Governo promete proposta, professores das federais continuam greve

Ministério do Planejamento deve entregar primeira proposta de plano de carreira na semana que vem. Por Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual...

302 0

Ministério do Planejamento deve entregar primeira proposta de plano de carreira na semana que vem.

Por Sarah Fernandes, da Rede Brasil Atual

Os profissionais não aceitaram pedido do governo de trégua de 20 dias na greve. (Antonio Cruz/ABr)

O governo federal deve entregar uma primeira proposta de plano de carreira para os professores de universidades federais na próxima terça-feira (19), para atender às demandas dos docentes, em greve há 28 dias. A medida foi acertada em reunião realizada ontem (12) entre o secretário de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Sérgio Mendonça, e representantes do Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (Andes). Os profissionais não aceitaram pedido do governo de trégua de 20 dias na greve.

“Não concordamos em suspender a greve antes de alcançarmos nossas reivindicações porque entendemos que o governo já teve muito tempo para apresentar a proposta”, afirmou a representante do comando de greve Milena Martinez, professora da Universidade Federal do Paraná. “Primeiro queremos ter a proposta, que será avaliada pelas assembléias em todo país, para depois repensarmos a greve.”

O Ministério do Planejamento informou, por meio da assessoria de imprensa, que se propõe a dar continuidade as negociações e que em julho deve apresentar uma proposta de plano de carreira mais sólida, a partir das demandas geradas com a entrega da primeira proposta, na próxima semana.

“O movimento vem ganhando muita força porque é fundamental ter uma carreira estruturada e melhores condições de trabalho para garantir a qualidade da educação”, avalia Milena. “Houve um processo de expansão do ensino superior, porém sem assegurar contrapartidas como novas contratações e cursos de especialização para os professores. Esperamos que o governo apresente uma proposta que vá de encontro as nossas reivindicações.”



No artigo

x