Uma lacuna na História

Piauí comemora os 186 anos da batalha do Jenipapo e reafirma o papel crucial do movimento para a independência do Brasil, apesar de o assunto não estar presente nos livros didáticos Por Brunna Rosa  ...

597 0

Piauí comemora os 186 anos da batalha do Jenipapo e reafirma o papel crucial do movimento para a independência do Brasil, apesar de o assunto não estar presente nos livros didáticos

Por Brunna Rosa

 

No dia 13 de março de 1823, o Piauí foi palco de um levante popular que, segundo alguns historiadores e intelectuais, teve extrema importância para o Brasil. Chamada de batalha do Jenipapo, por acontecer às margens do rio homônimo em Campo Maior (PI), a batalha colocou em confronto piauienses, maranhenses e cearenses contra as tropas portuguesas comandadas por João José da Cunha Fidié.

Brunna RosaBrunna Rosa
“A batalha do Jenipapo foi uma das mais sangrentas de todas as lutas em prol da nossa independência, sob o sangue de piauienses, maranhenses e cearenses. E a historiografia oficial não divulga a epopeia”, observa o escritor Adrião Neto. O sentimento de Neto é compartilhado pela população piauiense, que todo ano relembra o 13 de março em sessões solenes, discussões nas escolas e universidades, além de uma encenação onde ocorreu o confronto, lugar que hoje abriga um monumento aos combatentes, um museu e ainda preserva o local onde foram enterrados os mortos da batalha.

Brunna RosaBrunna Rosa

Contribuição para a Independência
Apesar de a independência do Brasil ter sido proclamada no dia 7 de setembro de 1822, várias províncias não haviam aderido ao processo, àquela altura. Foi em outubro do mesmo ano que São José da Paranaíba, à época uma vila do Piauí, manifestou publicamente seu apoio a D. Pedro I. A declaração fez com que tropas favoráveis a Portugal se deslocassem para o local com o objetivo de tentar conter a adesão de novas províncias à Independência do Brasil.
A situação provocou uma mobilização do entorno, o que gerou a formação de uma tropa de cerca de dois mil homens sem treinamento, em sua maioria vaqueiros e roceiros. “Cada um estava pronto para se alistar. Ninguém se recusou a acudir ao apelo, e, dentro de três dias, as fileiras engrossaram e uma multidão estava à espera dos portugueses”, descreve o historiador Joaquim Chaves no livro O Piauí nas lutas da independência do Brasil. Ainda segundo o historiador, o exército dos rebelados tinha cerca de três mil pessoas e estava prestes a enfrentar um exército composto por cerca de mil lusitanos liderados por João José da Cunha Fidié, imposto como comandante das armas e governador da capitania, em 1821.
Não se sabe ao certo quantos morreram na batalha, porém existem registros que estimam o total entre 400 a 700 mortos por parte dos rebelados e cem baixas do exército português. A batalha teria durado entre quatro e seis horas ininterruptas. “Apesar da derrota militar, a luta contribuiu para que a província do Piauí aderisse à independência do Brasil e justamente por isso precisamos fazer com que a historiografia brasileira incorpore a contribuição dos piauienses, cearenses e maranhenses ao processo de independência brasileira”, enfatiza o professor da Universidade Federal do Piauí ( UFPI), Alcides Nascimento.

Brunna RosaBrunna Rosa

Em busca do reconhecimento
Embora a batalha do Jenipapo tenha uma grande importância no Piauí, apenas há pouco tempo ela vem sendo divulgada para fora do estado, e enfrenta a desconfiança de muitos historiadores e autores de livros didáticos. “Inserir a batalha na historiografia do Brasil é uma tarefa que cabe a nós, piauienses, primeiramente. Vale lembrar que os materiais didáticos do país são do Sudeste e ignoram alguns fatos daqui”, avalia o professor da Universidade Federal do Piauí (UFPI) Antonio Fonseca. Segundo Fonseca, caso esta omissão persista, a história continuará incompleta. “Em 1822, o Piauí era uma província estrategicamente relevante por ser a passagem entre o litoral do nordeste e o norte amazônico”, observa o professor.
Já para a historiadora Claudete Dias, que elaborou seu doutorado sobre a batalha de Jenipapo, este foi um dos episódios decisivos para a garantia da independência do Brasil e a unidade política no país. “A posição de Portugal era assegurar, a qualquer custo, o Norte e o Nordeste do país. Até porque nesta região era transportado todo tipo de riqueza. A batalha garantiu que a metrópole não fragmentasse o país e que uma parte deste continuasse a ser colônia”, ainda segundo a historiadora, a luta, ao lado da Balaiada, é considerada uma das mais violentas do processo de independência do Brasil. “O processo de independência do Brasil não foi tranquilo, houve sim muito derramamento de sangue. E esse sangue era piauiense, cearense e maranhense”, avalia a historiadora.
Certos da necessidade de divulgar a batalha de Jenipapo para garantir seu lugar na história, intelectuais, a sociedade civil piauiense e políticos estão realizando uma série de atividades para dar visibilidade à batalha. Uma delas foi incluir a data do conflito – o 13 de março – na bandeira do estado.
“Nem mesmo os piauienses tinham conhecimento desta data, mas hoje todo mundo fala da batalha”, Alcebíades Costa Filho, doutor em história pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Segundo o historiador, divulgar o movimento reflete na melhora da autoestima da população local. “Isso é uma falha nossa, não ter procurado reconhecer a batalha do Jenipapo como data nacional”, afirmou o vice-governador do Piauí, Wilson Martins, na solenidade dos 186 anos da batalha do Jenipapo, durante a qual aproveitou e pediu apoio ao projeto de lei (PL) 968/07, apresentado pelo então deputado federal Frank Aguiar (PTB/SP), que institui o dia 13 de março como data histórica nacional. O PL foi aprovado na Câmara e tramita atualmente no Senado. Além disso, a inclusão do evento na disciplina de História também é uma demanda que poderá ser atendida em breve. F

Brunna RosaBrunna Rosa

Para saber mais:
A Guerra do Fidié, Abdias Neves. Editora Fundapi
O Piauí nas lutas da independência do Brasil,
Joaquim Chaves. Editora Fundapi
A epopéia do Jenipapo, Adrião Neto. Editora Geração 70
O outro lado da história: o processo da independência do Brasil visto pelas lutas no Piauí (1789-1850), Claudete Maria Miranda Dias.
DVD Programa especial Viva Piauí – 250 anos de História, que pode ser adquirido através do telefone (86) 3131-1750.



No artigo

x