OEA vai discutir bloqueio aéreo de países europeus a avião de Evo Morales

José Miguel Insulza, secretário geral da Organização dos Estados Americanos, se disse profundamente incomodado e afirmou que “nada justifica uma ação de tanto desrespeito”

283 0

José Miguel Insulza, secretário geral da Organização dos Estados Americanos, se disse profundamente incomodado e afirmou que “nada justifica uma ação de tanto desrespeito”

Por Carolina Gonçalves, da Agência Brasil 

No próximo dia 9, integrantes do Conselho Permanente da Organização dos Estados Americanos (OEA) vão se reunir para discutir o bloqueio aéreo feito por quatro países europeus à aeronave do presidente da Bolívia, Evo Morales.

No início da semana, autoridades da França, da Itália, da Espanha e de Portugal não autorizaram que a aeronave, que vinha de Moscou, cruzasse o espaço aéreo alegando suspeitas de que o ex-funcionário da CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos), Edward Snowden, estaria a bordo. O avião foi forçado a fazer um pouso de emergência na Áustria onde, segundo fontes de La Paz, foi revistado.

Snowden, que denunciou o monitoramento feito por autoridades norte-americanas de e-mails e ligações telefônicas de cidadãos dentro e fora dos Estados Unidos, está, há quase um mês, em uma área de trânsito do Aeroporto de Moscou, considerada como “território neutro”.

Hoje (6) o presidente da Bolívia ofereceu “asilo humanitário” ao americano. No discurso feito em uma cidade no Sudeste do país, Morales deixou claro que a decisão é um protesto contra os países que impediram que a aeronave decolasse.

A reunião da OEA, marcada para a próxima terça-feira, ocorrerá na sede da organização internacional em Washington e será transmitida ao vivo no site da OEA. Há três dias, o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, cobrou explicações dos governos europeus. Em comunicado, Insulza se disse “profundamente incomodado” e ressaltou que “nada justifica uma ação de tanto desrespeito”.

* Com informações da Agência Boliviana de Informação

(Foto de capa:Alain Bachellier /Flickr)



No artigo

x