Tribunal Eleitoral de Honduras reconhece vitória de Porfírio Lobo

O Supremo Tribunal eleitoral de Honduras reconheceu nesta terça-feira, 22, a vitória do candidato Porfírio Pepe Lobo, do Partido Nacional de Honduras, nas últimas eleições presidenciais ocorridas em 29 de novembro. Lobo derrotou Elvin...

141 0

O Supremo Tribunal eleitoral de Honduras reconheceu nesta terça-feira, 22, a vitória do candidato Porfírio Pepe Lobo, do Partido Nacional de Honduras, nas últimas eleições presidenciais ocorridas em 29 de novembro. Lobo derrotou Elvin Santos, candidato do mesmo partido de Zelaya, o Partido Liberal, com 56,5% dos votos válidos. Lobo assumirá o cargo no dia 27 de janeiro e contará com com maioria no Congresso – seu partido conseguiu 71 das 128 cadeiras.

O presidente deposto pelo golpe de Roberto Micheletti, afirmou à Rádio Globo do país que continuará com a postura de não renunciar ao cargo do qual foi deposto em 28 de junho. No entanto, afirmou que está disposto a negociar com o presidente eleito para implementar reformas sociais e dar continuidade à proposta de instaurar uma Assembleia Constituinte à qual tinha dado início antes de ser sofrer o golpe e um dos motivos centrais que levou o atual governo golpista a tirá-lo do poder.

O Parlamento e o Judiciário consideraram na época a pressão por um referendo nacional para alterar a Constituição uma medida inconstitucional. No entanto, Zelaya afirma que esta é a única forma de se implementar reformas sociais, econômicas e políticas necessárias ao povo hondurenho.

Zelaya está abrigado na Embaixada Brasileira há três meses. Uma das condições impostas pelo governo golpista para seu retorno ao país é sua renúncia, mas o presidente deposto se nega a fazê-lo.

Vários observadores independentes monitoraram a votação, mas a Organização das Nações Unidas (ONU) e a Organização dos Estados Americanos (OEA) se negaram a fazê-lo.

Manifestações A posse de Porfírio Lobo não se dará, porém, de forma passiva. Parte da população que está contra o golpe organizará um ato no mesmo dia da posse de Porfírio Lobo. Organizados pela Frente Nacional de Resistência Contra o Golpe de Estado em Honduras, o protesto contará com manifestações culturais para lembrar o golpe e as violações contra os direitos humanos ocorridas desde então.

Ontem, em San Pedro Sula, partidários de Zelaya fizeram ontem uma manifestação, que foi encerrada pela polícia com gás lacrimogêneo e jatos d‘‘água. O protesto condenou a perseguição dos militares aos civis que se colocam contra o golpe.

Internacional A maior parte da comunidade internacional continua sem reconhecer os processos políticos ocorridos desde o golpe de junho em Honduras. A exceção é os Estados Unidos, que afirmou hoje que reconhece o resultado das eleições. Peru, Panamá e Costa Rica já disseram que pretendem apoiar a disputa. O Brasil manterá sua posição de não reconhecer o processo e continua´ra mantendo Zelaya em sua embaixada.

Até então o governo golpista tem tentado manter distância dos governos latino-americanos. Não à toa, no último dia 16, o governo solicitou ao Congresso a revogação do tratado que incluiu o país na Alba, que atualmente é composta por Venezuela, Bolívia, Cuba, Equador, Honduras, Nicarágua, Dominica, Antígua e Barbuda e São Vicente e Granadinas.

Com informações de agências.



No artigo

x