Senado aprova em segundo turno PEC das Domésticas, que entra em vigor no dia 2

Parte do texto dependerá de regulamentação para ter validade; jornada máxima de oito horas diárias ou 44 horas semanais e obrigação de pagamento de FGTS passam a ser direitos dos trabalhadores domésticos

516 2

Parte do texto dependerá de regulamentação para ter validade; jornada máxima de oito horas diárias ou 44 horas semanais e obrigação de pagamento de FGTS passam a ser direitos dos trabalhadores domésticos

Da Rede Brasil Atual 

Sessão conjunta do Congresso no próximo dia 2 deve contar com presença de Dilma (Foto: Geraldo Magela/Agência Senado)

O plenário do Senado aprovou nesta terça-feira, 26, em segundo turno, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 66, de 2012, conhecida como PEC das Domésticas. O texto, de autoria do deputado federal Carlos Bezerra PMDB-MT), estende à categoria direitos como o controle da jornada de trabalho, com limite de oito horas diárias e 44 horas semanais, horas extras, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) obrigatório, adicional noturno e seguro-desemprego. A proposta teve o aval de 66 senadores, com 15 ausências.

Atualmente, o empregado doméstico tem apenas parte dos direitos garantidos pela Constituição aos trabalhadores em geral, entre os quais salário mínimo, 13º salário, repouso semanal remunerado, férias, licença-gestante e licença-paternidade, aviso prévio e aposentadoria. A medida atinge aproximadamente 7 milhões de trabalhadores, dos quais mais de 90% são mulheres e pouco mais de 25% têm carteira assinada.

O debate não teve o clima quente de outras ocasiões, e unificou parlamentares de praticamente todas as siglas em prol da aprovação. Para o senador Paulo Paim (PT-RS), a Casa viveu uma sessão histórica. “Hoje, as empregadasdomésticas estão recebendo seu título de cidadania. Este, sim, é um projeto para atender os pobres, e todo mundo sabe que neste país a pobreza tem cor: é o povo negro.”

“É uma dessas datas que ficarão marcadas na história do Brasil”, acrescentou Pedro Simon (PMDB-RS). “Hoje, a escravatura terminou neste país. Não se verá mais aquele que era o último resquício da escravatura. A partir de hoje, milhões de brasileiros passam a ser cidadãos de primeira classe.”

“Vitória da senzala”, disse Randolfe Rodrigues (PSOL-AP). “Este não pode ser mais o país da casa-grande, de uma elite conservadora, arcaica e escravocrata.”

Parte das mudanças passará a valer imediatamente com a promulgação da emenda constitucional, mas alguns direitos dependerão de regulamentação para se tornarem efetivos. Hoje, antes da sessão que aprovou o texto, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), afirmou que a promulgação será realizada em sessão conjunta do Congresso Nacional na próxima terça-feira (2), provavelmente com a presença da presidenta Dilma Rousseff.

Durante a sessão de hoje, a presidenta da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas (Fenatrad), Creuza Maria Oliveira, esteve sentada na mesa do Senado. Ela destacou a agilidade do na aprovação da proposta entre os senadores, com tramitação de três meses, ante quase dois anos na Câmara.

Para a presidente da Fenatrad, a PEC representa a evolução da legislação em favor dos domésticos e significa uma reparação para a categoria, que reúne quase oito milhões de trabalhadores no Brasil. Segundo Creuza, a relação entre patrão e empregado doméstico não pode mais ser vista como uma relação “casa grande e senzala”. “Nossa luta é um sacerdócio. Cada trabalhador tem que ter sua cidadania”, disse.

O presidente do Sindicato dos Empregados Domésticos do Distrito Federal, Antônio Ferreira Barros, recordou que a aprovação da PEC é uma conquista que está chegando “tarde demais”, pois os trabalhadores domésticos formam uma das categorias mais antigas do Brasil e sempre tiveram menos direitos que outros empregados.

Ele disse que não teme o desemprego entre os trabalhadores domésticos, pois em vez de “ter que mandar a roupa para a lavanderia, comprar comida no restaurante, enviar os filhos para a creche”, o patrão vai preferir contar com um empregado doméstico. “Não há motivo para desemprego. Ser empregado doméstico é gratificante. É uma profissão digna como qualquer outra”, afirmou Barros.

Para o senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF), esta é uma questão a ser contornada. “Haverá um processo de adaptação natural. Estamos escrevendo uma página bonita na história do Congresso”

O colunista da Rádio Brasil Atual, Clemente Ganz Lúcio, diretor-técnico do Dieese, também não acredita em precarização das condições dos trabalhadores domésticos. Segundo ele, momentos de grandes mudança, que trazem benefício aos trabalhadores, são sempre tratados com desconfiança por alguns setores.

“No país, quando se faz uma mudança dessas, há aqueles que alardeiam que as coisas ficarão piores, que as trabalhadoras serão demitidas ou colocadas na informalidade. Não acredito que o emprego doméstico, com a formalização, tenha essas consequências. Se nós lembrarmos, nos anos 90, diziam que se o salário mínimo crescesse nós íamos ter desemprego, inflação e informalidade. O salário minimo teve aumento real, nos últimos anos, acima de 70%, e o desemprego e a informalidade diminuíram”, argumenta.

Clemente lembra que não é somente uma questão salarial que está sendo implementada. “O fato de uma pessoa trabalhar para uma família, e não para uma empresa, não justifica ela não ter os mesmos direitos que qualquer outro trabalhador. Essa PEC vai no sentido de reconhecer direitos trabalhistas não só associados à remuneração, mas vinculando isso a uma jornada, direito de férias, recolhimento para aposentadoria, além do direito à assistência de saúde e licença-maternidade”, destaca.



No artigo

2 comments

  1. SINTRADO Responder

    ANTONIO FERREIRA BARROS. FUNDADOR DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DO DISTRITO FEDERAL E DAS CIDADES DO ENTORNO. O SINDICATO DOS TRABALHADORES DOMESTICAS FUNCIONA DIARIAMENTE DE SEGUNDA A SEXTA FEIRA DAS 09:30 AS 16:30 HORAS, NOSSOS TELEFONES DE CONTATOS SÃO: 61 – 3225 . 3252 / 3226 – 1533 / 3224 – 4960, E O PRESIDENTE DO SINDICATO PODE SER CONTACTADO NO CELULAR 61 – 9633 – 0204. EMPREGADORES E TRABALHADORES DOMÉSTICOS INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS TRABALHISTAS PROCUREM O NOSSO SINDICATO.

  2. Clara Responder

    Estou com uma situação bem delicada:
    Minha babá ta gravida, ela quer que parar de trabalhar, pois não tá dando mais conta de pegar onibus acordar cedo, ta sentindo muitas dores, pega vários atestados, mas não quer pedi demissão, e eu ja falei pra ela que não posso demitir ela, porem ela insiste em que eu faça um acordo com ela, como posso agir nessa situação? Ao mesmo tempo me sinto prejudicada, pois ela cuida dos meus filhos, e quando ela falta é uma loucura, tenho que procurar lugar pra deixar eles, enfim, tem que ter um jeito, no sindicado ja houve uma situação parecida?


x