HSBC multado no México por envolvimento em lavagem de dinheiro

O banco decidiu não recorrer das acusações judiciais no país depois de o Senado dos EUA ter comprovado seu envolvimento com fundos de cartéis mexicanos

418 0

O banco decidiu não recorrer das acusações judiciais no país depois de o Senado dos EUA ter comprovado seu envolvimento com fundos de cartéis mexicanos

Por Esquerda.net

Uma semana depois da divulgação do relatório do senado dos Estados Unidos que acusava o HSBC de ter exposto o país à rede de terrorismo e lavagem de dinheiro, o maior banco europeu pagou uma multa de 22,7 milhões de euros no México pelo seu fraco sistema de controle no país.

Segundo a Comissão Nacional Bancária e de Valores, as filiais do HSBC no México deixaram de cumprir as regras para a prevenção de lavagem de dinheiro durante operações realizadas em 2007 e 2008. O valor da multa representa mais da metade do lucro obtido pelas agências bancárias mexicanas em 2011 e é a maior sanção imposta por autoridades mexicanas contra uma instituição financeira.

As filiais do HSBC no México deixaram de cumprir as regras para a prevenção de lavagem de dinheiro durante operações realizadas em 2007 e 2008 (Foto http://www.flickr.com/photos/59937401@N07/)

A multa, que foi emitida em 7 de novembro de 2011, foi paga somente nesta quarta-feira (25/07) porque o banco desistiu de recorrer na Justiça às acusações. O HSBC mexicano emitiu uma declaração reconhecendo que falhou em relatar 39 transações suspeitas e se atrasou em relatar outras 1729.

“O HSBC México reconhece que não conseguiu cumprir rigorosamente a regulamentação bancária nem com as normas que os reguladores e clientes esperam de nossa instituição e se desculpa”, diz a nota. O banco está entre os cinco maiores no México com mais de 1,4 mil agências e 6 milhões de clientes.

Provas da lavagem de dinheiro

A decisão do HSBC vem uma semana depois do Senado norte-americano ter publicado um relatório que contém diversas provas de seu comportamento irregular referente a ações bancárias ilícitas, incluindo no país mexicano.

Segundo o documento, o banco continuou a realizar negócios com casas de câmbio mexicanas apesar das crescentes suspeitas de que estariam ligadas à lavagem de dinheiro do narcotráfico, enquanto outros bancos pararam de se relacionar com essas instituições. O banco “não tomou medidas decisivas para enfrentar essas filiais e colocar um fim à conduta”, diz o relatório.

De acordo com as informações, as casas mexicanas possuíam uma filial nas Ilhas Cayman que mesmo movimentando 1,7 bilhões de euros em apenas um ano, não possuía funcionários nem escritório. O documento também aponta que unidades do banco nos EUA receberam 5,8 bilhões de euros das casas transportados por aviões ou carros durante os anos de 2007 e 2008.

Além da multa emitida pelas autoridades mexicanas, o HSBC terá que responder às acusações judiciais nos Estados Unidos. Analistas estimam que o banco terá de pagar cerca de 1 bilhão de dólares referente ao processo norte-americano, informou a rede Al-Jazeera.

Escândalos financeiros

O HSBC, considerado a maior instituição financeira da Europa, não foi o único banco britânico a enfrentar acusações por ter realizado ações irregulares no mercado. O Barclays, segundo maior banco da Grã-Bretanha, mentiu de 2007 a 2012 sobre a sua liquidez para dizer-se mais sólido do que realmente era.

Os bancos sediados em Londres, como HSBC e Barclays, geraram receita de 41 mil milhões de euros para os cofres britânicos em 2010, dinheiro suficiente para aliviar quase metade do déficit da balança comercial do Reino Unido com a Europa. Eles são considerados imprescindíveis pelo governo de David Cameron, do Partido Conservador, que preferiu romper com a União Europeia no final do ano passado a aumentar taxas e controles sobre suas operações.

As multas podem ser suficientes para apaziguar as instituições políticas, mas não para acalmar a ira da população europeia e norte-americana que enfrentam um período de dura crise económica.



No artigo

x