A hora e a vez de Fernando

Gente, após umas férias para juntar os cacos e refletir sobre a hecatombe eleitoral na capital paulista, volto para comemorar com vocês o grande resultado do Julgamento do Século, também conhecido como julgamento do...

1490 21

Gente, após umas férias para juntar os cacos e refletir sobre a hecatombe eleitoral na capital paulista, volto para comemorar com vocês o grande resultado do Julgamento do Século, também conhecido como julgamento do Mensalão do PT.

Trata-se de uma nova era. Um tempo em que os malfeitos dos poderosos são punidos com o rigor que um país minimamente civilizado demanda. Tudo isso graças ao novo herói nacional que surgiu dos tribunais do STF: Joaquim Barbosa.

E por falar em herói, no momento em que as faces mais sórdidas do lulopetismo são expostas na imprensa, o fernandismo volta ao centro da ribalta para demarcar diferença política, ética e de estilo. Por muitos anos, petistas buscavam polarizar a disputa política nacional entre Lula e Fernando. Diziam que os tucanos evitavam a comparação por temerem a popularidade de Lula. Nada mais falso, claro. Evitava-se a polarização para não empobrecer e fulanizar um debate que deveria ser sobre projetos. Agora parece que são os petistas que querem evitar.

Semana passada, a insuspeita Polícia Federal (ou será o braço armado do PIG?) descobriu que uma amiga íntima de Lula mandava e desmandava no governo. Uma história cabeludíssima que revelou a promiscuidade com que nosso ex-presidente e ex-torneiro mecânico do ABC tratava a coisa pública.

Depois de promover festinha junina regada a cachaça em Brasília com os “cumpanhêro” e distribuir mesada pros comparsas, Lula também inventou um cargo justamente para acomodar uma “amiga super mega íntima” no governo.

Não, gente! Chega! Basta! Cansei!

Chegou a hora de mostrar ao Brasil como éramos felizes e não sabíamos. Ontem, Fernando Rodrigues deu o primeiro passo, trouxe respiro a esse mar de lama e apontou caminhos para a imprensa ao oportunamente convocar o ex-presidente, Fernando Henrique, a abrir o coração. Nessa belíssima entrevista pudemos relembrar o seu legado político, intelectual e ético. As respostas são esclarecedoras e estabelecem bem as diferenças de comportamento entre os dois ex-presidentes. Vejamos alguns trechos que eu selecionei com carinho pra vocês :

 

Veja esse último que saiu da Globo, o Avenida Brasil. É interessante. (…) Então você tem que ver como é que essa gente pensa. Eles estão lá, mas ele têm música. Eles têm interesse pelo esporte. Eles têm interesse pelo futebol.

 

Pouca gente conhecia o lado noveleiro de Fernando. Até mesmo para mim foi uma surpresa. O ex-presidente, apesar dos 81 anos, ainda se mostra conectado com o povo: assistiu a novela das 9 e, com seu olhar sociológico, pôde ali enxergar a predileção das camadas desfavorecidas pela música e pelo futebol. Impressionante a análise.

 

 Faço musculação, faço musculação. E rigorosamente. Eu não gosto de andar, mas me obrigam. Mas eu gosto mais de fazer musculação. Máquinas e aquela coisa toda eu faço, exercício, eu faço. E eu como bem e não muito. Eu bebo vinho. Não muito. E, às vezes, whisky, mas raramente. Mas nunca nada muito. E durmo bem. Eu gosto da vida, gosto das pessoas.

 

Fernando malha, bebe socialmente (vinho muito pouco, whisky raramente) e ainda cuida da saúde, enquanto uns e outros se esbaldam na cachaça, na promiscuidade e na falta de cuidado com o templo sagrado da alma que é o corpo. Além de tudo é um cara leve, que gosta da vida, que gosta das pessoas. E dorme bem, talvez porque tenha a consciência tranquila.

Continuemos com essa pertinente entrevista:

 

Folha/UOL: O sr. fumou alguma vez na vida?

FHC: Nunca.

Folha/UOL: Não?

FHC: Não. Eu sou careta [risos].

Folha/UOL: [risos] E como está a vida pessoal?

FHC: Está boa. Muito bem.

Folha/UOL: Está namorando, presidente?

FHC: Isso é o que dizem por aí. Mas dizem tanto, que eu acabo acreditando [risos].

Folha/UOL: Mas está ou não está?

FHC: Eu estou. Mas não estou dizendo que acabo acreditando?

Folha/UOL: Então tá.

FHC: Mas não é meio ridículo? Namorar com 81 anos, não pode.

Folha/UOL: Por quê?

FHC: Mas, no meu caso, eu não penso que eu tenho 81 anos. Então vai [risos].

Folha/UOL: Então tudo bem.

FHC: Mas eu tenho uma vida boa, afetiva. Meus filhos estão aqui sempre comigo. Quase toda semana tenho filhos aqui. E tenho muitos amigos. Muitos. Tenho uma vida, digamos, social, não no sentido de society, mas no sentido de ter com quem almoçar, intensíssima, o tempo todo. Viajo muito, o tempo todo.

 

O Príncipe da Sociologia não é apenas o homem que mudou a cara do Brasil com o Plano Real e a estabilização de uma economia eternamente cambaleante. É também o Fernando, aquele homem família, que sempre preservou os valores democráticos, que sempre soube separar vida pública da privada, que nunca se lambuzou com as benesses do poder. Um homem que teve o máximo respeito com a memória de Dona Ruth Cardoso, aguardando o tempo necessário em respeito ao luto. Hoje, Fernando confessa, encabulado, que está amando novamente e o coração vai muito bem, obrigado.

Infelizmente, esse não é o comportamento que vemos em todos os ex-presidentes. Mal acabou o Julgamento do Século – esse sucesso de crítica e público que passou o país a limpo – e o Brasil se deparou com outro escândalo do crioulo doido envolvendo Lula e uma “amiga”, misturando traição, diploma falso, viagens, cruzeiros, plásticas mal feitas e Bruno & Marrone – o que a Polícia Federal chamou acertadamente de “chinelagem”. Enfim, os detalhes do escândalo são de fazer Berlusconi corar.

Portanto, colegas jornalistas, chegou a hora de revitalizarmos a imagem de Fernando, tão desgastada por gente comprovadamente desqualificada. O Brasil precisa reescrever seu passado mirando no futuro. O sociólogo respeitador da família e dos bons costumes não pode ficar à sombra da popularidade de um torneiro mecânico que se comportou na presidência como um protagonista de pornochanchada dos anos 70. E, nós da imprensa, temos um papel importantíssimo na construção do imaginário coletivo. É urgente haver um contraponto ainda mais enfático ao engodo demagógico lulopetista. Que história contaremos aos nossos filhos, netinhos e tataranetinhos? A verdade precisa ser dita ao Brasil, gente!

Colegas jornalistas da imprensa, uni-vos!

 

PS: E de uma vez por todas, vamos parar de chamar Fernando de FHC, ok? Pelo amor de Deus!

 



No artigo

21 comments

  1. Ronaldo Caparroz Garcia Responder

    Irônico, o texto todo.

    1. Jornalismo Wando Responder

      Isso não corresponde à verdade, gente. Nego peremptoriamente.

    2. Ed Responder

      Realmente esse cara só pode ta brincando, mas pra quê perder tempo fazendo uma brincadeira destas?

  2. Luciana Cerqueira Responder

    Lindo, só digo isso.

  3. Ruy Barbosa Responder

    imitação barata (foto) das fotos de gilberto freyre…

  4. @LCMarinho Responder

    Concordo que não devemos chamar o Fernando de FHC. Eu, por exemplo, chamo-o de FHcomC – ou, por extenso, Fernando Henrique com Chifres.

  5. Nyan Cat Responder

    :3

  6. Helder Responder

    Parabéns pelo texto Professor Hariovaldo.

    :-P

    1. Jornalismo Wando Responder

      Ficou muito Prófi Hari mesmo, Helder. No próximo post tentarei acertar a mão. De qualquer forma, fica a homenagem ao mestre. Aquele beijo!

  7. emerson57 Responder

    quando eu vejo foteeeeenha do nosso amado farol,
    o segundo nome que me vem à cabeça é
    “fegaçê”.

  8. Priscila Responder

    Eu acho que o príncipe deve estar namorando a pequena Sônia!! Não seria um casal dos sonhos Wandinho??

  9. Marina Responder

    hahahahhahahahaha
    vc é uma piada!!!
    ao invés de ficar fazendo julgamentos moralistas dos outros, devia ir estudar um pouco sobre o julgamento do mensalão e o quanto ele não foi eficaz. ou então, melhor ainda, vai estudar comunicação pra ver se vira um jornalista menos medíocre e mais crítico, porque ficar babando ovo de ex-presidente é lamentável.

    1. Jornalismo Wando Responder

      Você que é uma querida! Muito obrigado pelo comentário.

    2. Roni Oliveira Responder

      Que sandice, Meu Deus!

      Se tirar uma xerox das partes íntima do FHC vai aparecer você pendurando pela boca. Sai pra lá seu reacionário de quinta. Você vive em que país? Em que galáxia? Você é tão ordinário e desprezível quanto esse vagabundo do FHC que faliu o Brasil.

  10. Bruno Melo Responder

    O texto está muito bem escrito, mas carregado de preconceitos e pessoalidade. O governo petista está cheio de barbáries, mas não tenho saudades dos tempos de FHC, creio que ambos ambos foram importantes para o Brasil em diferentes aspectos. O controle da economia de “Fernando” deu um novo rumo ao país, mas o crescimento e fortalecimento dela, além do aumento da distribuição de renda (mesmo que com alguns poréns) de Lula também foram de grande importância para o nosso povo. Desculpem-me os defensores do sociólogo, mas durante seu governo senti muita falta de ações que privilegiassem o povo, desculpem-me também os defensores de Lula, mas faltou mais seriedade com a ética e com o dinheiro público. Ah, Wando, o que importa se a bebida é whisky ou cachaça? Esta pelo menos é coisa nosso, da nossa raíz, nosso história e nossa cultura. O que importa se o presidente é sociólogo ou torneiro mecânico? Ambos foram importantes para o nosso país, nenhum deles foi perfeito, mas deram grandes contribuições para o fortalecimento do Brasil frente ao restante do mundo.

    1. Jornalismo Wando Responder

      Obrigado pela crítica construtiva, Bruninho. De coração.

  11. Lord Pimpão de Catanduva SP Responder

    A estabilidade econômica no Brasil só aconteceu a partir do Plano Real de Fernando Henrique desde a época em que ele foi Ministro no Governo Itamar. A verdade é que o Lula e a Dilma só estão colhendo o que o Fernando Henrique plantou, e os desinformados da vida e os defensores radicais do PT, eles não querem saber disto e continuam a divulgar mentiras vezes mentiras referentes que o Brasil só melhorou a partir da administração PT. Isto é uma inverdade e a verdade é que a história da estabilidade financeira no Brasil é dividida em dois, antes e depois de Fernando Henrique Cardoso com o seu Plano Real que deu certo e está funcionando bem até hoje. Ass. Lord Pimpão de Catanduva SP (Blog: pimpao2014.blogspot.com.br)

    1. Jornalismo Wando Responder

      Sem dúvidas, Palhacinho Pimpão querido. Assim como se não fosse a Princesa Isabel, os escravos estariam presos até hoje. E tem gente do movimento negro que renega a herança bendita deixada por ela. Vê se pode? Gente ingrata!

  12. Lord Pimpão de Catanduva SP Responder

    O COMUNISMO É A GRANDE ILUSÃO DE BOBOS. Embora prometesse a prosperidade, igualdade e justiça para todos, só proporcionou e promoveu pobreza, miséria e tirania. Realmente a igualdade foi alcançada no sentido de obrigar todos a serem pobres e miseráveis. E a justiça aconteceu no sentido de dar o direito de todos a sempre obedecerem aos tiranos e ditadores de plantão. Todos os países que adotaram o sistema político comunista de governar são governos totalitários e seus governantes só saem do poder quando eles morrem de velhice, ou quando heroicamente alguém resolve pensar diferente e promove uma revolução. No sistema capitalista tem lá os seus defeitos, mas tudo de bom que existe no Planeta Terra, foi inventado e fabricado pelo mundo capitalista. Computadores, celulares, Internet Livre, aparelhos de som e imagem e muitas outras coisas úteis para o seu dia-a-dia foram inventados, produzidos e fabricados pelo mundo capitalista. Por outro lado, o chamado COMUNISMO, só fabricou e distribuiu pobreza, miséria e tirania para todos. Por que será que em Cuba, um cidadão cubano não pode ter o direito de pegar um avião ou navio e sair do país? E Fidel Castro continua a mandar em Cuba como um ditador de plantão desde 1959. Por que será que na China não existe eleições diretas para presidente de quatro em quatro anos, e lá só tem um partido político que obriga todos a pensarem sempre iguais? Alias, a própria China só começou a melhorar um pouco, porque o Mao Tse Tung morreu, e os seus sucessores, aos pouquinhos, começaram a usar algumas regras capitalistas. Por que será que a Ilha de Taiwan progrediu muito mais do que toda a China Comunista? Por que será que a Coreia do Sul progrediu muito mais do que a sua irmã que é a Coreia do Norte? E na Coreia no Norte, quando o ditador morreu, quem assumiu o governo foi o seu filho como uma monarquia absoluta. Por que será que na RUSSIA resolveram desistir do comunismo que era o seu sistema político de governar desde o ano 1917? E foi na Rússia que nasceu a antiga União Soviética que tentava transformar o mundo inteiro num mundo comunista. E por que será que nos poucos países que ainda insistem no regime político comunista de governar, não tem eleições livres e liberdade de expressão? Assim eu digo: NÃO SEJA BOBO, COMUNISMO NÃO E NUNCA MAIS. Ass. Lord Pimpão de Catanduva SP

    1. Jornalismo Wando Responder

      Exatamente, Palhacinho. Quando Lula e o PT transformarem isso aqui numa Coreia do Norte, não diguem que nós não avisamos.

      1. emerson57 Responder

        sr. blogueiro calcinha,
        quando leio:
        “O COMUNISMO É A GRANDE ILUSÃO DE BOBOS.”
        eu, sempre pensei que a grande ilusão era a rede globobo!


x