Pichadora da Bienal recebe habeas corpus e sai da prisão

A 14ª Vara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo concedeu um habeas corpus a Caroline Pivetta da Mota. A jovem de 24 anos havia sido presa por pichar os...

158 1

A 14ª Vara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça (TJ) de São Paulo concedeu um habeas corpus a Caroline Pivetta da Mota. A jovem de 24 anos havia sido presa por pichar os muros brancos de um dos pavilhões da 28ª Bienal de Arte de São Paulo mantidos vazios nesta edição da mostra. Com a decisão, Caroline poderá passar as festas do fim do ano fora da prisão depois de 54 dias na Penitenciária Feminina do Carandiru. Ela foi libertada na manhã desta sexta-feira, 19, e responderá ao processo em liberdade.

De acordo com o advogado de defesa Augusto de Arruda Botelho “essa prisão foi uma ilegalidade”. “Pichar um muro não faz dela uma criminosa de qualquer periculosidade”, completa. De acordo com a legislação paulista, mesmo que o delito seja leve, não se concede alvará de soltura a flagrantes caso o acusado não possua comprovante de residência e de emprego.

No dia 17 de fevereiro, Caroline participará de uma audiência pública em que serão ouvidas testemunhas de defesa e de acusação. Na saída do presídio, a garota mostrou imagens e frases de protesto com a mesma assinatura deixada nos muros da Bienal.

Embora cerca de 40 pessoas tenham participado da manifestação no dia 26 de outubro, apenas Caroline foi detida. A pichação ocorreu no último andar do prédio da Bienal, que pela primeira vez na história da mostra ficou inteiramente vazio.

Com informações do Portal Terra e do Portal Estadão.

Leia mais:
Ministro da Cultura pede a Serra a liberação de pichadora da Bienal



No artigo

1 comment

  1. eduardo

    Se o nome dela fosse Caroline Dantas talvez o Super Gilmar pudesse salva-la.

Comments are closed.


x