Steve Butterman lança “Invisibilidade vigilante”, livro sobre a parada gay de São Paulo

Meu amigo Steve Butterman, canadense e professor da Universidade de Miami, já autor de um estudo pioneiro sobre Glauco Mattoso, lança no próximo dia 06 de junho, quarta-feira, o livro Invisibilidade vigilante: Representações midiáticas...

482 2

Meu amigo Steve Butterman, canadense e professor da Universidade de Miami, já autor de um estudo pioneiro sobre Glauco Mattoso, lança no próximo dia 06 de junho, quarta-feira, o livro Invisibilidade vigilante: Representações midiáticas da maior parada gay do planeta, pela nVersos. O lançamento acontece na Casa das Rosas, em São Paulo, a partir das 18 horas.

Steve fez um trabalho de pesquisa exaustivo sobre a parada, entre 1997 e 2011, mas o livro flui sem ranços acadêmicos desnecessários. Diz o autor sobre o livro: “Na cultura norte-americana, existe uma grande tendência quase positivista (acho eu) de compartimentalizar as identidades, de classificar tudo para que possamos botar limpa e definitivamente na sua caixinha arrumadinha. Mas a vida não é assim, não! Acho que fiquei seduzido pela possibilidade de não ter que reconciliar a contradição, de deixar as ambiguidades fluírem e falarem”.

Sou grande fã do trabalho de Steve que é, além do mais, pessoa das mais afáveis e interessantes. Convido os amigos paulistanos a que compareçam. Aí vai o convite:

 



No artigo

2 comments

  1. Ramiro Conceição Responder

    OLHAR ATEU
    by Ramiro Conceição
    .
    .
    .
    Dentre os passos meus, naquela manhã vi deus
    no olhar ateu de um cachorrinho que passeava…
    Aquele deus não era tribal nem um assassino – de gays;
    não tinha escravos, terras ou altares justificados por leis;
    abominava políticos, padres, freiras, pastores e dízimos;
    não era uma lua mística, mas um sublime sol – objetivo!;
    era um olhar enamorado que, agora, tento dar um nome,
    mas aquele deus não tinha nome; era qualquer homem
    ou mulher; era a luz de estrelas no vagar dum vaga-lume;
    era um perfume a dizer-me: nem ouro que reluz é tudo.

  2. luiz Responder

    Achei muito interessante, quarta estarei lá para conferir. estávamos necessitando documentar/comentar/elucidar esses 15 anos de existência. deveríamos ter mais eventos como este durante a semana da parada.
    Parabéns a editora e autor que vem nos presentear com esse evento cultural na abertura do nosso feriado.


x