na briga por uma vaga no segundo turno, de acordo com pesquisa da Datafolha, os dois passaram o tempo todo se provocando. Alckmin insistiu em associar Kassab ao malfadado governo de Celso Pitta (PPB) – do qual o atual prefeito foi secretário de Planejamento. O "democrata" reagiu com uma revelação embaraçosa: a de que foi convidado por Alckmin para comparecer a duas reuniões – uma na casa do presidente municipal do PSDB, José Henrique Lobo, e outra na do candidato a vereador tucano Gabriel Chalita – para negociar uma possível desistência de sua candidatura. Geraldo negou com veemência, mas Kassab sustentou a indiscrição de bastidores.

No mais, como também já era esperado, o debate foi mais quente que o anterior, da TV Bandeirantes. Afinal, falta pouco para o dia da eleição e a tendência era mesmo que a "luta livre" imperasse. Candidato a reeleição, o prefeito Kassab levou bordoadas de todos os adversários. Preferiu responder com polidez e louvar seus "feitos", mas pareceu muito mais nervoso, gaguejante e atrapalhado do que no debate anterior. Alckmin parecia desesperado, porém, é tão insosso que suas tentativas de ataque soavam inofensivas e sem graça. Marta Suplicy (PT), primeira nas pesquisas, evitou confrontos o quanto pôde, mas, na hora do aperto, bateu mais em Kassab. Quando Ivan Valente, do PSol, questionou a postura do PT de imitar a "direita" com privatizações e tercerizações, Marta não respondeu. Preferiu listar suas promessas.

Mas o show da noite, pra variar, foi mesmo Paulo Maluf (PPB). Logo de cara, escolheu alguém para saco de pancadas: a vereadora Soninha, candidata a prefeita pelo PPS. Na bucha, sem rodeios, o ex-prefeito disparou: "-Candidata, como a senhora vai coibir a venda de maconha nas escolas?" (referindo-se ao episódio em que Soninha assumiu seu apreço pela marijuana). A candidata engasgou e disse que isso é assunto para a polícia mas, no penúltimo bloco, Malufão voltou a carga, dessa vez mostrando a revista Época, de 2001, com Soninha na capa- no que foi advertido pelo apresentador Celso Freitas, pois as assessorias dos candidatos haviam concordado que nenhum material seria mostrado para as câmeras.

A íntegra no site Futepoca



No artigo

1 comment

  1. jose justino de souz

    O Ivan fica muito valente quando questiona o PT. Ele e a turma dele não costuma arrotar tanta braveza quanto se trata das corrupções comprovadas de tucanos e pefelistas. Pelo contrário, convivem muito bem e ainda fazem côro com a molecada neo-lacerdista. Gostaria de saber se dançar e fazer festinhas com direitistas sabidamente corruptos na CPI fajuta dos Correios é um caso de imitação ou é cooptação mesmo. E os afagos (literalmente falando) com o senador 3% do Amazonas?

Comments are closed.


x