Mesmo com resistências, Marco Feliciano se elege presidente da CDHM da Câmara

Deputado já afirmou que continente africano é “amaldiçoado” e defendeu a "cura gay"

618 11

Deputado já afirmou que continente africano é “amaldiçoado” e que “podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam ao ódio, ao crime e à rejeição”

Da Redação

Marco Feliciano (PSC) é o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara (Foto: Alexandre Martins/Ag. Câmara)

Apesar de todos os esforços dos deputados Jean Willis (PSOL), Luiza Erundina (PSB) e Erika Kokay (PT), o deputado e pastor Marco Feliciano, foi eleito e oficializado como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. O deputado assume a presidência da Comissão pelo período de um ano. Os parlamentares citados tentaram, por meio de questões de ordem e revisões de ata, barrar regimentalmente a posse do religioso na presidência do órgão colegiado.

Antes mesmo da votação, o deputado Domingos Dutra (PT), que deixou o cargo de presidente da Comissão, e os deputados Erika Kokay (PT), Jean Willys  (PSOL), Luiz Couto (PT-PB) e Luiza Erundina (PSB) abandonaram juntos a sessão. “Vamos sair juntos. Essa comissão não é mais a Comissão dos Direitos Humanos”, conclamou a deputada Luiza Erundina.

Os doze deputados que permaneceram na sessão elegeram Feliciano por 11 votos a favor e um em branco.

Polêmicas

Antes mesmo de ser indicado pelo PSC para a presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, a possibilidade do pastor assumir o cargo gerou protestos de ativistas de direitos humanos nas redes sociais. Isso porque, em 2011, o deputado usou o Twitter para afirmar que o continente africano seria amaldiçoado. “A maldição que Noé lança sobre seu neto, Canaã, respinga sobre o continente africano, daí a fome, pestes, doenças, guerras étnicas!”, publicou.

Em outra polêmica, o pastor publicou, também no Twitter, que “a podridão dos sentimentos dos homoafetivos levam ao ódio, ao crime e à rejeição”. No ano passado, o pastor defendeu, em debate no plenário, os tratamentos de “cura gay”.

Marcos Feliciano nega ser racista e homofóbico

Em seu primeiro discurso como presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, Feliciano rechaçou as acusações de que seria racista e homofóbico. “Vocês me conhecem, sempre respeitei a todos”, declarou. “Não sou contra os gays, sou contra o ato e o casamento homossexual. Quero o lugar para poder justamente discutir isso. Vai ser debate. Vou ouvir e vou falar”, completou o deputado.



No artigo

11 comments

  1. ana patricia mendes Responder

    Sem propósito. Sem sentido. Como pode?

  2. A.Dantas Responder

    é Bolsonaro ali atrás?

  3. CARLOS Responder

    SE É COMISSÃO DE DIREITOS,ONDE ESTÁ O DIREITO DO PARLAMENTAR, CRISTÃO, DE PRESIDIR UMA COMISSÃO ELEITA PELO VOTO DEMOCRÁTICO ?

    1. Jose Mario Raradi Silva Junior Responder

      A questão não é o direito de presidir, e sim colocarem com esse poder alguem com um historico manchado desses.

      1. Lucyanno Nogues Responder

        Isso mesmo Jose Mario, esse cara pode ter os pensamentos que quiser, o pior foi ter colocado ele la, ao ponto de se achar capaz de dizer tanta besteira.

  4. valdecirrock@hotmail.com Responder

    Uma mãe não deixa de amar seu filho mesmo ele sendo o pior bandido que exista,Mas não é de acordo com oque seu filho faz ou fez.Marco feliciano ama os Gueis e opovo Africano.

  5. Guest Responder

    A DEMOCRACIA Sò EXISTE PARA ALGUNS PESSOAS E OUTRAS NÃO?

  6. lucima Responder

    A DEMOCRACIA Só EXISTE PARA ALGUNS PESSOAS? OU PRA TODOS. SE MARCOS FELICIANO è PRECONCEITUOSO QUE O CRITICA É AINDA MAS POR QUE QUER IMPEDIR ALGUEM DE EXERCER UM CARGO DE DIREITO

  7. Marcos Ramos Responder

    Isso significa que uma onda facista está tomando de conta do país e pode ser perigoso para a democracia. Uma Pessoa com essa mentalidade está no lugar errado. O seu preconceito é absurdo e mancha séculos de luta social. É uma vergonha para o congresso e para todos que elegem gente desse tipo.

    1. Agassiz Responder

      Facismo é ñ querer falar a verdade Deus criou na genética , XY SENDO MACHO e XX IGUAL A FEMEA…

  8. Agassiz Responder

    Concordo….
    Facismo ( ver os proprios intereces ou querer ser o unico serto ) é uma vergonha para todos nos brasileiros.
    Vamos imaginar assim, quando defensores das causas gays ou das elites sociais entraram na presidencia da CDHM, não foram PERCEGUIDOS pelas pessoas que usam da preservação da familia instituida por Deus ( a genetica; XY = macho e XX = femea ) e por homens na constituiçao onde define familia como: homem, mulher e sua prole ou filhos.
    Mas quando um defensor desses principios decide lutar pra defender os direitos de ser ETERO SEXUAL ou TRANS VIADO SEXUAL. se levanta esse polemica.
    QUEM É O VERDADEIRO FACISTA ????


x