Resposta a uma amiga, por Cláudio Gonçalves Couto

Recebi de uma amiga querida um questionamento sobre minhas posições políticas recentes. Ao responder-lhe, notei que talvez tenha tido a oportunidade de explicitar alguns pontos que gostaria de tornar públicos. Assim, reproduzo aqui, sem...

3510 21

Recebi de uma amiga querida um questionamento sobre minhas posições políticas recentes. Ao responder-lhe, notei que talvez tenha tido a oportunidade de explicitar alguns pontos que gostaria de tornar públicos. Assim, reproduzo aqui, sem lhe nominar, o que escrevi a essa querida amiga.

 

Minha cara,

Eu não me considero petista, mas de esquerda.

Acho que o PT cometeu erros sérios e os que erraram devem pagar com isto. Contudo, não aceito essa generalização que tem sido feita, como se todo petista fosse um criminoso, somente por ser petista. Como se bastasse o partido ganhar um governo para a corrupção se alastrar. E, não bastasse isto, como se os que lhe detratam fossem os baluartes da pureza e da honestidade. Pior ainda, quando sabemos que esses outros cometeram exatamente os mesmos erros que o PT cometeu. O que não aceito é essa tentativa maniqueísta de tornar o PT algo equivalente a um câncer da política nacional e da república, o mal a ser evitado, sendo que a alternativa a esse mal seria o PSDB, repositório do que existiria de valores republicanos no país.

A coisa fica pior quando quem vocaliza essa posição é um político como José Serra. Um político que nada mais fez nos últimos doze anos de sua vida que não manobrar politicamente para se tornar presidente da República. Até aí, nada de mais. O problema é que, para fazer isto, colocou as instituições em que atuou a seu serviço.

Fez isto com seu partido, que servilmente se curvou a ele; fez isto na Prefeitura, voltou a fazer no Estado e voltou a fazer com seu partido.

Não bastasse, abriu a caixa de pandora da religião na política, disseminando todo tipo de preconceito e hipocrisia. Apresenta-se como um homem que defende valores, mas mente descaradamente. Apresenta-se como o defensor da democracia, mas telefona nas redações dos órgãos de imprensa pedindo a cabeça de jornalistas que lhe tenham feito perguntas incômodas, ou escrito algo que lhe desagradou.

Nesse cenário maniqueísta que se montou, para piorar, Serra e, neste caso, o PSDB, têm implantado políticas antipobre. O higienismo na cidade de São Paulo e no governo do Estado têm esse condão: o tratamento dispensado à cracolândia, a truculência do Pinheirinho, a política de segurança homicida (“quem não reagiu sobreviveu”), a omissão nos incêndios em favelas, as obras malufistas das marginais etc..

Diante disto, prefiro mesmo os governos do PT. Considero um imenso avanço as políticas sociais do governo federal nos últimos anos, a política de educação que o Haddad implementou quando ministro da Educação, o Bolsa Família, a redução da desigualdade de renda e a ascensão econômica de uma imensa parcela da população – que, a meu ver, é erradamente chamada de “classe média”.

Ou seja, como o PT e seus governos são muito mais do que apenas mensalão, eu, mesmo sem me considerar petista, prefiro essa alternativa na eleição. É só isto.

E, como consequência, vejo-me na obrigação de apontar o dedo e combater uma tentativa hipócrita e autoritária de transformar esse partido e seus membros numa cambada de bandidos. Não só porque há muita gente correta no PT (assim como em outros partidos, e no PSDB em particular), mas porque ao se fazer isto, joga-se por terra a necessidade de diferenciarem-se as políticas e suas consequências para o país, em particular para os mais pobres.

Noto que essa tentativa de desqualificação hipócrita (ingenuidade não se aplica aqui) é mais frequente entre as camadas médias escolarizadas e de rendas mais altas. Eu me incluo nesse segmento, convivo com ele e noto como procede. Na realidade, noto que simplesmente usa o pretexto do mensalão para fazer o que realmente quer fazer, sem ter de admiti-lo: derivar à direita e optar por políticas antipobre.

Contra as cotas, defende-se o “mérito”, como se o “mérito” emergisse no vácuo, sem que importassem as diferenças sociais de oportunidade. Contra o Bolsa Família, defende-se o “trabalho”, como se pobres não trabalhassem e, ainda assim, sem obter o mínimo para uma vida decente.

Eu não me coloco entre aqueles que veem no julgamento do mensalão uma conspiração das elites. Considero que o STF cumpre seu papel, a despeito do que possam ser certos excessos retóricos deste ou daquele juiz. Não vejo isto como um grande problema, pois creio que faz parte do processo de amadurecimento institucional, que de resto vem acontecendo. Como outros, considero que o julgamento é um potencial avanço institucional, mas apenas terei certeza disto se o mesmo critério por parte do STF for seguido no julgamento do mensalão tucano, aquele de Minas Gerais. Afinal, parece-me que as leis devem valer igualmente para todos. Da mesma forma, espero que a vigilância dos órgãos de imprensa seja a mesma no próximo julgamento. Quanto às nossas classes médias escolarizadas de altas rendas, eu não tenho a ilusão de que elas se comportarão diante do julgamento do mensalão tucano da mesma forma como vêm se comportando em relação ao mensalão petista. E isto, porque o que realmente sensibiliza a muitos é aproveitar a oportunidade de, justamente, condenar quem cometeu crimes para, injustamente, utilizar as condenações como forma de desqualificar posições políticas, políticas públicas e pessoas.

Estas são as razões que me levam a tomar partido da forma como tenho tomado nos últimos tempos. A razão, parece-me, é que é necessário desta vez defender a democracia. Não da forma como o fizeram os neoudenistas hipócritas à época da eleição de 2010, bradando contra o falacioso risco de “mexicanização”, ou contra o populismo inexistente. O risco à democracia agora é o de pintar um mundo em branco e preto, em que tudo de mal se imputa a um partido, do qual nada de bom se pode tirar.

Para finalizar, é isto que leva certos intelectuais a posições de lastimável empáfia, como a de se sentirem no direito de conclamar a um líder político que se aposente da vida pública. Como se fosse lícito conclamar qualquer cidadão a abdicar de sua legítima condição de partícipe de seu tempo. Mais ainda, de um cidadão que, mesmo tendo cometido erros, construiu instituições, melhorou a vida dos mais pobres e jamais ligou em redações para pedir a cabeça de jornalistas.

 

Cláudio Gonçalves Couto é Cientista Político e professor do Curso de Administração Pública da FGV-SP. Este texto foi publicado originalmente no seu Facebook e é reproduzido aqui com sua autorização. 



No artigo

21 comments

  1. Edson Maciel Junior Responder

    Gostei do seu texto, gostaria de publicá-lo no meu blog. Digo que quanto a conspiração ela pode não existir, mas que está muito esquisito está. A forma como a Globo reage e se posiciona é para demonizar o PT. A forma como repezam o negativo do governo, a tentativa dos reporteres de insinuar despreparo do governo é constante. A gente vê a irritação deles com a vida melhor que muitos brasileiros estão tendo e o completo desrespeitos pelos indios e minorias sociais com excessão [talvez] dos gays porque muitos dos seus aliados o são.

  2. Alberto Nasiasene Responder

    Parabéns pela coragem de confrontar a hipocrisia ideológica, não temendo assumir sua posição de esquerda independente!

  3. cristiana Responder

    não se trata de “olha quem está falando do PT”. Ou seja, o PSDB e outros são sujos também etc.
    a questão vergonhosa é: alguém pode resgatar tudo que o PT disse nas décadas de 1990 e começo de 2000, até se tornar governo, por favor? O PT sempre foi orgulhoso e prepotente (ainda é), achando que todos eram corruptos, menos ele. O que decepcionou muitos (hoje ex) petistas é que o PT falava uma coisa e fazia outra, simples assim. Não precisa nem falar de PSDB e outros. É só fazer uma autorreflexão.
    Lula se acha o maior líder de todos os tempos, acredita sinceramente que fez o que há de melhor nesse país e isso é de uma prepotência sem limites e me dá medo. O jeito de ser da cúpula petista é sim corrupto e ditatorial.

    1. Salomão Ferreira de Souza Responder

      Cara Cristiana,
      Qualquer observação rasa poderá notar que as eleições, no modo como acontecem em alguns países, como Brasil, Estados Unidos, por exemplo, não consegue eleger alguém totalmente da esquerda. Nos Estados Unidos, qualquer que seja o candidato, só poderá ganhar uma eleição se for declaradamente a favor de Israel e contra os palestinos; no Brasil, com grandes resquícios de um colonialismo, ainda é impossível eleger-se um partido totalmente de esquerda. Se o PT, transitando entre a esquerda e a direita (ao que parece até mais pela direita), enfrenta grandes dificuldades em se manter no governo, o que diríamos se ele se mantivesse na sua linha originalmente esquerdista. As mesmas pessoas que estão condenando-o pelo mensalão, sem considerar as coisas boas que foram realizadas nos últimos dez anos de governo petista, estarão hoje atirando pedras em qualquer um que se declarasse petista. Para além do que já foi dito vale rememorar que o Lula não é aquele cara que faz propaganda para os outros países como um bom governo. Ele é visto assim por pessoas que livremente conseguem fazer uma análise histórica do mundo. Infelizmente não somos capazes de fazer tal análise e repetimos o que a grande mídia nacional (psdebista por interesse), vem vomitando por todos os cantos desse país. Talvez por certa vocação de colônia tendemos a valorizar o que é de fora ou aquilo que, embora sendo brasileiro, gera retornos para os colonizadores de vocação. Como exemplo, temos Paulo Freire, senão o maior educador de todos os tempos, pelo menos um deles, e que é quase um nosso desconhecido embora seja estudado quem quase todos os países ocidentais. Se o mundo diz que Lula foi um grande governo (embora não tenha governado somente para os colonizadores, como fizeram, senão todos, mas a grande maioria dos governos que o antecederam nos 502 anos de Brasil), talvez por essa particularidade afirmamos que o mundo está equivocado, que nós estamos equivocados. Consideramos que tudo não passa de um marketing pessoal (não que ele não exista) e esquecemos os verdadeiros feitos de seu governo, como retirar o Brasil da vergonhosa miséria humana de milhões de cidadãos. Isso também é marketing, mas é governo também e deve ser considerado em nosso juízo. A esse respeito, considero vergonhoso demonizarmos o PT por conta do mensalão, esquecendo não só os psdbistas, mas todos os governos que, ao longo de nossa história, subtraiu, entregou em bandejas de prata tudo que tínhamos de riqueza para os velhos colonizadores, entendendo que as grandes massas de miseráveis e analfabetos que povoavam esse país eram seres desprovidos de humanidade, sancionando a velha afirmativa de Nina Rodrigues: todos degenerados. Vergonhoso também é um observador estrangeiro afirmar que o julgamento do mensalão, às vésperas das eleições (embora considerando necessário), foi um golpe de estado que não conseguimos perceber. Tem psdbista da elite paulista que, embora declaradamente racista, está endeusando o ministro Joaquim Barbosa por suas posições severas no julgamento. Jean-Paul Sartre, em prefácio do livro “Os condenados da Terra”, afirma que só seremos verdadeiramente livres quando negarmos, o tempo inteiro, aquilo que querem fazer de nós. É lamentável não sermos ainda capazes de negar esses joguetes do poder.

    2. Carlos Gueller Responder

      Cristiana,
      Por favor, gostaria de saber aonde a cúpula petista é ditatorial e corrupta? Acho que vc deve estar lendo muito a Veja. Vc tem todo o direito de não gostar do Lula, mas o interessante de observar é como os setores conservadores atacam ele preconceituosamente. O Lula confirmou no seu governo o Procurador Geral que já tinha encaminhado investigações contra o governo, assim como nomeou juízes do STF todos da área jurídica e que, se comprovou agora, não eram “amigos do poder”. O Lula não mudou a Constituição como a direita falava para forçar o 3º mandato (e tinha 80%de aprovação!). Se vc olha as mesmas ações no governo FHC (que para esses mesmos setores, é a encarnação da democracia), resulta que modificou a Constituição em benefício próprio e com compra de votos!, tinha o engavetador geral da república, e manda o Lula calar a boca. Muito democrático!
      Em quanto a que o PT falava uma coisa e no governo não foi bem assim, é algo que pode incomodar sem dúvida, mas em qualquer grupo político tem uma diferencia entre ser oposição (especialmente quando é pequena) e a responsabilidade de ser governo. Mas também tem aí muita hipocrisia de certos setores que quando o PT chegou no poder, passou a dizer que gostava do PT de antes que era fiscalizador e com princípios, quando na verdade nunca apoiou suas posições e chamava nessa época de radical.
      Em relação ao texto do Cláudio, acho que faltou uma análise do fator “meios de comunicação” e como pretendem manipular eleições. Isso já tem um histórico no Brasil desde 89 com o escândalo da Lurian e a edição do famoso debate da Globo. E desde aquela época que toda eleição tem um escândalo, real o imaginário com a tentativa de influenciar a opinião pública e sempre para prejudicar os candidatos do PT. Não gosto de teorias conspiratórias mas a atuação da grande imprensa é patética e é impossível ignorá-la. Para quem não lembra: na eleição da Dilma a Veja deu as últimas 5 capas com escândalos inexistentes para tenar atingi-la e a Folha foi na Justiça até 3 dias antes do 2º turno para divulgar os arquivos da ditadura militar sobre a suposta participação da Dilma na luta armada. Ou seja: em nome da liberdade de informação queriam influenciar a eleição com a visão de uma ditadura sobre uma militante opositora. Acho que não é necessário explicar mais.

    3. Bruno Fernandes Responder

      “O jeito de ser da cúpula petista é sim corrupto e ditatorial”.

      Até este pleito existiam no Brasil 140 municípios com Orçamento Participativo. 70 destes municípios eram diretamente administrados pelo PT. Isto é ditatorial?

      Outra coisa, o PT é o único partido com o processo de eleições diretas para a administração do Partido. A administração do partido é resultado de uma composição eleitoral interna estendida a todos os filiados.

      O PT chega ao Executivo nacional e uma das primeiras medidas do presidente Lula é criar o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Mais de 500 lideranças de diversos setores da sociedade civil são agrupadas para discutir os projetos do governo. Luiz Dulci revelou que todas os principais projetos foram discutidos e negociados neste órgão.

      A realidade não permite concordar com a afirmação sobre o caráter ditatorial da cúpula petista.

    4. mo Responder

      Após uma reflexão sobre os caminhos das instituições , os direitos, o papel da justiça e da mídia no país, vc reduz a reflexão como sempre os faz os psdbistas, Çerra tá aí na imprensa para quem quiser ver, sempre muito pobre , chulo e medíocre nas colocações……..

    5. abolicionista Responder

      Decida, ou corrupto ou ditatorial. rs

  4. Gabriel (Trovão) Responder

    Genial o texto. Sem meias palavras, sem se perder em demagogias e discussões sem sentido, indo direto ao ponto. Muito bom mesmo, refletiu o que muitos não sabiam como dizer.

  5. Victor Responder

    O objetivo inicial central do julgamento do mensalão é alijar o Lula da vida política do país. Lula é o alvo buscado pela grande mídia. Após, vencer a próxima eleição presidencial e aí completar as “reformas” faltantes: passar o que resta da Petrobrás para o capital privado, fazer o mesmo com o Banco do Brasil e com a CEF; aplicar a lógica do mercado no BNDES, ou quem sabe acabar com ele; aumentar a ingerência privada na previdência social, na educação, e muitas outras ações, na mesma direção.

  6. Diego Moreira Responder

    “Contra as cotas, defende-se o “mérito”, como se o “mérito” emergisse no vácuo, sem que importassem as diferenças sociais de oportunidade. Contra o Bolsa Família, defende-se o “trabalho”, como se pobres não trabalhassem e, ainda assim, sem obter o mínimo para uma vida decente”.

    Esse curto parágrafo é definitivo acerca de dois temas entre os mais batidos pela classe média alta reacionária. Não precisava ler mais nada. Li. Muito bom.

    Abraços, @geosuburbanas

    1. Idelber Avelar Responder

      Muito bom mesmo, o Cláudio deu o recado. Abraços, Diego!

  7. Dircelene Aparecida Ferraz Alonso Rocha. Responder

    Gostei…. Compartilhei na minha página.

  8. Jair Fonseca Responder

    Ótimo texto, o do Cláudio Couto: sintético e simples. Quanto ao comentário da Cristiana, recebeu as merecidas rebatidas.

    1. Idelber Avelar Responder

      Jair, meu velho, cria um perfil no Twitter! Você tá aí circulando pelos blogues, mas é no Twitter que anda acontecendo tudo. Adoraria te ver por lá. E com o seu talento epigramático, você daria um ótimo tuiteiro!

  9. Marcelo Nunes Responder

    Olá Prof. Claudio, todos, bom dia.
    É difícil argumentar num texto tão bem escrito, ainda mais por não ter uma base acadêmica, ser um simples profissional de tecnologia da informação.

    Concordo que existam pessoas honestas e bandidos em todas as camadas e áreas da sociedade, e os partidos políticos não são diferentes. Acho que na escolha de um ou outro pesam alguns pontos , no meu caso pesam fatores que trago com a vida. Nasci e fui criado em um bairro pobre e afastado, joguei bola com pessoas que vieram a ser presas , viraram traficantes e por ter uma boa e sólida base familiar segui nos estudos. Fiz colégio público federal por mérito, e faculdade estadual também.

    Digo isso por que não é obrigação do Estado ser PAI ou MÃE. Mas é esta a política do PT, uma política populista, de pão e circo, criação de um líder carismático, controle da mídia.
    Em meu ponto de vista, mais do que criar cotas deve-se melhorar os ensinos de base. Mais do que distribuir dinheiro deve-se gerar empregos.Veja só, não estou dizendo que NÃO se deve distribuir renda, mas isto é pouco, isto sem uma política de incentivo ao estudo e geração de empregos gera uma camada de vagabundos e parasitas na sociedade, sustentados por uma classe que trabalha dia e noite para trazer o sustento da casa.
    O PT também incha a máquina pública para pagar o apoio político, um mensalão de cargos. Eu acredito que os órgãos públicos devam ser mais enxutos e produtivos, não é o que vemos. Novos cargos são criados apenas para pagar apoio político, padrinhos são indicados a cargos de empresas. .ah sim, e o PT, contratando membros do partido, já desconta em folha a cota partidária, esperto, não ?

    Muitos dizem que o PT é democrático internamente, mas ele é autoritário ao extremo. Vários membros de sua base deixaram o partido, Luiza Erundina foi expulsa como outros que declararam ser contra a legalização do aborto. Lembrar também de Heloísa Helena e Marina Silva , só para citar dois nomes de influência que deixaram o partido.. provavelmente por que perceberam que o núcleo esta tomado por uma corja de bandidos.

    Também considero que o PT trate a população como ignorante, muitos indicadores de sucesso foram manipulados, estatísticas são criadas sem dar ao leitor o espaço amostral que esta sendo tratado. Um grande número de pessoas entraram para a classe média por que o critério que define a classe média mudou. ( há há ) . A inflação esta sob controle por que o governo é conivente com a redução de peso das embalagens e produtos. ( há há ) .. a população esta consumindo mais ( há há ) .. ela esta é se endividando mais e os bancos lucrando cada vez mais ( olha o banco aqui.. batendo recorde de lucro em plena era PT, quem diria.. ) enfim, exemplos de medidas que enganam a população, geram até um resultado a curto prazo mas não a médio e longo prazo.

    E só para citar sobre mérito, o Min. Joaquim Barbosa, que esta aparecendo como um herói nacional, se formou em direito na década de 70 e estudou na frança no começo da década de 90. Veja como ele conquistou muitas coisas sem cota. Se quer dar condições, melhore o ensino de base. Dá menos voto mas da mais resultado.

    Enfim.. meus 2 cents para a discussão.

    Apenas para concluir não acho que nenhum partido me represente hoje.. infelizmente mais do que pensar no bem da população eles pensam em afundar o partido que esta no governo para tomar seu lugar. Mesmo que o PSDB governo tenha uma boa proposta o PT é contra , e vice-versa. Vide que nestas eleições que eles determinaram que nenhum candidato seu poderia declarar apoio ao partido oposto, independente dos ideais.
    Eu me sinto um órfão político, e votar no menos pior não é uma opção. Eu só discordo que o menos pior neste caso seja o PT.. não votarei no PSDB mas o PT é , em sua base, uma corja de bandidos.

  10. Juninho Lins Responder

    Olá…não nos conhecemo mas li parte de seu depoimento na página de um amigo.Flávio Terra.
    Olha, votei no PT acreditando na sua proposta de mudanças para melhorar o país e ajudar o povo.
    Me decepcionei com o Lula e seu alto escalão…..quando assumiram o poder fizeram igual ou pior dos que estavam no poder. Hoje não votaria neles nem para síndicos.
    A ideologia do PT era trabalhar para o povo, eles aproveitaram seus cargos para causa própria. Enquanto eram pedras criticavam a situação, quando viraram vidraças mudaram seu discurso.
    O que disse ao Flávio dias atrás é que independente de partidos….quem roubou, desviou (pra mim é a mesma coisa) tem que ir pra cadeia e ter seus bens confiscados. É muita roubalheira e não acontecia nada…..o mensalão está dando uma abertura de mudanças….
    Meu pai sempre dizia…”Temos que ajudar os que precisam…temos que dar os primeiros peixes mas também ensinar a pescar….Abraços

  11. Andréa Werkema Responder

    Muito bom, parabéns por publicar. Tranquilo, uma conversa como deve ser, sem ataques, sem tentativas de catequese.

  12. jesse Responder

    Estou com a Cristiana. E isso tudo me lembra ” A Revolução dos Bichos”.

  13. Ramiro Conceição Responder

    As reflexões do Cláudio são apuradíssimas. Parabéns.

  14. Valdir Responder

    Embora um pouco tardio, gostaria de fazer um comentário. Só não concordo quando o sr. Gonçalves Couto diz que o STF cumpre seu papel. Não cumpre ou então nunca houve político desonesto ou governante corrupto em mais de 500 anos de Brasil, posto que nunca nenhum deles foi condenado antes destes por esta corte. Se nunca ninguém foi condenado antes então, por premissa, são inocentes. E se, na realidade, não são inocentes o STF não cumpre e nunca cumpriu seu papel, posto que nunca os condenou. Assim a Suprema Corte acaba de decretar, com essas sentenças condenatórias, que os únicos políticos e governantes desonestos e corruptos, em mais de 500 anos, foram os atuais condenados.


x