Sem-terra são despejados de fazenda com histórico de trabalho escravo

A Polícia Militar despejou, neste sábado, 1, cerca de 100 famílias que ocupavam a fazenda Pôr-do-Sol, no município de Bom Jardim (MA). A fazenda é de propriedade do juiz Marcelo Testa Baldochi, que em...

174 0

A Polícia Militar despejou, neste sábado, 1, cerca de 100 famílias que ocupavam a fazenda Pôr-do-Sol, no município de Bom Jardim (MA). A fazenda é de propriedade do juiz Marcelo Testa Baldochi, que em junho deste ano saiu da “lista suja” de fazendeiros que mantêm trabalho escravo em suas propriedades por conta de uma liminar judicial.

De acordo com a assessoria do MST, as famílias estão agora provisoriamente no assentamento Terra Livre, ao lado da fazenda que ocupavam. Os ocupantes da área são da região de Alto Alegre Pindaré, uma das mais pobres do estado.

O juiz Marcelo figura na lista desde dezembro do na passado e está envolvido em outros escândalos judiciários no Maranhão. Em setembro de 2007, o Ministério do Trabalho e emprego (MTE) fiscalizou a área da fazenda e encontrou 25 pessoas em condições análogas à escravidão. Uma delas era um adolescente de 15 anos que nunca havia freqüentado a escola.

O flagrante gerou uma sindicância no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA) e uma denúncia ajuizada em março de 2008 pelo Ministério Público do Estado do Maranhão. O juiz também é investigado pelo  Ministério Público e pela Corregedoria Eleitoral por ter cancelado 400 títulos eleitorais e ter impugnado três registros de candidaturas a vereador nas últimas eleições municipais de Benedito Leite (MA), descumprindo decisão do TSE.

Com informações do MST e da Agência Repórter Brasil.



No artigo

x