A mídia e a condenação pelos acertos

Editorial Por   De tempos em tempos, o Brasil se depara com questões relacionadas ao assalto da máquina pública. É, como se diz, uma pauta recorrente nas...

277 0

Editorial

Por

 

De tempos em tempos, o Brasil se depara com questões relacionadas ao assalto da máquina pública. É, como se diz, uma pauta recorrente nas redações. Tanto que se tornou comum mensurar a qualidade de um jornalista pela quantidade de escândalos que revelou e não pela qualidade das reportagens e análises que faz a respeito do assunto a que se dedica.

De qualquer forma, trata-se de um equívoco culpar a mídia comercial pela nossa quantidade de escândalos. Pode-se responsabilizá-la, sim, pela seletividade com que trata de certos casos como, por exemplo, os que envolvem o banqueiro Daniel Dantas. Hoje, são poucos os veículos que tratam do tema com a responsabilidade e seriedade merecidas.

Fórum tem tentado, dentro das suas possibilidades editoriais, fazer isso sempre que possível. Como nesta edição, cuja capa é dedicada à entrevista concedida pelo delegado afastado da Polícia Federal, Protógenes Queiroz. Ele falou com exclusividade exatamente na manhã do dia em que o banqueiro foi indiciado pela PF, em uma segunda-feira, 27 de abril. O indiciamento se deu por formação de quadrilha, evasão de divisas, lavagem de dinheiro, gestão fraudulenta e empréstimo vedado. A lavagem de dinheiro estaria configurada pela existência de crimes antecedentes, contra a administração pública, delitos de organização criminosa e crime contra o sistema financeiro nacional.

Apesar da força do indiciamento, o assunto foi tratado como se fosse mais um pequeno caso num imenso lamaçal. Não é. Isso Protógenes deixa claro nesta entrevista. Destruir o esquema de Dantas e revelar o que está por trás dele é também entender como o Brasil foi saqueado em negociatas que se iniciaram ainda na Bahia, pelas mãos de um poderoso ex-senador, e se ampliaram de modo impressionante durante o processo de privatizações nos dois mandatos de FHC. Por conta de poderosos interesses, mantêm tentáculos no atual governo.

O delegado Protógenes não é um salvador da pátria. Pode ter cometido seus erros e/ou exageros no relatório que produziu para a operação Satiagraha, mas tem o mérito de ter levado Dantas ao banco dos réus. E por isso vem sendo combatido pela mídia comercial. Não se tornou figura non grata no noticiário por seus supostos equívocos, mas exatamente por seus acertos.

Enquanto isso estiver acontecendo, Fórum estará solidária à batalha que ele trava.



No artigo

x