Israel proíbe os partidos árabes de concorrerem às próximas eleições

Nesta Segunda feira, a Comissão Central Eleitoral de Israel proibiu os partidos árabes de concorrerem às próximas eleições para o Knesset (o parlamento israelita), segundo noticia o site do jornal israelita Haaretz. Os líderes...

150 1

Nesta Segunda feira, a Comissão Central Eleitoral de Israel proibiu os partidos árabes de concorrerem às próximas eleições para o Knesset (o parlamento israelita), segundo noticia o site do jornal israelita Haaretz. Os líderes dos dois blocos árabes no parlamento, Ahmed Tibi e Jamal Zahalka, apesar de rivais, juntaram-se e condenaram duramente a decisão.

Os partidos árabes têm actualmente sete deputados, nos 120 que compõem o Knesset.

A decisão foi tomada pela Comissão Central Eleitoral, composta por 37 membros representantes dos principais partidos de Israel. A proposta de impedir os partidos árabes de concorrerem partiu de dois ultra-nacionalistas de extrema direita, mas obteve um amplo apoio na comissão. O porta-voz do parlamento declarou que a comissão acusou os partidos árabes de incitamento, apoio a grupos terroristas e de se recusarem a reconhecer o direito de Israel existir. Segundo o jornal Haaretz, a decisão reflecte as agudas tensões derivadas da guerra de Israel a Gaza, durante a qual os árabes de Israel se têm manifestado contra a guerra.

A decisão não afecta os árabes que concorram em listas de partidos maioritariamente judeus, nem o partido de esquerda Haddash, que apresenta uma lista mista de candidatos judeus e árabes.

Ahmed Tibi, declarou que esta foi uma decisão política tomada "por um grupo de fascistas e racistas que desejam ver o Knesset sem árabes e querem ver o país sem árabes". Tíbi declarou que irá recorrer para o Supremo Tribunal de Israel, enquanto Jamal Zahalka disse que o seu partido ainda não decidiu o que fará.

Mais informações na Esquerda.net.



No artigo

1 comment

  1. Miriam

    E isso acontece em um Estado que como muitos tem dito em comentários na Internet é a única “democracia“ da região. Imagina se não fosse!!

Comments are closed.


x