São 70% os beneficiários adultos do Bolsa Família que trabalham, segundo ministra

Segundo Tereza Campello, estas pessoas não conseguem garantir o sustento de suas famílias somente com seus esforços

824 1

Segundo Tereza Campello, estas pessoas não deixam de depender do benefício por não conseguirem, somente com seus esforços, garantir o sustento de suas famílias 

Da Redação

Ministra Tereza Campello defende que hoje o Bolsa Família é um exemplo de política pública bem sucedida (Foto: Agência Brasil)

A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, afirmou nesta terça-feira (21) que 70% dos beneficiários adultos do Programa Bolsa Família trabalham, mas continuam dependentes do benefício por não conseguirem, somente com seus esforços, o dinheiro suficiente para o sustento de suas famílias.

Segundo a ministra, afirmar que os beneficiários do Bolsa Família são pobres porque não trabalham é inverídico. “Muitos inclusive trabalham no campo e até mesmo têm sua terrinha, mas não conseguem tirar dela o sustento da família. Mesmo nas cidades, há muita gente que não teve condições de estudar e de participar de um curso de qualificação profissional”, afirmou Campello durante o programa Bom Dia, Ministro.

“Esse é um dinheiro que circula e fortalece a economia de cada uma das unidades da Federação, dinamizando o comércio e a indústria. Se o programa beneficia as famílias carentes diretamente, também ajuda a aquecer toda a economia”, comentou a ministra em resposta as críticas de que o programa seria “assistencialista” e “eleitoreiro”.

Leia também:

Dados fornecidos recentemente pelo ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome também contrariam o argumento de que os beneficiados pelo Bolsa Família se “acomodam” com o benefício.  Um levantamento da pasta mostra que 1,69 milhão de famílias beneficiadas deixaram espontaneamente o programa, declarando que sua renda já ultrapassava o limite de R$ 140 por pessoa. Estas famílias representam 12% de um total de 13,8 milhões de famílias atendidas. Os dados abrangem os dez anos de existência do Bolsa Família, entre outubro de 2003 e fevereiro de 2013.

De acordo com a ministra, a ampliação do Bolsa Família fez com que 22 milhões de brasileiros deixassem a situação de extrema pobreza. “Agora, temos um grande desafio, que é levar qualificação profissional e oportunidades para essas famílias que querem melhorar sua situação”, afirmou.

Tereza Campello destacou que o Programa Brasil Sem Miséria, do qual o Bolsa Família faz parte, prevê investimentos públicos na qualificação profissional dos beneficiados por programas sociais, “exatamente para que não seja apenas a transferência de renda, o apoio que damos para que a população saia da extrema pobreza”.

Outro ponto positivo destacado pela ministra em relação ao Bolsa Família é o fato de que ele favorece a educação das crianças de famílias beneficiadas. “Nestes dez anos de existência do programa, as crianças beneficiadas tiveram uma redução muito grande no percentual de evasão das escolas. E não só estão abandonando menos a escola, como conseguiram chegar a um desempenho igual às demais [da rede pública], repetindo menos de ano. Isso é uma prova de que o programa está no caminho certo”, disse.

Para a ministra, o Bolsa Família superou as críticas iniciais e hoje é reconhecido como um modelo de política pública de sucesso. “Hoje, a maior parte da população reconhece os avanços, não só quanto à melhoria da renda, mas também por levar as crianças às salas de aula”, defende Campello.

Com informações da Agência Brasil. 



No artigo

1 comment

  1. Fabio Gunkel Responder

    Chupem reaças


x