Caribe dividido em torno das ilhas Malvinas

Trinta anos depois que Grã-Bretanha e Argentina protagonizaram uma guerra pelas ilhas Malvinas, as tensões ressurgem. Entretanto, ao contrário de 1982, desta vez o principal ponto de controvérsia se encontra no petróleo

388 0

Trinta anos depois que Grã-Bretanha e Argentina protagonizaram uma guerra pelas ilhas Malvinas, as tensões ressurgem. Entretanto, ao contrário de 1982, desta vez o principal ponto de controvérsia se encontra no petróleo

Por Peter Richards, da IPS (Publicado por Envolverde)

Trinta anos depois que Grã-Bretanha e Argentina protagonizaram uma guerra pelas ilhas Malvinas, as tensões ressurgem. Entretanto, ao contrário de 1982, desta vez o principal ponto de controvérsia se encontra no petróleo, afirmam legisladores desse disputado território.

Quatro empresas britânicas anunciaram planos de busca por petróleo em torno das Malvinas, que ficam a 480 quilômetros da costa continental argentina. Essas empresas suspeitam que sob este arquipélago do sul do oceano Atlântico existem reservas de óleo que mais do que triplicam as da Grã-Bretanha.
As ilhas Malvinas, ocupadas pelos britânicos desde 1833, foram invadidas militarmente em 2 de abril de 1982 por decisão do último governo da ditadura argentina (1976-1983), país que reclama historicamente soberania sobre o arquipélago. A guerra durou até 10 de junho, quando as forças da Argentina se renderam diante do poderio bélico e tecnológico das tropas da Grã-Bretanha.
“Tristemente, neste momento a Argentina torna a vida muito difícil, provavelmente porque estamos explorando em busca de petróleo em águas em volta das ilhas”, disse Roger, presidente da Assembleia Legislativa das Falkland Islanders, segundo a denominação britânica. Edwards, que esteve em Granada no começo de uma visita a várias ilhas do Caribe de língua inglesa, afirmou à IPS que a Argentina “submete as ilhas praticamente a um bloqueio econômico. Nos ameaçam interceptar navios que comercializam com as ilhas”.
Edwards acrescentou que Buenos Aires também procura fazer com que cada vez mais países se alinhem com sua posição, para ampliar a proibição de entrada em portos da região dos navios com bandeira das Falklands Islanders. A referência é à decisão nesse sentida adotada em dezembro pelo Mercosul, integrado por Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, e a Venezuela em processo de adesão plena.
Também afirmou que “a Argentina quer dominá-los colonizá-los. Não cremos que isso seja certo, mas tampouco queremos que a Grã-Bretanha determine nosso futuro. Realmente queremos nós mesmos determinar nosso futuro”.
Mas Edwards, não conseguiu todo apoio em sua viagem. Além de Granada, onde disse que a delegação foi “bem recebida”, no restante da região caribenha de língua inglesa há dúvidas e posições ambivalentes. Santa Lucía, por exemplo, à qual foi concedido o status de “membro especial” da Alba, apoia o direito dos malvinenses à sua autodeterminação desde 1985, três anos após o fim do conflito entre Argentina e Grã-Bretanha.
Mas esse apoio fica sob exame enquanto esta ilha se prepara para integrar a Alba. San Vicente e Granadinas, que é membro pleno da Alba, já disse que seu apoio a uma resolução do bloco de proibir a entrada em seus portos de barcos com bandeira das Falkland Islanderes é “simbólico”.
Ao regressar de Caracas, o primeiro-ministro da ilha, Ralph Gonslaves, disse na quarta-feira aos jornalistas que a cúpula da Alba agregou apenas um parágrafo a uma resolução adotada em dezembro pela Comunidade de Estados Latino-americanos e Caribenhos (Celac).
Recordou que a Celac havia dido que “apoiava a causa dos argentinos em princípio, mas que mais particularmente pedia que o assunto se resolvesse dentro do contexto do debate que acontece sobre a soberania destas ilhas mediante os mecanismos da ONU”.
“E isso é basicamente o que se reformula com esta declaração: a adição real foi o parágrafo que diz “apoiar a decisão dos países da região de proibir que embarcações com a bandeira colonial imposta às Malvinas entrem em seus portos”, acrescentou, lembrando que este gesto é “simbólico”, pois em San Vicente e Granadinas não chegam navios das Malvinas.
O governo de Antiga e Barbuda também disse que apoiaria “uma solução pacífica e definitiva” para a disputa, e se afastou de todo bloqueio de navios procedentes do arquipélago das Malvinas.


No artigo

x