O dia em que o jornalão virou tabloide

O rosto de José Dirceu deformado pela luz sobre um fundo escuro, esticado para ocupar toda a largura da primeira página, acrescido de um título em letras garrafais, é o escracho em estado puro

314 2

O rosto de José Dirceu deformado pela luz sobre um fundo escuro, esticado para ocupar toda a largura da primeira página, acrescido de um título em letras garrafais, é o escracho em estado puro

Por Alberto Dines, do Observatório da Imprensa

Uma capa histórica na edição de quarta-feira (10/10) da Folha de S.Paulo (ver aqui). Numa única edição, aquele que pretende ser “um jornal a serviço do Brasil” despencou no abismo da paranoia, da irresponsabilidade e prestou um enorme desserviço à formação cívica do leitor.

A condenação pelo Supremo Tribunal Federal de José Dirceu e da antiga cúpula do PT levou os responsáveis pela edição a perderem o senso de medida e os compromissos dos jornalistas em preservar sua dignidade e a dos personagens que circulam em suas páginas.

Puro hooliganismo: o jornal vilipendiou uma tragédia política, acirrou rancores, transformou um julgamento exemplar num rififi futebolístico, pisoteou os padrões de decência do nosso jornalismo, inclusive a célebre entrevista de Roberto Jefferson à repórter Renata Lo Prette – hoje na GloboNews – que marcou o início do escândalo do mensalão.

Tarefa contínua

Quando Richard Nixon e Fernando Collor foram obrigados a renunciar para não serem escorraçados da Presidência, os jornais que os derrubaram comportaram-se com mais compostura e respeito. Não se bate no adversário caído, isso sabem até os palhaços das artes marciais que a Folha tanto incentiva.

O rosto de José Dirceu deformado pela luz sobre um fundo escuro, tétrico, esticado para ocupar toda a largura da primeira página, acrescido de um título em letras garrafais (“Culpados”), é o escracho em estado puro, sensacionalismo, versão tupiniquim do tabloidismo murdoquiano e do canibalismo político.

A foto havia sido feita três dias antes, já fora publicada, não acrescentava qualquer informação, não escondia o desejo de avacalhar.

A exibição de perversidade da Folha contrasta vivamente com a capa sutil e inteligente do Globo sugerindo o início efetivo da primavera brasiliense: enorme arco-íris sobre a Praça dos Três Poderes, com a estátua da Justiça em primeiro plano.

O Estado de S.Paulo foi fleumático, solene, como convém a essas circunstâncias: título breve (“Supremo condena Dirceu”), foto também de arquivo, mas sem deformações.

Jornalismo é um exercício contínuo de decência – a Folha deveria debruçar-se sobre este tópico na próxima edição do seu Manual de Redação.



No artigo

2 comments

  1. Rafaeldefreitasteixeira Responder

    Bom, sendo ele condenado por 8 a 2 por corrupção ativa na Suprema Corte nada mais justo que está capa da Folha. Uma vez que restou comprovado nos autos que ele é um criminoso que praticou um atentado contra a República. Embora vcs chamem a Folha de irresponsáveis eles na verdade foram muito responsáveis, tendo em vista que esperaram os bandidos do MENSALÃO serem condenados como reza o processo penal para serem culpados.


x