O problema não é o tomate, estúpido

Principais motivos causadores da inflação de alimentos seriam o encarecimento de refeições fora de casa, questões climáticas, o poderio das grandes corporações e a fragilidade dos agricultores familiares

467 0

Principais motivos causadores da inflação de alimentos seriam o encarecimento de refeições fora de casa, questões climáticas, o poderio das grandes corporações e a fragilidade dos agricultores familiares

Por Camila Nobrega, do Canal Ibase. Enviada a Porto Alegre (RS)*

Já havia anos que um alimento não ocupava o centro das atenções no país. O jejum foi quebrado por um vermelhinho que bate ponto em quase toda salada de brasileiros: o bom e velho tomate. Depois da alta Índice de Preços ao Consumidor (IPCA) em 2012, cuja participação dos alimentos bateu a casa dos 40%, ele coroou as críticas e reinou absoluto. Os motivos reais dessa situação, no entanto, permanecem escondidos. O alerta foi feito por Renato Maluf, ex-presidente do Conselho Nacional de Segurança Alimentar (Consea), durante o 7º Encontro Nacional do Fórum Brasileiro de Soberania e Segurança Alimentar (FBSSAN), que acontece esta semana em Porto Alegre (RS).

– O preço é o que está aparecendo para a sociedade. Mas ele é sintoma de uma crise muito maior, de ordem estrutural. O sistema alimentar brasileiro está em crise, e só o que chega aos cidadãos é a alta do tomate – provocou Maluf, que também é professor e pesquisador do Centro de Pós-Graduação em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA), da Universidade Rural, e autor de um estudo sobre a inflação, lançado este ano.

O economista listou os principais motivos causadores da inflação de alimentos no país: o encarecimento de refeições fora de casa, questões climáticas, o poderio das grandes corporações sobre o sistema alimentar e a fragilidade dos agricultores familiares, responsáveis pela maior parte dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros.

Menos produtos de agricultura familiar chegam à mesa (Foto: Fernando Stankuns/Flickr)

O último Censo Agropecuário do IBGE disponível, de 2006, ratifica a posição do economista. Os dados mostram que a solução para a alta dos alimentos no Brasil é um grande desafio político, pois passa pela adoção, pelo poder público, de medidas estruturais. Elas estariam relacionadas, por exemplo, com a  justiça fundiária. Pela primeira vez, o IBGE conseguiu levantar dados para ter um perfil da distribuição fundiária do país e medir a participação da agricultura familiar na produção nacional de alimentos. Com 30% de toda a área plantada, a pequena produção responde por 70% dos produtos da cesta básica. Participação expressiva, mas que vem sendo ameaçada pelo crescimento do agronegócio, apoiado sobre a monocultura.

Os números oficiais revelam ainda que 87% da produção nacional de mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 34% do arroz, 50% das aves, 59% dos suínos e 30% dos bovinos procedem da agricultura familiar. Mas o modelo de política agrícola que prevalece no país (desde a colônia) não facilita a vida dos pequenos agricultores. O país optou pela produção de commodities agrícolas para exportação e nunca fez reforma agrária.

Releia também

As raízes da crise alimentar

A geopolítica da fome

Da fome à obesidade

Enquanto isso, a alimentação na casa dos brasileiros vai se transformando. Menos produtos de agricultura familiar chegam à mesa, e cada vez mais produtos comprados de grandes supermercados e processados passam a fazer parte da dieta alimentar. O fenômeno é acompanhado de uma concentração cada vez maior das empresas, como explicou o pesquisador gaúcho Julian Perez.

– Cinco empresas controlam 46% dos alimentos que chegam à casa dos brasileiros. Elas controlam o que comemos.

Para a pesquisadora da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) e especialista em agroecologia Claudia Schmitt, a chave é discutir a regulação dos mercados. Segundo ela, a sociedade precisa acompanhar mais de perto o movimento dessas empresas, percebendo os níveis de concentração de capital no setor.

– Estamos falando de comida, não de um produto qualquer. Não podemos tratar como qualquer mercadoria. É preciso pensar o sistema alimentar brasileiro, e se preparar para desafios futuros. Hoje, há grande movimento de uso de terras para biomassa, geração de energias ou para preservação ambiental, como ocorre no caso de mercados de carbono. Mas nós não temos estudos que nos mostrem quais serão as consequências disso no cultivo de alimentos.

A pesquisadora já acompanhou experiências de modelos alternativos de agricultura familiar, pautados na agroecologia, sistema que conjuga a valorização do pequeno produtor e o cultivo de alimentos sem uso de agrotóxicos. Segundo ela, embora pequenos, esses casos precisam ser mais estudados e divulgados. Aos poucos, as alternativas se multiplicam.

Nesta terça-feira, uma carta política será fechada pelos participantes do FBSSAN e será enviada ao Conselho Nacional de Segurança Alimentar, com o objetivo de influenciar na construção e aplicação de políticas públicas voltadas para a garantia do direito à alimentação.

*Com colaboração de Gilka Resende, do FBSSAN



No artigo

x