Paquistão: o buraco negro do Império

É possível ganhar a guerra no Afeganistão? Não, respondem os especialistas. No entanto, a Otan prossegue os seus esforços para vencer os talibãs e é o Paquistão que se incendeia. Quais são as verdadeiras...

210 0

É possível ganhar a guerra no Afeganistão? Não, respondem os especialistas. No entanto, a Otan prossegue os seus esforços para vencer os talibãs e é o Paquistão que se incendeia. Quais são as verdadeiras razões desta guerra? Os desígnios hegemônicos dos EUA mergulharão a região no caos? Mohamed Hassan, iraquiano especialista em Oriente Médio é co-autor do livro L‘Irak face à l‘occupation responde a estas questões e explica porque cabe ao povo do Paquistão salvar o seu pais de uma possível extinção.

Grégoire Lalieu e Michel Collon (GL e MC) – Em 2001, os EUA lançavam a operação “Enduring Freedom” no Afeganistão porque, segundo eles, os talibãs recusavam entregar Osama Bin Laden. Sete anos mais tarde, ninguém mais fala do inimigo público número um. Quais são hoje as razões para esta guerra ?
Mohammed Hassan (MH) – Primeiro, devemos considerar que os talibãs nada têm que ver com Osama Bin Laden. Em 1996, Bin Laden, saído da Arábia Saudita, encontrou refúgio no Sudão. Os sauditas fizeram então pressão sobre este país para expulsar o célebre terrorista. Foi neste momento que Bin Laden foi para o Afeganistão. Mas os atentados de 11 de Setembro não tiveram qualquer relação com este país. Há mesmo esta reação dos talibãs quando Washington reclamou Bin Laden: “Se quereis que Bin Laden seja julgado, dai-nos as provas e deixai-nos julgá-lo por um tribunal islâmico em qualquer país muçulmano”. Os neoconservadores da administração Bush utilizaram este acontecimento trágico sobretudo como um álibi.

GL e MC- Com que intenções?
MH- Três grandes obras permitem-nos compreender as raízes da visão dos EUA. A primeira, O Fim da História, de Francis Fukuyama. Ele pretendia que a História da humanidade tinha chegado ao fim com o afundamento da União Soviética e o domínio da democracia liberal. Em seguida, O Choque das Civilizações, de Samuel Huntington. Segundo ele a História não dependia já da luta de classes mas sim de um conflito entre civilizações. Huntington dividiu então o mundo entre diferentes civilizações, decretando que a mais agressiva seria a islâmica. A última obra, O Grande Tabuleiro, de Zbigniew Brzezinski, considera que aquele que dominar a Eurásia será a única potência do século XXI. Com efeito, a maioria da humanidade vive nesta zona e a atividade econômica é aí a mais importante.

Por agora, recuemos ao final da administração Clinton. O ano de 1997 foi marcado por uma séria crise econômica: com o rebentamento da bolha financeira na Ásia, o Nasdaq afundou-se. Quando os neoconservadores desembarcaram na Casa Branca com George W. Bush em 2001, a situação econômica não era brilhante. Apesar disso, eles expuseram muito claramente os seus objetivos: ninguém deve ser capaz de rivalizar com os EUA. Para aí chegar, a nova administração procurava controlar o mundo controlando os recursos mais importantes, essencialmente o gás e o petróleo.

Sob a influência de Brzezinski, Clinton queria primeiro dominar a Europa alargando a Otan, e em seguida ganhar a Ásia Central. Mas os neoconservadores disseram: “Não, nós não temos tempo para isso. Face a esta crise, nós devemos controlar o Grande Médio-Oriente para dispor do petróleo”. Sente-se esta mudança no discurso de Bush depois dos atentados de 11 de Setembro, quando ele diz: “Vocês estão conosco ou contra nós”.

Com a sua concepção de Eixo do Mal, ele queria alargar a guerra. A guerra do Afeganistão – que pela primeira vez na História foi planejada pela CIA sem a colaboração do Pentágono – não era mais que um pretexto para treinar as tropas dos EUA e dar-lhes a experiência necessária para em seguida atacar o Iraque. Como deveis saber, a queda de Saddam Hussein estava planejada muito antes dos atentados do 11 de Setembro.

GL e MC- Obama pretende encarnar a mudança. Porque é que ele concentra os esforços militares no Afeganistão em lugar do Iraque?
MH- Primeiro, a guerra no Iraque provocou dificuldades não previstas. O governo dos EUA pensava que era a solução mais fácil, porque Saddam Hussein não dispunha de um grande exército e uma grande fatia da população iraquiana detestava o regime. Não foram precisos mais que uns dias, de 20 de Março a 10 Abril de 2003, para que os EUA tomassem Bagdá. Depois, dedicaram-se a proteger a indústria petrolífera e deixar o resto rebentar. Paul Bremer, o governador dos EUA no Iraque, destruiu as bases do antigo regime iraquiano, desmobilizando a polícia e a estrutura do exército.

Neste momento a resistência aumentou, e com ela o custo da ocupação estadunidense: oito milhões de dólares cada mês, aos quais se podem juntar um milhão e meio para o Afeganistão. Durante oito anos a administração neoconservadora despendeu todo o seu dinheiro nesta guerra, sem nenhum resultado: não conseguiram, pacificar o país, nem criar o governo que queriam, nem obter uma base popular, nem controlar o petróleo.

Desde que a resistência iraquiana revelou a fraqueza do imperialismo americano e a sua incapacidade para vencer o conflito, o povo dos EUA tornou-se mais atento no plano político. A falta de apoio da opinião pública a esta guerra também levou Obama a uma mudança. Do mesmo modo que na cena internacional, esta guerra não obtinha unanimidade: a França, a Alemanha e outros países recusaram-se a partir para o Iraque. Resumindo, a decisão de Obama é também um meio de manter a aliança da Otan. Mas um malogro no Afeganistão poderia marcar o fim da Otan.

GL e MC- Os talibãs nem sempre foram inimigos dos EUA. A antiga secretária de Estado dos EUA, Madeleine Albright, saudou a sua chegada ao poder em 1996 como um “passo positivo”. Consta mesmo que esse passo foi encorajado. O que a antiga primeira-ministra paquistanesa, Binazir Bhutto, resumia assim: “A ideia era inglesa, o financiamento saudita, a supervisão paquistanesa e o armamento americano”.
MH- No final dos anos 70, os soviéticos vieram ao Afeganistão para apoiar o governo revolucionário ameaçado por combates internos. Brzezinski, conselheiro do presidente Carter, entendeu fazer do Afeganistão o Vietnã dos soviéticos, para dar assim um golpe fatal na influência do socialismo na região. Para combater a União Soviética e o governo revolucionário do Afeganistão, os Estados Unidos e a Arábia Saudita sustentaram os mujadines por intermédio do Paquistão. Quando o Exército Vermelho deixou o Afeganistão em 1989, os Estados Unidos sabiam que os soviéticos atravessavam uma séria crise. Tendo em atenção o seu propósito, eles lavaram as mãos e deixaram a região, que se encontrava mergulhada no caos. De fato, Washington utilizou os mujadines como um preservativo: quando não tinham mais utilidade foram atirados fora. Quem sofreu? Os povos do Afeganistão e do Paquistão.

Com efeito, quando os serviços secretos paquistaneses sustentaram os mujadines para combater os comunistas, não unificaram este movimento, mas apoiaram cada senhor da guerra separadamente. Após os Estados Unidos terem partido, uma severa competição opôs os senhores da guerra afegãos. O país foi totalmente destruído por esta guerra civil. Milhões de refugiados fugiram para o Paquistão, também ele próprio atingido por uma grave crise e a economia em declínio com a chegada de numerosos afegãos e barões da droga.

Neste contexto, apareceram os talibãs, estudantes saídos da mais jovem geração de refugiados. A sua chegada ao poder oferecia uma oportunidade aos Estados Unidos e ao Paquistão. Na realidade, cada um, destes três atores tinham interesses muito diferentes.

GL e MC- Isso quer dizer que?
MH- Quando os países da Ásia Central se tornaram independentes, o Paquistão tomou consciência de que o seu principal inimigo, a Índia, era forte, e então ele próprio se encontrava numa posição delicada. A burguesia paquistanesa decidiu, para se desenvolver economicamente e concorrer com a Índia, utilizar o Afeganistão como porta de acesso aos mercados da Ásia central. Favoreceu assim o acesso ao poder dos talibãs no Afeganistão.

O interesse dos EUA era controlar e dominar as riquezas da Ásia central. A companhia petrolífera US Unocal pretendia construir um pipeline na região. Mas para isso, era preciso que o Afeganistão fosse pacificado.

O interesse dos talibãs era pacificar o país e instaurar um revolução islâmica. O que ia ao encontro dos interesses da Arábia Saudita que sonhava exportar a ideologia islâmica para a Ásia central, para enfraquecer a Rússia e controlar o gás nesta região. Assim, apoiados por potências estrangeiras, os talibãs combateram os senhores da guerra e tomaram o poder. Fatigado, o povo do Afeganistão queria a paz. Os talibãs foram bem acolhidos.

GL e MC – Mas esse plano acabou por não surtiu efeito: os Estados Unidos não conseguiram pacificar a região, o Paquistão não pôde aceder aos mercados da Ásia central e os talibãs foram afastados. Porquê?
MH – O Afeganistão comporta diferentes grupos étnicos. O mais representativo é o dos pachtunes, quase 50% da população. Depois, há os tadjiques, os hazaras e os kazaques, a volta dos quais a rivalidade dos senhores da guerra se articula. Por fim há outras minorias. Os talibãs são pachtunes. Um traço característico deste grupo é que eles são muito independentes! Os Estados Unidos e o Paquistão queriam utilizá-los como mercenários, mas os talibãs tinham a sua própria visão das coisas. Para mais, os pachtunes não reconheciam a fronteira que separa o Afeganistão do Paquistão.

GL e MC – Por quê?
MH – Regressemos ao século XIX, quando a Índia era a preciosa colônia do Império britânico, que perturbava a expansão dos Russos na Ásia central. Para proteger a sua colônia, os britânicos queriam utilizar o Afeganistão. Isso originou três guerras anglo-afegãs. O que nos interessa particularmente é o resultado da segunda guerra: em 1893, o governador da Índia, Sir Durand, traçou uma linha sobre o território pachtune, afim de proteger a sua colônia, criando uma zona tampão entre o Afeganistão e a Índia britânica. Esta linha é a fronteira atual entre o Afeganistão e o Paquistão. É por isto que muitos pachtunes não reconhecem a existência do Paquistão. Quando este país se tornou independente, o único membro a votar contra a sua entrada nas Nações Unidas foi o Afeganistão.

Era claro, portanto, que os talibãs, assim que tomassem o poder não se iriam submeter a estes interesses estrangeiros. Em maio de 2001, seis meses antes do ataque ao World Trade Center, Washington atribuía, sem qualquer resultado, uma subvenção de 43 milhões de dólares ao regime talibã no quadro do projecto de pipeline da Unocal. Mas com o 11 de Setembro, todo o programa foi por água abaixo.

GL e MC- As forças da coligação surpreenderam facilmente o regime talibã mas não conseguiram tomar o controle do país. Porquê ?
MH- Em primeiro lugar, o atual governo do Afeganistão não é reconhecido pelos pachtunes. Quando os talibãs foram derrubados, os Estados Unidos colocaram Hamid Karzai como presidente. Karzai, que trabalhou para a Unocal. É um pachtune mas não tem base social no Afeganistão. De fato os pachtunes, primeiro grupo étnico do país, não estão verdadeiramente representados neste governo. Mas há mesmo algumas marionetas de Washington sem nenhuma legitimidade junto da população. Á partida, os Estados Unidos tentaram comprar os pachtunes representativos para participar no governo, mas estes pegaram no dinheiro e retiraram-se: como lhes disse os pachtunes são muito independentes.

Em segundo lugar, os senhores da guerra presentes no governo trabalham cada um no seu próprio interesse. Eles não pagam taxas ao governo central, mas apropriam-se das riquezas. Cada ministério é o ministério independente de um senhor da guerra. Uma situação caótica que paralisa o governo.

Em terceiro, os senhores da guerra não têm confiança nos pachtunes. Eles acham que se estes tiverem a maioria no governo imporão a sua visão. Em resumo, é um governo onde todos estão contra todos. Todos os cenários que o ocidente estabeleceu não resultaram.

Podemos dizer igualmente que as forças da Otan não ajudam Hamid Karzai no seu trabalho, ao bombardearem camponeses nas suas terras, nas mesquitas, em casamentos ou em funerais… o atual governo é entendido por uma boa parte da população como um instrumento do agressor.

Todas estas mortes criaram um levantamento popular e unificaram a resistência dos talibãs. Como consequência desta guerra, a produção de ópio aumentou mais de 3.000% depois da queda do regime talibã. O Departamento de Estado dos Estados Unidos acusou os talibãs de utilizarem a droga para financiar a resistência…

O ópio é um produto químico proveniente da papoula. Quando a flor de papoula aparece, corta-se, apanha-se o leite que corre e vende-se. É o que fazem os camponeses afegãos. Depois, secam este leite, trabalham-no numa máquina juntando produtos químicos para finalmente obter o ópio. Para produzir esta droga, é preciso um laboratório e conhecimentos de química. Não creio que os camponeses afegãos sejam todos diplomados em química. Se assim fosse o Afeganistão seria um país muito desenvolvido. Para retirar dinheiro do tráfico do ópio, é ainda precisa uma certa logística para poder enviar o produto para o ocidente. Os talibãs não dispõem de nada disso. De fato, o ópio é proveniente dos senhores da guerra, com a ajuda da CIA. A maior parte das vezes esta droga provém dos serviços secretos dos Estados Unidos que a utilizam como um fundo rentável, transportando a droga para os países ocidentais, vendendo-a a preços de mercado e utilizando em seguida este dinheiro para financiar as suas guerras.

No Afeganistão, a cultura da papoula começou com a guerra contra os soviéticos e hoje, a indústria do ópio está nas mãos dos senhores da guerra. Ora, para um camponês, cultivar a papoula rende muito mais que cultivar tomates. Para conseguirem uma base social, os senhores da guerra deixavam então os camponeses cultivar aquilo que quisessem.

Pelo contrário, quando os talibãs tomaram o poder, nos anos 90, queimaram os campos de papoulas. Fazendo assim bastantes inimigos entre o campesinato. É por isso que, hoje, os talibãs não impedem os camponeses de cultivar a papoila, mas interditam a produção de ópio. E retiram daí benefícios graças à contribuição financeira dos camponeses. De facto, o governo central não tem qualquer possibilidade de receber uma taxa no sul do país, porque tudo está nas mãos dos talibãs. Ora, um governo incapaz de recolher uma taxa não é um governo!

GL e MC- Muitos especialistas consideram que a guerra no Afeganistão é impossível de ganhar. O general francês Georgelin classificou-a mesmo de “cagadouro ingerível” (“merdier ingérable”). Quais são as dificuldades encontradas pelas forças da coligação ?
MH: A Otan mata civis todos os dias. Daí que a população se tenha aproximado dos talibãs. Presentemente estes controlam o sul do país, com um governo de facto em cada cidade. Eles misturam-se com a população e as forças da Otan sofrem perdas. Desde que qualquer coisa suspeita mexa, os GI’s abrem fogo, matando civis ao mesmo tempo. Pelo que os afegãos fazem frente, por um lado, aos senhores da guerra imperialistas, que bombardeiam civis e, por outro, aos senhores da guerra regionais, que pilham o país e vendem droga. Esta é a razão por que os talibãs têm o apoio da população. Não que eles tenham ideias progressistas, mas porque esperam que devolvam a paz ao país. Exatamente como fizeram em 1992.

GL e MC- É por isso que Obama se diz pronto a negociar com os talibãs moderados?
MH- Ele tenta proteger os Estados Unidos de uma crise que se acumulou durante as sete últimas décadas. E isso é muito difícil. Obama quer mostrar que não há mais guerra contra os muçulmanos, que rejeita o pretenso choque de civilizações. Diz-se pois pronto a negociar com os talibãs moderados. Tal é a nova política dos Estados Unidos para numerosos pontos do mundo onde há movimentos muçulmanos: dividi-los entre os bons e os maus.

Eu não sei se este gênero de negociações poderá pôr fim ao conflito. Se Washington tenta esta via, deverá provavelmente promover uma nova imagem mostrando os talibãs sob o seu lado bom. Mas eles têm mentalidades atrasadas: eles destruíram os templos budistas para instalar a revolução islâmica, as suas posições contra as mulheres são primitivas e a sua visão do mundo arcaica. Por outro lado, para obter o apoio popular, eles aprendem com os seus erros. Evoquei a cultura da papoila. Um outro exemplo: contrariamente ao que preconizaram no passado, os talibãs estão hoje de acordo em que as raparigas possam ir á escola. Evoluíram e estão mais fortes para resistir. Mas isso não significa forçosamente que estejam abertos a negociações com os Estados Unidos. Por fim, deveis também ter em conta que daqui em diante o grosso da crise não está mais no Afeganistão mas no Paquistão.

GL e MC- Porque é que a guerra afegã provocou esta crise no Paquistão?
MH- Como já lhe disse, a linha de Durand traçada no território histórico dos pachtunes é a atual fronteira separando os dois países. O que significa que temos pachtunes dos dois lados. No Paquistão, eles são o segundo grupo étnico depois dos punjabis. Isto é muito importante. Porque a elite paquistanesa, após a independência do país, sempre sustentou o imperialismo dos EUA. Vós podeis trabalhar como agente do vosso patrão quando fazeis para ele um trabalho lá longe, na América do Sul ou na África por exemplo. Mas no caso da guerra do Afeganistão é um suicídio porque os dois países são vizinhos e partilham grupos étnicos. Também há talibãs no norte do Paquistão. Diariamente eles atacam e destroem os reabastecimentos das forças da coligação que passam do Paquistão ao Afeganistão por um caminho estratégico da fronteira. Para resolver este problema, o governo paquistanês, marioneta de Washington, autoriza a Otan a bombardear os Pachtunes sobre o seu próprio território. Consequência de tudo isto, os talibãs paquistaneses desenvolveram-se e consideram, agora, que o seu inimigo está no Paquistão. Declararam querer marchar sobre Islamabad.

E por isso a fronteira entre os dois países não faz qualquer sentido. E o povo paquistanês deve fazer face a este problema: onde está a legitimidade do governo paquistanês se ele deixa a Otan bombardear os seus próprios civis? O povo paquistanês tem agora duas soluções: tornar-se nacionalista e recusar o diktat dos EUA ou continuar nesta via que leva á destruição do seu país.

GL e MC- Quais poderiam ser as consequências desta crise?
MH- A chave está na estratégia dos Estados Unidos para bloquear a China. Quando aconteceu o tsunami, Washington enviou uma importante ajuda humanitária á Indonésia, na expectativa de aí construir uma base militar na província de Aceh. Esta base foi feita em frente ao estreito de Malaca e é por este estreito que passa o petróleo proveniente do Oceano Indico com destino á China.

Hoje, os Estados Unidos estão instalados neste lugar estratégico. Ao mínimo problema com a China, estão prontos a fechar este estreito e privar Pequim de petróleo. Tendo em conta esta situação, o gigante asiático – que tem cada vez mais necessidade de petróleo para desenvolver o país – procura outras vias de abastecimento. Uma solução passa pela Birmânia, que tem recursos e poderá permitir um acesso através do Bangladesh.

Uma outra possibilidade, é o porto de Gwandar, construído pela China no Baluquistão que é a maior província do Paquistão: aproximadamente 48% da superfície do país. Mas é também a província menos populosa: 5% da população total. Esta província tem importantes reservas de gás e de petróleo. Pequim poderia também construir um pipeline partindo do Irão e passando pelo Baluquistão antes de entrar na China ocidental. Mas os Estados Unidos pretendem absolutamente impedir esta província de passar para a esfera de influência chinesa. Daí o seu apoio ao movimento separatista do Baluquistão, afim de eles tomarem o controle do porto de Gwandar.

Com o problema dos Pachtunes e a possível secessão da maior província, o Paquistão arrisca-se a uma balcanização: a explosão numa série de pequenos estados. Hoje, o povo paquistanês está mais atento. É nele que reside o dever de deter este desastre e de remover os Estados Unidos do Paquistão. Mas essa é também a responsabilidade de todos os movimentos democráticos revolucionários da região. Com efeito, se o Paquistão conhecer a mesma sorte que a Jugoslávia, toda a região deverá ficar face a muito graves problemas.

Esta entrevista foi originalmente publicada em:
www.michelcollon.info. Tradução de Guilherme Coelho para ODiario.info.



No artigo

x