“O grande papel deste Fórum é reafirmar que este modelo não tem futuro”, garante Sérgio Haddad

Durante o Fórum Mundial de Educação (FME), Sérgio Haddad, coordenador geral da Ação Educativa e membro da coordenação do Fórum Social Mundial (FSM) falou à Fórum sobre a realização do FME e do FSM em Belém e também...

133 0

Durante o Fórum Mundial de Educação (FME), Sérgio Haddad, coordenador geral da Ação Educativa e membro da coordenação do Fórum Social Mundial (FSM) falou à Fórum sobre a realização do FME e do FSM em Belém e também comentou a respeito da 6ª Conferência Internacional de Educação para Jovens e Adultos (Confintea). Confira trechos da entrevista.

Fórum – Em qual situação retorna o Fórum Social Mundial ao Brasil?
Sérgio Haddad –
O FSM volta ao Brasil como um evento de uma importância absoluta. Isso porque retorna em plena Amazônia, em meio a uma grave crise econômica e ambiental, com idéias e alternativas para estas questões. Com isso, o FSM volta a ganhar a dimensão que tinha. Além disso, a Amazônia é o local das contradições, é onde se pode visualizar os conflitos deste modelo atual.
Ainda sobre a importância deste FSM, ela é tanta que até aos meios de comunicação coorporativos estão mais sensíveis ao Fórum, estão levando a sério o FSM. Também pudera, provamos que estávamos certos, provamos que o que diziam desde o primeiro Fórum, em 2001, que éramos atrasados, é uma grande bobagem. Enquanto eles estavam deslumbrados com o neoliberalismo, nós sabíamos que este sistema é inviável. E nisso também este FSM é vitorioso. Ganhamos o reconhecimento de que este sistema não funciona, que só provoca o desastre ambiental, o consumo pelo consumo, tendo como centro o mercado financeiro. Porém, acredito que ainda não tenha caído a ficha da população mundial, ainda se fala que esta crise “vai passar”. Mais do que nunca o FSM retoma sua natureza de contraponto a Davos. Afinal, foi para isto que ele nasceu e hoje, frente à crise, que é muito mais ampla que a questão financeira, a história demonstra o quanto esta estratégia estava correta. O que terão a dizer aqueles que se sentam no Fórum de Davos? Como explicar o fracasso de suas recomendações frente às profundas conseqüências para a humanidade e o meio ambiente?

Fórum – O papel deste FSM é exatamente avaliar a crise?
Haddad –
Sim, sem dúvida. O grande papel deste Fórum é reafirmar que este modelo não tem futuro, que estamos vivendo uma profunda crise de modelo. Também é reafirmar as alternativas, mostrar ao mundo como modificar este sistema. Os participantes do FSM têm o grande desafio de relacionar a crise socioambiental com a crise financeira, que é produto de um modelo de desenvolvimento que aprofunda as desigualdades sociais e o consumismo desenfreado. Parece-me que tem que ter uma crise para o pessoal repensar a vida, a estrutura, a forma como vive e quem sabe neste momento não conseguimos isto. A crise financeira e a sensibilidade atual para os temas socioambientais apontam para uma oportunidade de aglutinação das forças sociais para pensar e atuar na construção de outro modo de organização da sociedade.

Fórum – Quanto ao Fórum Mundial de Educação (FME). Este volta a acontecer paralelamente ao FSM, o que isso interfere de fato em termos de metodologia e impacto do evento?
Haddad –
Sempre fui contra em realizar um Fórum de Educação porque você acaba entravando a participação dos educadores. Realizar o FME paralelamente e colado a um grande evento significa facilitar a articulação dos educadores. Significa garantir que os profissionais da educação não falem para eles próprios. Nesta edição o FME aconteceu antes do FSM e desta forma estamos garantindo que os educadores, e participantes de uma forma geral, sigam para o FSM, discutam e debatam outras questões. Isso garante que estamos falando e ouvindo outras questões, que podem ou não estar ligadas à educação, porém contribuem substancialmente para os participantes do FME não falarem apenas entre eles. Outro fator inovador desta edição é que vamos retornar ao debate nos últimos dias do FSM.

Fórum – Quanto à Conferência Internacional de Educação para Jovens e Adultos é a primeira vez que esta conferência acontece em um país do eixo sul. Qual a importância de acontecer justamente em Belém?
Haddad –
O Brasil sediará, em maio de 2009, em Belém, a 6ª Conferência Internacional de Educação para Jovens e Adultos (Confintea), que será realizada pela primeira vez na América do Sul, com cerca de 190 delegações de todos os continentes. A
conferência ocorre em intervalos de 12 anos e estamos muito felizes que Belém será sede durante os dias.
O assunto é marginal dentro da educação e a Confitea propõe e estimula a formulação de políticas para o atendimento de educação e aprendizagem de jovens e adultos e justamente por isso temos que dar visibilidade ao assunto.



No artigo

x