Espaço solidário

Índios usam rap para divulgar sua cultura, e iniciativas solidárias são incentivadas por meio de prêmios e projeto de comercialização. Por Camila Souza Ramos   Rappers indígenas...

197 0

Índios usam rap para divulgar sua cultura, e iniciativas solidárias são incentivadas por meio de prêmios e projeto de comercialização.

Por Camila Souza Ramos

 

Rappers indígenas usam música para divulgar sua cultura
A aproximação do Dia do Índio é percebida quando as crianças da escola passam a fazer cocares, museus abrem exposições sobre culturas indígenas e a televisão mostra danças indígenas em aldeias no meio da Amazônia. Neste ano, o dia foi marcado também pela divulgação do CD Brô MC’s, de quatro jovens indígenas Guarani Kaiowá, da Aldeia Bororó da Reserva de Dourados, no Mato Grosso do Sul (MS). O quarteto encontrou no ritmo vindo dos subúrbios urbanos um meio de expressar seus anseios, as características de sua realidade social e sua própria cultura.

O ritmo tem um toque da flauta indígena, a batida do rap e uma letra cantada em guarani com algumas frases em português. As histórias são relatos de preconceito, do sofrimento de seu povo e um grito de resistência. O grupo surgiu de oficinas oferecidas em um Ponto de Cultura da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD).

O primeiro CD deles será lançado pelo Ponto de Hip Hop e pelo Ponto de Cultura Todas as Idades, com parceria da Coordenação de Cultura da UFGD. São oito faixas no CD, que será comercializado por R$ 5.

Prêmio a universitários promove desenvolvimento sustentável no Nordeste
Universitários com ideias criativas sobre desenvolvimento sustentável no Nordeste podem participar do 9º Prêmio BNB de Talentos Universitários, promovido pelo Banco do Nordeste (BNB). O objetivo é fazer com que os jovens do ensino superior contribuam com propostas concretas, simples e inovadoras que colaborem com a distribuição de renda, a geração de empregos e o desenvolvimento sustentável dos estados nordestinos.

As inscrições vão até 31 de maio e a premiação será feita no dia 19 de julho, em meio às comemorações do aniversário do BNB. Podem participar os estudantes do último ano ou aqueles que tenham concluído em 2009 os cursos de Economia, Comércio Exterior, Agronomia, Turismo e Sociologia, em qualquer universidade pública ou privada do Nordeste, reconhecida pelo MEC. Cada candidato pode inscrever somente uma proposta. Para mais informações, acesse http://www.bnb.gov.br.

Projeto incentiva comercialização dos produtos solidários A comercialização dos produtos de redes de cooperativas e da agricultura familiar sempre foi um nó mal resolvido dentro das redes de economia solidária. Os produtores que não têm apoio de redes específicas de comercialização ou de comerciantes terceirizados acabam tendo que dividir seu tempo entre a produção e a comercialização, o que muitas vezes impede o investimento de mais recursos e tempo na elaboração de novos produtos. Com a ideia de propor alternativas para os empreendedores de economia solidária e fortalecer as redes existentes, a União Brasileira de Educação e Ensino (UBEE), a União Norte Brasileira de Educação e Cultura (Unbec) e o Instituto Marista de Solidariedade (IMS) têm executado o Projeto Nacional de Comercialização Solidária.

Entre as ações realizadas estão o levantamento de informações, a preparação dos empreendimentos econômicos solidários para os critérios do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário (SNCJS), o estímulo à comercialização direta e o fortalecimento das cadeias produtivas já existentes. O SNCJS foi elaborado em 2007 e envolve uma série de parâmetros que organizam as iniciativas de economia solidária, com a proposta de regulamentá-las e propor políticas constantes de fomento.

O instituto disponibiliza em seu site um mapa e uma agenda das feiras nacionais e internacionais de empreendimentos solidários para incentivar espaços de trocas de informações e conhecimentos, que podem ser acessados pelo site: http://www.ims.org.br/.



No artigo

x