Feliciano pede reunião com Henrique Alves e pode sair da presidência da CDHM

Presidente da Câmara pede saída do pastor da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Carta de renúncia estaria pronta

517 3

Presidente da Câmara pede saída do pastor da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara. Carta de renúncia estaria pronta

Por Igor Carvalho

Feliciano, mais uma vez, não conseguiu conduzir a sessão da Comissão de Direitos Humanos e Minorias, na Câmara dos Deputados ((Foto: Alexandre Martins/Ag. Câmara)

O deputado Marco Feliciano (PSC-SP) pediu uma reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves (PMDB-RN) para hoje a noite. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do parlamentar peemedebista.

A reunião estava marcada para começar por volta das 19h. Na tarde dessa quarta-feira (20), Alves pediu a renúncia de Feliciano da presidência da Comissão de Direitos Humanos e Minorias. O líder do PSC na Câmara, deputado André Moura, confirmou a informação.

“O presidente [Henrique Alves] fez um apelo para que a gente converse com o pastor Marco Feliciano e analise a possibilidade de ele deixar a presidência da comissão. Vamos cumprir o apelo do presidente. Vamos conversar com o pastor e fazer uma avaliação das manifestações externas e das ponderações do presidente da Casa”, relatou Moura após a conversa com o presidente da Câmara.

Boatos já dão conta de que a carta de renúncia do deputado Feliciano estaria pronta e seria entregue a Henrique Alves durante a reunião. A sessão da Comissão de Direitos Humanos dessa quarta-feira (20) foi tumultuada e Feliciano só exerceu sua função como presidente por oito minutos. Mais uma vez, militantes levaram faixas, vaiaram e impediram o pastor de falar.

Nas últimas duas semanas protestos tomaram conta do país, pedindo a renúncia do deputado Feliciano à frente da CDHM. Além das capitais, o pastor teve que enfrentar manifestações de lideranças evangélicas.

O deputado do PSC foi eleito com onze votos na Comissão de Direitos Humanos e Minorias. Contra si, um discurso que movimentos sociais consideram “racista”e “homofóbico”, além de dois processos no Superior Tribunal Federal (STF): uma acusação de homofobia e uma ação penal por estelionato. A última acusação parte de uma organização gaúcha, que o acusa de ter recebido R$ 13 mil para celebrar cultos nos quais não apareceu.



No artigo

3 comments

  1. Augusto Patrini Menna Barreto Responder

    Beijaço Fora Feliciano, sábado, consolação c/ Paulista, às 17h. #ForaPSC http://ow.ly/jgAuy http://ow.ly/jgBGJ

  2. Joyce Mayra Aguero Responder

    maravilhaaaaaaaaaa

  3. Helen Navajas Responder

    Excelente Noticia!!!!


x