Uma nova Tropicália contra a caretice

A crise mostra que dez anos depois uma nova globalização não apenas é possível como necessária e os novos heróis do imaginário popular estão mais no Youtube que na televisão

1046 2

A crise mostra que dez anos depois uma nova globalização não apenas é possível como necessária e os novos heróis do imaginário popular estão mais no Youtube que na televisão

Por Aline Carvalho, do Canal Ibase

Muito se fala da Tropicália. Muito já se falou, e muito ainda se vai falar. Parece que o projeto de Caetano de trazer o Brasil para a Segunda Revolução Industrial, segundo Tom Zé, foi alcançado. Há os que gostem menos, há os que gostem mais, mas uma coisa não se pode negar: A Tropicália marcou o imaginário popular do país.

Naquele momento, a ditadura militar buscava assolar uma criação artística da qual muito pouco ou nada compreendia, sob a forma da censura. Em resposta – e em convergência – a televisão em expansão canalizava as inquietudes de toda uma geração, que se reconhecia em figuras populares quase que eleitas para representá-las na telinha. Uma narrativa de país era construída no eixo Rio-São Paulo e se propagava por satélite com mais velocidade do que se poderiam construir rodovias. Não é à toa que o sistema brasileiro de televisão e publicidade nos anos 60 e 70 foi em grande parte financiado por recursos governamentais, estes, por sua vez, apoiados pelos vizinhos do andar de cima e seu projeto capitalista em plena Guerra Fria.

Ao mesmo tempo, no mundo inteiro, uma juventude começava a questionar valores morais da sociedade, cada qual em seu contexto particular: contra a guerra, contra o consumo, contra o sistema educativo, contra o regime militar. Naturalmente, os ventos revolucionários não demoraram a chegar ao país, desflorando também suas contradições internas. E como nem a sociedade, nem a juventude – e nem a arte – são tão simples a ponto de se limitarem a uma rivalidade entre engajados e alienados, foram estes encontros e desencontros territoriais e afetivos que construíram a narrativa deste período da nossa história. Mas todo conto fica mais atraente com mocinhos e vilões. Assim, passeatas, festivais e ismos foram registrados num imaginário coletivo, que embora já tantas vezes re-contado, sempre tem algo novo a revelar.

Mas e aí, a História parou?

Se a Tropicália foi, naquele momento, um grande catalisador de subjetividades em torno de uma recusa ao dualismo que colocava a MPB versus o iêiêiê, ela também contribuiu para a construção deste mesmo cenário. A televisão popular, que permitia o diálogo com um público mais amplo, centrava seus holofotes mais no “ismo”do que no “ália”. O tropical visto apenas como uma alternativa mais criativa e impactante, ofusca – até hoje – um questionamento mais profundo: como “desenquadrar” as formas de pensamento e compreensão da realidade, ontem, hoje e sempre, em, seus contextos culturais, políticos e econômicos específicos?

Aquele país que se dizia do futuro já chegou no presente, e está construindo a pleno vapor o futuro, que está batendo à porta. Mas hoje a ditadura mudou de ditador, a crise mostra que dez anos depois uma nova globalização não apenas é possível como necessária e os novos heróis do imaginário popular estão mais no Youtube que na televisão.

E se a Tropicália já ganhou estantes da mesma elite que ela criticava, é preciso ressignificá-la. Isso não significa de alguma maneira buscar novos heróis tropicalistas para nos salvar da caretice habitual. Muito pelo contrário. Se bem entendemos as entrelinhas, a questão é: quais são as margarinas, Carolinas e gasolinas das quais precisamos saber, e quais prateleiras, estantes e vidraças devemos derrubar hoje?

Aline Carvalho é ativista da cultura digital brasileira e pesquisadora na Universidade Paris 8 na França. Outros ensaios em www.tropicaline.wordpress.com.



No artigo

2 comments

  1. Karina Responder

    Essa “era de reprodutibilidade técnica”, essa cultura que vivemos é
    herança dos anos ditatoriais que tivemos, esse onda massificada que
    mercantiliza nossa cultura, que transforma a arte em produto, em matéria de uso
    instantâneo, descartável, muitos artistas hoje lutam por se adaptar as novas regras do
    mercado para esse consumo, como atingir com a arte propósitos transformadores e
    atraentemente reflexivos em momentos tão líquidos, efêmeros e superficiais?…é
    um desafio mesmo aos novos “tropicalistas” inconformados com o caminhar dessa
    sociedade.

  2. Michele Franco Responder

    Vivemos a plena“era da reprodutibilidade
    técnica”, essa cultura que vivemos é herança dos anos ditatoriais que
    tivemos, esse onda de massificação mercantilizada de nossa cultura
    que transforma a arte em produto,
    em matéria de uso instantâneo, descartável, os artistas lutam por se
    adaptar as novas regras do mercado para esse consumo, como atingir com a
    arte propósitos transformadores e atraentemente reflexivos em momentos
    tão líquidos, efêmeros e superficiais?…é um
    desafio mesmo aos novos “tropicalistas” inconformados com o caminhar
    dessa sociedade.


x