Outra visão da pesquisa para o governo de São Paulo

A mudança mais significativa nesta edição do Datafolha para São Paulo, em relação à sondagem anterior, de maio, é que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) perdeu quatro pontos percentuais, passando de 47% para 43%...

134 2

A mudança mais significativa nesta edição do Datafolha para São Paulo, em relação à sondagem anterior, de maio, é que o ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB) perdeu quatro pontos percentuais, passando de 47% para 43% das intenções de voto. É uma variação no limite da margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Alckmin ainda mantém folgada liderança. Mas Marta Suplicy (PT), a segunda colocada neste cenário – o único que permite comparação com pesquisas anteriores – atinge 16% (obtinha 15% na pesquisa anterior). Paulo Maluf, do PP, oscilou de 9% para 11%; Luiza Erundina, do PSB, oscilou de 6% para 4% e Soninha, do PPS, oscilou de 5% para 4%.

Entre Marta e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, do DEM, há empate técnico, mas a ex-prefeita figura 2 pontos à frente, com 22% contra 20. Vêm a seguir Paulo Maluf (13%), Soninha e Luiza Erundina (5%, cada).

Os números e as circunstâncias de Ciro

Na alternativa que testa Ciro Gomes em confronto com Alckmin, o tucano obtém 46%, Ciro 12%, Maluf 11% e Soninha 5%. Não é possível fazer comparações, pois foi a primeira pesquisa com esse cenário. Mas é lícito conjecturar que o desempenho do deputado cearense é promissor, nas circunstâncias.

A conjectura de Ciro candidatar-se ao Palácio dos Bandeirantes circula por enquanto em espaços restritos, com visibilidade várias vezes inferior à também ainda hipotética candidatura presidencial de Marina pelo PV. O próprio deputado, e seu partido, fixam-se por enquanto na opção de concorrer também à presidência. O PT paulista, peça indispensável no plano Ciro governador, na sua maioria resiste à ideia. Ciro mal tem pisado em São Paulo. Nestas condições, ter 12% contra Alckmin é quase uma proeza.

Mais: Ciro Gomes chega a 18% no cenário onde o candidato situacionista é o prefeito Gilberto Kassab, do DEM. Nessa hipótese, Kassab obtém 22%, o que coloca os dois em empate técnico, e Paulo Maluf fica com 14%. O instituto do Grupo Folhas, talvez por compaixão, não incluiu um cenário com o secretário estadual da Casa Civil, Aloysio Nunes Ferreira, candidato da preferência do atual governador, José Serra.

Números do Datafolha que a Folha não deu

Outros dados levantados pelo Datafolha, que não foram divulgados ou comentados pela Folha, mostram potencial de crescimento de Ciro. Se, no confronto com Alckmin, ele obtém 4 pontos a menos que Marta (12% contra 16%), esse handicape não é homogêneo (a comparação é estatisticamente válida, já que os outros nomes permanecem os mesmos nos dois cenários).

Na verdade, a vantagem de Marta se concentra na capital do estado, que ela administrou em 2001-2004. Aí, a ex-prefeita chega a 27% das intenções de voto, ao passo que Ciro fica com 11%, abaixo de sua média.

Já nos outros municípios da Região Metropolitana, Marta tem 13% e Ciro 10%. E no interior do estado, dono do maior contingente de eleitores, surge a surpresa: Marta desce para 11% e Ciro a suplanta, com 13%.

O cruzamento por preferência partidária também permite comparações interessantes entre os dois possíveis desafiantes da hegemonia tucana em São Paulo. Marta Suplicy chega a 37% das intenções de voto dos simpatizantes de seu partido, o PT, enquanto Ciro fica com bem mais modestos 21%. Já os simpatizantes do estratégico PMDB preferem Ciro, por 11% a 6%. Os que preferem outros partidos vão de Ciro, por 15% a 10%. E os que não têm preferência partidária dão 11% para Marta e 10% para Ciro.

Outras comparações possíveis: Marta se sai melhor no eleitorado jovem, Ciro se distribui mais homogeneamente pelas faixas etárias. Marta tem mais eleitores com escolaridade média; Ciro cresce conforme aumenta a escolaridade e supera Marta, por 16% a 14%, entre os eleitores com curso superior. Quanto às faixas de renda, Ciro pouco oscila, ao passo que Marta cresce na população mais pobre, que ganha até cinco salários mínimos.

Estas revelações do Datafolha não permitem conclusões definitivas sobre o Plano Ciro SP. Por enquanto, este aparece como uma ideia, comprada pelo presidente Lula porém ainda sujeita a muitos e grandes percalços, dos quais o mais perigoso é a rejeição dentro do PT paulista. Mas os números da pesquisa mostram basicamente uma boa notícia para quem quer ver Ciro enfrentar o tucanato em seu principal reduto estadual.

Por Vermelho.org. Foto: Wilson Dias/ABr.



No artigo

2 comments

  1. Artur

    Bom eu tenho certeza que muita coisa vai mudar no panorama político da 2.010 tanto no nível estadual como federal acho para deburrar esse Serra tem que ser Marta ou Ciro Gomes!! já no federal já está mais embolado!!! vamos ver o que vai acontecer é só o povo tomar muito cuidado com essas pequisas que em sua grande maioria são tendênciosas demais!!! sempre guinando para direita conservadora com Serra!!!

  2. Artur

    Bom eu tenho certeza que muita coisa vai mudar no panorama político da 2.010 tanto no nível estadual como federal acho para deburrar esse Serra tem que ser Marta ou Ciro Gomes!! já no federal já está mais embolado!!! vamos ver o que vai acontecer é só o povo tomar muito cuidado com essas pequisas que em sua grande maioria são tendênciosas demais!!! sempre guinando para direita conservadora com Serra!!!

Comments are closed.


x