Policial cearense defende desmilitarização das PMs

Flávio Sabino, presidente da Associação dos Cabos e Soldados Militares do Estado do Ceará, afirmou que violência contra manifestantes é imposta aos policiais “através do militarismo" e convocou colegas para participarem dos protestos

302 0

Flávio Sabino, presidente da Associação dos Cabos e Soldados Militares do Estado do Ceará, afirmou que violência contra manifestantes é imposta aos policiais “através do militarismo” e convocou colegas para participarem dos protestos

Da Redação

Flávio Sabino, presidente da Associação dos Cabos e Soldados Militares do Estado do Ceará (ACSMEC), divulgou um vídeo no qual convoca policiais de todo os estados para participarem das manifestações que tomaram as ruas brasileiras. Sabino afirma que a violência da Tropa de Choque contra manifestantes é imposta aos policiais “através do militarismo a que estamos submetidos”. Ele ainda convoca os policiais a levarem faixas pedindo a desmilitarização, uma carga horária justa e plano de carreira para a categoria.

Leia também: 

Desmilitarização da polícia, a pauta urgente

Desmilitarizar e unificar a polícia

 “Que a gente possa levar as nossas faixas de cumprimento do acordo, da desmilitarização, de uma carga horária justa, de um plano de carreira e suas promoções. É necessário que façamos parte disso, porque da maneira como está hoje, nós não temos mais o apoio da sociedade, porque ela não enxerga mais a polícia que reivindica, que luta pelos seus direitos. Tá na hora de a gente se engajar e virar o jogo”, diz Sabino.

A desmilitarização da polícia é uma antiga reivindicação dos movimentos sociais. Ações truculentas e sem planejamento levam as policias militares a perderem cada vez mais prestígio junto a sociedade. Para tentar reverter este quadro, Sabino chama a categoria para se juntar aos manifestantes e afirma que a polícia está sendo vista como a principal vilã durante os protestos. “Quem está saindo muito bonitinho nessa história é o governador do estado. O ativista é visto como quem está reivindicando seus direitos, a polícia está sendo vista como vilã e o governador o grande santo que está recebendo as pessoas para negociar”, reforça.

Assista o vídeo:

Com informações do Brasil de Fato 



No artigo

x