SP: Movimento Passe Livre repudia violência contra partidos em manifestação

MPL-SP informou também que não irá mais convocar manifestações

557 0

MPL-SP informou também que não irá mais convocar manifestações 

Da Redação

(Foto: Reprodução / Facebook)

O Movimento Passe Livre, que convocou as exitosas manifestações pela revogação do aumento das tarifas do transporte público em São Paulo, divulgou uma nota na qual condena os atos de violência contra pessoas que portavam bandeiras de partidos políticos durante a manifestação desta quinta-feira (21).

Durante o ato na Avenida Paulista, partidos políticos e movimentos sociais foram hostilizados por manifestantes e seus militantes agredidos e acuados. Um grupo da CUT teve que ser protegido por um cordão de segurança formado por outro grupo de manifestantes.

Na nota, divulgada na noite desta quinta-feira (21), o MPL reafirma que é um movimento “apartidário, mas não antipartidário”. O texto também diz que a pauta central do movimento, “um transporte verdadeiramente público”, é também uma pauta histórica de organizações de esquerda. O MPL afirma ainda que desde o início dos protestos contra o aumento das tarifas do transporte público, partidos de esquerda fizeram parte da mobilização.

Em entrevista concedida à Rádio CBN, o ativista do MPL, Douglas Belome, afirmou que o movimento não vai mais convocar manifestações. “O MPL não vai convocar novas manifestações. Houve uma hostilidade em relação a outros partidos por parte de manifestantes, e esses outros partidos estavam desde o início compondo a luta contra o aumento e pela revogação.” Belome ainda disse que o aumento no número de pessoas que defendem pautas conservadoras nos protestos também motivou a decisão do MPL. “Nos últimos atos pudemos ver pessoas pedindo a redução da maioridade penal e outras questões que consideramos conservadoras. Por isso suspendemos as convocações”, disse

Leia a íntegra da nota:  

Nota no. 11: sobre o ato dessa 5a feira 

O Movimento Passe Livre (MPL) foi às ruas contra o aumento da tarifa. A manifestação de hoje faz parte dessa luta: além da comemoração da vitória popular da revogação, reafirmamos que lutar não é crime e demonstramos apoio às mobilizações de outras cidades. Contudo, no ato de hoje presenciamos episódios isolados e lamentáveis de violência contra a participação de diversos grupos. 

O MPL luta por um transporte verdadeiramente público, que sirva às necessidades da população e não ao lucro dos empresários. Assim, nos colocamos ao lado de todos que lutam por um mundo para os debaixo e não para o lucro dos poucos que estão em cima. Essa é uma defesa histórica das organizações de esquerda, e é dessa história que o MPL faz parte e é fruto. 

O MPL é um movimento social apartidário, mas não antipartidário. Repudiamos os atos de violência direcionados a essas organizações durante a manifestação de hoje, da mesma maneira que repudiamos a violência policial. Desde os primeiros protestos, essas organizações tomaram parte na mobilização. Oportunismo é tentar excluí-las da luta que construímos juntos.

Toda força para quem luta por uma vida sem catracas.

MPL-SP



No artigo

x