UNAIDS promove ações pelo fim da homofobia na América Latina e no Caribe

Imagem:Participantes do 6º Seminário Nacional LGBT sobre os direitos dos homossexuais, realizado na Câmara, fazem manifestação na rampa do Congresso Nacional Foto: Antonio Cruz/ABr Por ocasião do Dia Mundial pelos Direitos Sexuais e de Combate...

241 0

Imagem:Participantes do 6º Seminário Nacional LGBT sobre os direitos dos homossexuais, realizado na Câmara, fazem manifestação na rampa do Congresso Nacional Foto: Antonio Cruz/ABr

Por ocasião do Dia Mundial pelos Direitos Sexuais e de Combate à Homofobia, celebrado em 17 de maio, o Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (UNAIDS) lança campanha na América Latina e no Caribe para promover os direitos humanos de homossexuais, travestis, transexuais e lésbicas. Foram elaborados sete vídeos que serão enviados por correio eletrônico e também publicados em páginas da internet dos diferentes parceiros. No Brasil, a campanha será disponibilizada em vídeo e em áudio, para facilitar o acesso a redes de televisão e rádio.

A campanha “Pelos Direitos Sexuais e pela Diversidade Sexual” busca chamar a atenção para os obstáculos que a “homo-lesbo-transfobia” – ou seja, a intolerância e o desprezo destinados àqueles e àquelas que apresentam uma orientação ou identidade diferente à heterossexual – criam para as respostas à epidemia de aids na região. Uma revisão dos dados disponíveis sobre o tema demonstrou que a prevalência do HIV varia entre 6 e 20% em homens gays nos países da América Latina e do Caribe, proporção muito maior se comparada, por exemplo, com os 0,6% de prevalência de HIV estimados para a população em geral (15 a 49 anos) no Brasil.

A homo-lesbo-transfobia contribui para o aumento das novas infecções pelo HIV e também para mortes por aids, uma vez que a discriminação dificulta o acesso à informação sobre prevenção e também afasta essas populações dos serviços de saúde, mesmo que testes e medicamentos estejam disponíveis gratuitamente. Estudos multi-cêntricos dirigidos às populações gays, lésbicas e trans vêm sendo conduzidos pelo Ministério da Saúde e seus resultados auxiliarão no planejamento de ações de prevenção e atenção ao HIV.

A Campanha “Pelos Direitos Sexuais e pela Diversidade Sexual“ foi elaborada pelos Escritórios para América Latina do UNAIDS e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com o apoio de redes de organizações não-governamentais como a REDLACTRANS (que mobiliza as populações trans da Região), a ASICAL (Associação para a Saúde Integral e Cidadania da América) e a LACCASO (Conselho Latino-Americano e do Caribe de Organizações Não Governamentais com Serviço em HIV/AIDS).

Pedro Chequer, Coordenador do UNAIDS no Brasil, responsável pela adaptação da campanha, destacou que a “iniciativa busca dar visibilidade ao tema da discriminação e estigma como um fator acrescido de vulnerabilidade à infecção pelo HIV e estabelecer de modo mais permanente o debate social com vistas ao seu definitivo equacionamento”. Em toda a região da América Latina, o 17 de maio será marcado também por marchas, festivais, oficinas de sensibilização e diversas campanhas de comunicação em toda a América Latina.

Os arquivos podem ser acessados em:www.onu-brasil.org.br.

Os vídeos também estão disponíveis em: http://www.youtube.com/UNAIDSBr.

Homo-Lesbo-Transfobia: se refere à aversão, ódio, medo, preconceito ou discriminação contra homens ou mulheres homossexuais e também pessoas trans e bissexuais. Em 17 de maio de 1990, a Organização Mundial da Saúde (OMS) retirou a homossexualidade da lista de doenças mentais, razão pela qual neste dia se realiza o Dia Mundial pelos Direitos Sexuais e de Combate à Homofobia. Foi nesta ocasião que a OMS reconheceu que a orientação sexual não é uma “opção” e que também não se deve tentar modificá-la.

Confira exemplos de mobilização contra a Homo-Lesbo-Transfobia na América Latina e Caribe

– Argentina: Debate público a partir de campanhas publicitárias.
– Bolívia: Divulgação pelo Ministério da Saúde e Esportes de Spot, em âmbito nacional, que conclama pelo respeito aos direitos das populações trans, homossexuais e lésbicas do país.
– Brasil: Além de atividades em todos os 27 Estados e Distrito Federal será realizado no dia 14 de maio o VI Seminário LGBT no Congresso Nacional, organizado pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, em parceria com a Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, a Comissão de Legislação Participativa da Câmara dos Deputados, a Comissão de Educação e Cultura e a Comissão de Direitos Humanos e Minorias, a ABGLT/Projeto Aliadas e o Centro Paranaense da Cidadania (CEPAC). No mesmo dia será lançado o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e dos Direitos Humanos LGBT no Ministério das Relações Exteriores.
– Honduras: Marcha até a Casa Presidencial para advogar pela redução da violência, do estigma e da discriminação.
– Panamá: Painel com representantes da diversidade sexual e representação teatral.

Leia também

A homofobia na sala de aula Por Brunna Rosa

O debate sobre a diversidade sexual no ambiente escolar é essencial para o enfrentamento da homofobia na sociedade. Oficinas, debates e materiais didáticos inclusivos estão sendo usados para subsidiar a discussão

Elas são mais corajosas Por Brunna Rosa e Glauco Faria

Entre os segmentos mais excluídos da sociedade, travestis e transexuais se organizam para enfrentar as inúmeras violências que sofrem no dia-a-dia 

A Homofobia no país do futebol Por Cristina Uchôa Caso Richarlyson expõe uma das piores chagas da sociedade brasileira, que ainda não aprendeu a lidar com a diferença



No artigo

x