Paquistaneses saem às ruas contra violência da polícia estrangeira

Convocados pelo Partido Trabalhista do Paquistão, paquistaneses saíram às ruas hoje para protestar contra a escalada dos “efeitos da guerra” na região. O partido condena a política adotada pelo presidente dos Estados Unidos Barack...

147 1

Convocados pelo Partido Trabalhista do Paquistão, paquistaneses saíram às ruas hoje para protestar contra a escalada dos “efeitos da guerra” na região. O partido condena a política adotada pelo presidente dos Estados Unidos Barack Obama para os países islâmicos com o aumento do envio de tropas norte-americanas e a escalada de violência no Afeganistão e no Paquistão. Não houve tumulto durante a manifestação.

Quando Obama assumiu a presidência havia cerca de 32 mil soldados norte-americanos no Afeganistão. Já no fim do primeiro semestre de 2009 já havia cerca de 100 mil soldados, o que representa um aumento de 312%. Nesta terça-feira, foi anunciado também um reforço das tropas norte-americanas no Afeganistão: serão mais 30 mil soldados no país já a partir de 2010. Em pronunciamento recente, Obama afirmou que o Paquistão era ‘‘um porto seguro para perigosos terroristas, cuja localização é conhecida, e cujas intenções são claras e não podem ser toleradas”.

Para o porta-voz do Partido Trabalhista, Farooq Tariq, esta declaração representa uma investida maior dos norte-americanos contra o país e pode significar “mais bombas, mais ataques e mais derramamento de sangue na região”. Líderes do partido afirmaram que Obama “desapontou muitos que tinham a ilusão de que ele pudesse trazer paz e prosperidade para o mundo”.

“Para muitos americanos a promessa da nova administração de Obama era de que finalmente os Estados Unidos iriam rejeitar o conceito de que eles podem ignorar as leis internacionais e usar a violência indiscriminadamente pelo mundo para assegurar seus interesses. Essa esperança foi destruída quando Obama cedeu para os generais e aos especialistas do neoconservadorismo expandindo os oito anos de guerra no Afeganistão e garantindo mais violações das leis da guerra”, afirmou o porta-voz Tariq.

Ao mesmo tempo o Partido Trabalhista também acusou o governo paquistanês de copiar a política econômica norte-americana, que estariam “promovendo a guerra e mais miséria para os paquistaneses”, e defendeu que o governo parasse de financiar as madrassas – escolas religiosas – e consequentemente, os fanáticos religiosos. “Pelo menos 10% deve ser gasto com educação, que deve ser ofertada gratuitamente até a universidade e para todos os paquistaneses”, disse.

Com informações de agências.



No artigo

1 comment

  1. Artur

    É mais uma do Imperialismo cara de pau dos Estados Unidos invadir países e se meter onde não é chamado!! e como nós brasileiros chamamos “a polícia do mundo“ brincadeira!!!

Comments are closed.


x