Rede de prostituição masculina abala o Vaticano

Ghinedu Ehiem, nigeriano membro do coro de elite da Basílica de S. Pedro, e o engenheiro italiano Angelo Balducci, membro dos "Cavaleiros de Sua Santidade", foram identificados por magistrados italianos como membros de "uma...

252 0

Ghinedu Ehiem, nigeriano membro do coro de elite da Basílica de S. Pedro, e o engenheiro italiano Angelo Balducci, membro dos "Cavaleiros de Sua Santidade", foram identificados por magistrados italianos como membros de "uma rede organizada (…) de amparo à prostituição masculina". De acordo com notícia do diário La Repubblica baseada na investigação policial, ambos os acusados e mais três detidos participaram num esquema que envolvia a troca de favores sexuais por licitações das obras do complexo de La Maddalena, que em junho passado abrigou a reunião do G-8 na Sardenha. Segundo as gravações divulgadas pelo jornal, Ehiem encaminhou homens para Balducci, entre os quais seminaristas.

Ghinedu Ehiem e Balducci foram afastados das funções no Vaticano devido ao escândalo, inicialmente conhecido através do processo de corrupção na construção civil. O primeiro foi identificado como colaborador do Papa Bento XVI e membro do coro da Capela Giulia da Basílica de S. Pedro.

O engenheiro Balducci, como membro dos Cavaleiros de Sua Santidade, era chamado para trabalhar no Palácio Apostólico do Vaticano em ocasiões especiais, sobretudo visitas de chefes de Estado. É consultor de construções do Vaticano e membro da direção do Departamento de Obras Públicas de Itália. Está preso desde 10 de fevereiro por causa do processo de corrupção na licitação das obras de La Maddalena e que conduziu à descoberta da rede de prostituição masculina.

Os documentos publicados pelo jornal italiano revelam que Ehiem esteve em contato regular com Balducci antes da prisão deste.

Por BE Internacional.



No artigo

x